Resenha: Carnaval no Feminino

A história do Carnaval baiano através da vivência feminina

Publicação da Sepromi resgata perfis de 38 mulheres que ajudaram a construir a folia

 

Com o advento das músicas consideradas depreciativas e algumas, até, acusadas de incentivar a violência, o exemplo positivo na associação da folia momesca com a figura da mulher vem de um órgão público. Carnaval no Feminino, livro-reportagem produzido pela Sepromi – Secretaria de Promoção da Igualdade, supre uma lacuna histórica: mostrar que a trajetória da maior festa popular do planeta é marcada pela presença – e trabalho intenso – de gerações de mulheres que se sucedem na linha de frente e nos bastidores do evento.

Concluído em março de 2010, mas distribuído no início deste ano, quando a energia feminina regerá a folia 2011 (a terça-feira de Carnaval cai em 08 de março, Dia Internacional da Mulher), o livro reúne 38 perfis de mulheres que tem fortes laços com a folia, seja porque são artistas e dirigentes de blocos, ou ainda porque trabalham na festa. Não faltam também histórias das matriarcas da folia, que há 60 anos quebraram tabus e preconceitos e conquistaram um espaço à duras penas.

Carnaval no Feminino, com estrutura narrativa constituída por breves introduções e um encadeamento de perfis temáticos, faz a ponte entre as histórias pessoais de cada uma das biografadas e a evolução da festa baiana. As personagens escolhidas tem histórias de puro deleite, mas também de muita decepção. Ainda assim, o tom não é amargo e nem lamuriento. É um belo compêndio de trajetórias pessoais de superação que, ao leitor mais atento e crítico, ajudam a compreender a cultura afrodescendente local.

No palco e na rua – Entre os nomes conhecidos da mídia, estão no livro: Margareth Menezes, Carla Visi, Márcia Short, Vera Lacerda, Alaíde do Feijão e Negra Jhô. Mas é nas histórias da ialorixá Jercília ou da ex-rainha do Ilê Aiyê Ginga (que usa apelido em referência a rainha Nginga, de Angola), que revela-se a construção de uma teia de solidariedade que remonta às estratégias de sobrevivência da época colonial.

Contando sobre o presente, mas em conexão ao passado, Carnaval no Feminino mostra-nos o universo das ganhadeiras, que vendiam comida com seus tabuleiros equilibrados na cabeça e hoje, na barraca ou isopor, tiram o sustento de famílias inteiras em seis noites de insônia. Nas páginas dos perfis está também o passado das caixinhas de pecúlio, para juntar o dinheiro da alforria de outrora, reatualizadas nas “caixas” que angariam fundos para botar o bloco na rua em tempos de patrocínio escasso – e mídia mais escassa ainda – aos grupos de estética e ideologia afro.

Não falta a musicalidade herdada da África, que atravessou gerações nos comandos dos terreiros de Candomblé. E, tampouco, deixa-se de tocar na ferida da exploração do trabalho das cordeiras (mais discriminadas que os cordeiros, por serem mulheres), mas que, paradoxalmente, justo na corda é que reside uma das únicas opções dos mais pobres se inserirem na folia, dentro desse contexto de grandes blocos e da indústria de mega trios da axé music.

A lamentar, só o fato da tiragem ser restrita a dez mil exemplares distribuídos entre entidades culturais, quando deveria estar também nas livrarias. Leitura obrigatória para mulheres – e homens – não apenas afrodescendentes, mas de todas as cores de Salvador, cidade que como dizem os poetas, tem nome de homem e “alma” de mulher.

Ficha Técnica:

Carnaval no Feminino

Secretaria de Promoção da Igualdade (Sepromi) – www.sepromi.ba.gov.br

161 páginas / Distribuição gratuita

*A resenha foi publicada na edição deste sábado, 26/02/2011, do Caderno 2+, de A TARDE e no blog Luz sobre a escrivaninha.

 

Fonte: Lista Racial

+ sobre o tema

Exploração sexual de crianças e adolescentes só tem 20% dos casos denunciados

Denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes representam...

Terceirização tem ‘cara’: é preta e feminina

O trabalho precário afeta de modo desproporcional a população...

Internet impulsionou surgimento de um novo feminismo

Redes sociais ajudaram a divulgar campanhas que chegaram às...

Arquitetura dos direitos reprodutivos e ameaças ao aborto legal e seguro

Iniciamos esta reflexão homenageando a menina de 10 anos,...

para lembrar

Por que parar na questão de gênero? Vamos trocar a Constituição pela bíblia

Por conta da pressão da Frente Parlamentar Evangélica junto...

Programa Justiça Sem Muros do ITTC lança campanha sobre visibilidade ao encarceramento feminino

Inspirado na arte de Laura Guimarães, o programa Justiça Sem...

Homens que cuidam

João está deprimido. Fez uma consulta com um psiquiatra...

Estudantes do Rio combatem machismo e racismo com projeto transformador

Com o título Solta esse Black, alunas da Escola Municipal...
spot_imgspot_img

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria Lata D’Água’ – morreu na noite dessa sexta-feira (23), em Cachoeira Paulista, no interior de São...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A temperatura da cidade de São Paulo bate 33°C, mas lá fora, longe do meu ventilador,...
-+=