Representantes de negros e de quilombolas criticam resposta do governo à Covid-19

Representantes de entidades ligadas ao movimento negro e às comunidades quilombolas criticaram, nesta quarta-feira (20), o atendimento prestado pelo governo federal a esses segmentos da população durante a pandemia de Covid-19. Eles participaram de reunião virtual da comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanha o enfrentamento à doença.

Assessora política do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), Carmela Zigoni acusou o governo de promover um desmonte na política de igualdade racial do País e lamentou a baixa execução do orçamento colocado à disposição do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MDH). Segundo ela, o governo gastou efetivamente neste ano apenas 13% (R$ 77 milhões) dos R$ 575 milhões disponíveis.

Como exemplo do desmonte, ela citou a decisão do governo de excluir, do Plano Plurianual 2020-2023, o Programa 2034, que prevê ações de enfrentamento ao racismo e de promoção da igualdade racial. Zigoni criticou ainda, em relação aos quilombolas, a ausência, desde 2017, de recursos para a regularização fundiária e, desde 2018, de recursos para apoiar o desenvolvimento sustentável.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), que sugeriu o debate juntamente com outros seis deputados, defendeu como medida urgente o fortalecimento da atenção básica em periferias, favelas e região de quilombos. “Temos que detectar obesos, hipertensos, os com anemia falciforme e as demandas sociais dessas populações, fazendo testagem e isolamento prévio”, disse. Ela sugeriu ainda rever o orçamento para 2021 para assegurar ações de promoção da igualdade racial e de apoio aos povos quilombolas.

Secretária-executiva do Fórum Permanente de Igualdade Racial, Valdecir Nascimento, disse que a pandemia evidenciou e agravou ainda mais a exclusão social, o racismo, o desemprego, a ausência de saneamento básico e a violência entre populações vulneráveis. “Vivemos em País totalmente hostil à população negra. Se temos 115 milhões de pessoas mortas, 70% são negros”, disse.

A opinião foi compartilhada pela representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos Angela Terto. “A pandemia ressaltou a desigualdade e o racismo estruturais de afrodescendentes, evidenciado nas dificuldades de moradia e de acesso à saude, à agua, ao saneamento”, disse. “Não há como dissociar a resposta à pandemia de desafios já existentes. É um momento difícil, mas também uma oportunidade para enfrentar o racismo e reduzir desigualdades sociais e raciais”, observou.

A deputada Aurea Carolina (Psol-MG), que também sugeriu o tema do debate, disse que o governo não está conseguindo reverter a maneira desigual com que a pandemia vem atingindo a população. “A pandemia, que causa mortes em massa, atinge de maneira agravada a população negra e quilombola, porque há um alinhamento ideológico racista por parte do governo federal”, criticou.

Ações do governo
Coordenadora-geral de Políticas Étnico-Raciais do MDH, Luciana Gonçalves citou, entre as ações do governo voltadas às populações negra e quilombola na pandemia, o pagamento de auxílio emergencial de R$ 600, a isenção da tarifa de energia elétrica e medidas para reduzir o contágio pelo novo coronavírus. Segundo ela, o auxílio emergencial deve atender 21 milhões de negros e pardos e 235 mil quilombolas.

Entre outras medidas, ela destacou ainda a destinação de R$ 4 milhões para compra de cestas básicas para comunidades quilombolas. “Do total de 40.334 mil cestas, 67,2% já foram entregues”, disse.

“Estou abismado com o que ouvi do governo. Apenas 40 mil cestas básicas para os quilombolas? Como se isso representasse alguma coisa para o enfrentamento da pandemia por negros e quilombolas”, reagiu o deputado Bira do Pindaré (PSB-MA).

Secretária-executiva da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), Selma Dealdina informou que esse número de cestas básicas não atende nem a Região Nordeste. Segundo ela, há 6.330 quilombos no País, distribuídos por em 24 estados e reunindo 16 milhões de pessoas. Até o momento 155 quilombolas morreram em decorrência da Covid-19 de um total de 5 mil contaminados.

“40 mil cestas básicas é o resultado de ações de ONGs de porte médio”, reforçou o representante da União de Núcleos de Educação Popular para Negro (Uneafro), Douglas Belchior. “É constrangedor o governo apresentar isso. Se há orçamento disponível, porque ele não se transforma em ações efetivas.”

Selma Dealdina questionou ainda a informação prestada pelo MDH de que 235 mil quilombolas tem direito a auxílio emergencial. “”Tivemos milhares de famílias excluídas do bolsa família e que não acessaram o auxilio porque [no cadastro] o telefone não poderia ser igual ao de outra familiar ou por diversas outras razoes”, concluiu.

+ sobre o tema

Magia Negra

por Sergio Vaz Magia negra era o Pelé jogando, Cartola...

Black Eyed Peas se apresenta em São Paulo

A banda Black Eyed Peas está acertando com produtores...

Exposição leva 85 Barbies negras a shopping de SP

Quem passar pelo Raposo Shopping (Grande São Paulo) a...

Copa na África:Drogba diz que se esquece da dor quando vai a campo

As dores que o atacante Didier Drogba ainda...

para lembrar

WILLOW divulga vídeo de “G R O W”

Nesta terça-feira (19), WILLOW divulgou o clipe do single...

Entrevista: Cida Abreu fala sobre o que significa presidir a Fundação Palmares

Recém-empossada, a presidenta da Fundação Cultural Palmares (FCP/MinC), Cida...

Ícone do combate ao apartheid, Tutu diz que vai se aposentar

DA ASSOCIATED PRESS - O arcebispo sul-africano Desmond Tutu,...
spot_imgspot_img

SP: mostra de cinema Léa Garcia – 90 Anos celebra obra da artista

A mostra inédita Léa Garcia - 90 anos, que começa neste sábado (25), celebra a obra da renomada artista do cinema nacional, que morreu em...

Spcine marca presença no Festival de Cinema de Cannes 2024 com ações especiais

A Spcine participa Marché du Film, evento de mercado do Festival de Cinema de Cannes  2024 e um dos mais renomados e influentes da...

Brasileiro dirige único teatro negro da Alemanha

"Ainda tenho um milhão de coisas para fazer", diz Wagner Carvalho, diretor artístico do teatro Ballhaus Naunynstrasse em Berlim, poucas horas antes da estreia da noite. Wagner não...
-+=