Reverendo Jesse Jackson fala sobre avanços e retrocessos rumo à igualdade racial nos EUA

Enviado por / FonteDa Onu

Defensor de direitos humanos, o pastor norte-americano Jesse Jackson fazia parte do grupo que acompanhava Martin Luther King no hotel Lorraine, em Memphis, Tennessee, onde o reverendo foi baleado e morto em 4 de abril de 1968.

Em entrevista ao UN News, Jackson falou sobre os avanços dos direitos civis nos Estados Unidos nos últimos 50 anos, lembrando que, no entanto, também estão ocorrendo retrocessos.

Ele destacou as desigualdades sociais nos EUA, onde “poucos têm muito e muitos têm pouco”, e que apesar de haver o princípio da igualdade racial para afro-americanos no país, “não temos igualdade econômica, e a raça foi usada para nos oprimir e nos negar acesso a recursos”.

Defensor de direitos humanos, o pastor norte-americano Jesse Jackson fazia parte do grupo que acompanhava Martin Luther King no hotel Lorraine, em Memphis, Tennessee, onde o reverendo foi baleado e morto em 4 de abril de 1968.

Em entrevista ao UN News, Jackson falou sobre os avanços dos direitos civis nos Estados Unidos nos últimos 50 anos, lembrando que, no entanto, também estão ocorrendo retrocessos.

Ele destacou as desigualdades sociais nos EUA, onde “poucos têm muito e muitos têm pouco”, e que apesar de haver o princípio da igualdade racial para afro-americanos no país, “não temos igualdade econômica, e a raça foi usada para nos oprimir e nos negar acesso a recursos”.

“O acesso (dos negros) à educação, à saúde e ao desenvolvimento não é igualitário”, declarou. “Esta é a próxima fase da nossa luta, para além da liberdade racial, rumo à igualdade racial”, completou.

Jackson é atualmente chefe da organização Rainbow PUSH Coalition, que luta por mudanças sociais nos EUA. Ele foi pré-candidato à presidência pelo Partido Democrata em 1984 e em 1988.

Para o pastor, entre as principais conquistas desde a morte de King está o direito ao voto para os negros nos EUA. Outro avanço foi a eleição do primeiro presidente negro, Barack Obama, em 2008.

“Por outro lado, houve reações ao nosso progresso nos últimos anos pelas forças temerosas do (presidente norte-americano Donald) Trump, forças contrárias à justiça racial e à igualdade de gênero, houve certos retrocessos. Mas estamos reagindo. Estou convencido de que o voto é a ferramenta mais forte dessa luta.”

Jackson ressaltou que as lutas e o destino fizeram como que Obama e Martin Luther King proferissem discursos históricos, em épocas diferentes, na mesma área de Washington, ao se referir ao discurso “I have a dream” (“Eu tenho um sonho”), de Martin Luther King, em 1963.

“Há muita pobreza na América. Poucas pessoas têm muito, muitas têm muito pouco. Há muita violência. Muita violência armada. Somos a nação mais violenta do mundo, produzimos a maior parte das armas, e atiramos com elas”, declarou. “Precisamos escolher o futuro em vez de funerais”.

Ele disse que os protestos massivos de estudantes em defesa de regras mais restritivas ao comércio e ao porte de armas nos EUA foi um divisor de águas que pode levar a uma nova coalizão global de consciência para garantir os valores da igualdade racial e dos direitos humanos para todos.

 

+ sobre o tema

Negro, marginal e rebelde, Lima Barreto será o próximo homenageado da Flip

A organização da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty)...

Aline Santos

"Os espanhóis dão muita atenção à formação, enquanto aqui...

Nas telas – Pelé: um time à altura de sua vida

Nas telas - Pelé: um time à altura de...

para lembrar

“A minha escrita é negra, mas gosto de contos de fadas”

Roxane Gay pertence à geração de escritores que está...

Pelé, o melhor do mundo

  por Carlos Leonam É merecida, ainda que...

Hoje na História, 12 de Maio de 1913 nascia Jamelão

José Bispo Clementino dos Santos, ou simplesmente Jamelão, foi...

Pioneiras: Melânia Luz, a 1ª negra brasileira em Olimpíadas

Ela é luz. No presente mesmo. Porque o feito...
spot_imgspot_img

Spcine marca presença no Festival de Cinema de Cannes 2024 com ações especiais

A Spcine participa Marché du Film, evento de mercado do Festival de Cinema de Cannes  2024 e um dos mais renomados e influentes da...

iAMO lança seu programa de residência artística audiovisual durante Festival de Cannes

O Instituto Audiovisual Mulheres de Odun (iAMO), presidido pela cineasta Viviane Ferreira, anuncia na sexta-feira, 17 de maio, o lançamento do seu Programa de...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...
-+=