A resistência do projeto “Faça Amor, Não Faça Chapinha”

Já no ensino médio aprendemos que o gene do cabelo cacheado é predominante ao liso. O professor passa horas nos explicando que quem tem cabelo encaracolado e crespo é Aa ou AA, enquanto liso é aa. A teoria parece ser difícil de entender, então as meninas do projeto “Faça Amor, Não Faça Chapinha” foram para a prática e começaram a desenhar o esboço do que se tornaria não só uma interação entre ‘pessoas cacheadas’, mas também um manifesto à favor da resistência dos cachos.

por Lindainês Santos  no Net10

faça-amor1

Letícia Carvalho, de 17 anos foi a responsável pelo desenho que hoje é símbolo e logomarca do projeto. Em 2013, inspirada pela fanpage ‘Faça Amor, Não Faça Barba’, Letícia fez seu primeiro rascunho, tirou uma foto e compartilhou com seus amigos. No momento inicial, ela não esperava que aquela imagem faria tanto sucesso. “Tirei uma foto bem feiosa na webcam e postei no meu facebook com a legenda que hoje dá nome ao projeto e, para minha surpresa, a imagem rendeu muito. Uma das pessoas que viu a imagem, a Amanda Bomfim, pediu para criar uma página com a frase e a chamei para me ajudar”, conta Letícia. No início, quatro garotas ficaram à frente do projeto: Letícia, Nathália Ferreira, Amanda, Nathália Hera e Rayana Soares.

Entre camisetas, bottons, bolsas e desenhos, as meninas conquistaram a atenção e carinho de pessoas de todo o Brasil, que passaram a enviar as próprias fotos, algumas vezes acompanhadas de uma experiência de vida contando as dificuldades e os prazeres de revelar a cabeleira ondulada.

faca amor2

Atualmente são mais de 100 mil seguidores no facebook, mais de 3 mil histórias relatadas e dois encontros oficiais, que em 2015 a promessa é de que mais sejam realizados. Nos encontros, são feitas rodas de conversa e gincanas para deixar todos mais à vontade e também usando como temas as brincadeiras de “mau gosto” e preconceitos são divididos para que, juntas, ela possam se unir e encarar o dia a dia com mais tranquilidade. “Esses momentos são muito importantes, porque tem muitas pessoas que, por não conseguirem responder e encarar os preconceituosos, acabam sofrendo ainda mais. Na infância, as crianças escutam muito que o cabelo delas é ruim, é ‘fuá’, e elas acabam tomando isso como verdade. Quando crescem, têm vergonha do próprio cabelo e passam por muitos processos para alisar. É para isso que os encontros servem, para que possamos externar nossas experiências e compartilhá-las entre nós”, diz Letícia.

faça-amor5

Com o sucesso da página, as meninas passaram a enviar seus produtos para diversos estados, entre eles São Paulo e Minas, os que mais compraram depois dos pernambucanos. E entre entradas e saídas, hoje elas são 5: Amanda, Letícia e Nathália, presentes desde o início, e Alice do Monte e Katarina Mendes.

faça-amor4

Vencendo o preconceito, enaltecendo o orgulho de ter cabelos crespos e cacheados, partilhando ideias e vivências, um pequeno grupo de meninas mostrou a todos que a representatividade dos cabelos precisa ser mostrada para que tabus e outros tipos de preconceito sejam quebrados, encorajando a liberdade dos cachos. Essa luta é uma luta diária, mas que não pode ser feita sozinha, então… faça amor, não faça chapinha!

Para conferir a fanpage do projeto no facebook, acesse: Faça Amor, Não Faça Chapinha

faça-amor3

+ sobre o tema

‘O racismo deixa marcas na alma’

Belo-horizontina e médica, Júlia Rocha tem sido alvo de xingamentos...

Homenageada com poemas e cantos, Conceição Evaristo lança sexto livro

Premiada e traduzida, Conceição Evaristo virou referência para autoras negras, mas...

“Navio Atavos” sugere reflexão sobre a ancestralidade afro-descendente

Exposição gratuita pode ser conferida até 22 de setembro. Do...

para lembrar

TJSP nega 83% dos habeas corpus pedidos para mulheres acusadas de aborto

Nos Habeas Corpus negados, há duas mulheres acusadas pelo...

Amantes de padres católicos pedem fim de celibato em carta aberta

 Em carta a Bento XVI, mulheres defendem que celibato...

Autoras negras abrem horizontes e mercados

Escritoras como Ana Maria Gonçalves e Conceição Evaristo estimulam...

Fabrício Boliveira: “O machismo é uma escravidão”

Capa da GQ de setembro ao lado de Emilio...
spot_imgspot_img

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo da meninade joelho num surrão. Grita ao vento seu nomeComo se quisesse dizerQue mulher tem que...

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no que tange a sua organização, estrutura produtiva e relações hierárquicas. Essa transição está sob forte...

Peres Jepchirchir quebra recorde mundial de maratona

A queniana Peres Jepchirchir quebrou, neste domingo, o recorde mundial feminino da maratona ao vencer a prova em Londres com o tempo de 2h16m16s....
-+=