Resolução que recomenda fim dos ‘autos de resistência’ é aprovada

A licença aprovada pelo Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH) prevê a mudança das ocorrências para “lesão corporal decorrente de intervenção policial” ou “morte decorrente de intervenção policial” nos boletins policiais.

A licença foi acatada na última quarta-feira (28). O Conselho, que faz parte da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), ainda determina que os casos devam ser investigados pela Delegacia de Crimes contra a Pessoa ou por uma delegacia com atribuição semelhante.

Um dos motivos para abolir os termos é que eles não constam no Código Penal Brasileiro. Qualquer crime com essa procedência é considerado homicídio, de acordo com o artigo 121 da Lei.

A proposta surgiu após pressão dos movimentos sociais junto a órgãos do governo. No mês passado, a ministra da SDH, Maria do Rosário, recebeu integrantes do movimento Mães de Maio para tratar da questão da violência policial.

O fim da ocorrência registrada como “resistência seguida de morte” nos autos, em todo o Brasil, fazia parte de um conjunto de demandas que foram apresentadas durante a reunião. Os novos termos ainda passarão por uma avaliação do CDDPH.

De acordo com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, juntando o índice de homicídios em São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, de janeiro de 2010 a junho de 2012 , dois mil oitocentos e oitenta e duas mortes foram registradas como “resistência seguida de morte” ou “autos de resistência”.

O doutor em Antropologia e pesquisador do Departamento de Estudos Africanos e Afro-Americanos da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, Jaime Amparo, defende a aprovação da resolução. Segundo ele, tanto a “resistência seguida de morte” quanto os “autos de resistência” servem apenas para legitimar as práticas criminosas de agentes do Estado. (pulsar/brasildefato)

 

 

 

Fonte: Agência Pulsar 

+ sobre o tema

O futebol desconstrói o mito da democracia racial

Discriminação contra negros em um ambiente convidativo ao preconceito...

Em ato de racismo, indígenas são expulsos de ônibus de viagem

Por conta do preconceito de uma mulher que não queria...

para lembrar

Suíço é excluído do Campeonato Europeu após postagem racista contra franceses

Um vídeo postado logo após o título mundial de...

“Vou te bater, seu macaco”. Garçom acusa homem de racismo na região

No começo desta semana, um caso de injúria racial...

PM-SP responde a ONG Human Rights Watch: ‘é a sociedade que é violenta’

O comandante geral da Polícia Militar de São Paulo...

Pichações nazistas são encontradas na UNESP, em Franca-SP

Em dois anos, UNESP registra 6 casos semelhantes em...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=