Rio de Janeiro: Prefeitura lança auxílio financeiro para mulheres em situação de vulnerabilidade social e violência doméstica

Enviado por / FonteO Globo, por Diego Amorim

No primeiro momento, 80 mulheres serão beneficiadas com valor de R$ 400 por mês. O objetivo é chegar a 500 cartões 'Mulher Carioca'

A prefeitura do Rio e a Secretaria de Políticas e Promoção da Mulher lançaram, nesta terça-feira, o Cartão Mulher Carioca. Trata-se de um auxílio financeiro no valor de R$ 400 para mulheres em situação de violência doméstica e de vulnerabilidade social atendidas pelo município. Já neste primeiro momento, 80 mulheres serão beneficiadas. O objetivo é chegar a 500 cartões. O auxílio será pago por até seis meses, prorrogáveis por mais três, conforme decisão da equipe técnica da secretaria municipal.

— Muito bom saber que nós estamos lançando algo tão importante. A gente sabe a urgência disso tudo e o quanto a violência contra a mulher tem aumentado no país. E o Rio tem andado na contramão e trazendo soluções, políticas públicas e estratégias. Nós não estamos aqui para apagar incêndios mais, mas sim para garantir direitos, mudança social e segurança de vida — afirma a titular da pasta, Joyce Trindade.

Segundo levantamento da secretaria, cerca de 34 mil mulheres foram vítimas de violência em 2020 na cidade. Além disso, mais de 60% delas tiveram redução da renda. Dessas, quase metade perdeu emprego (46,7%), índice que foi de 29,5% entre as que não sofreram violência.

Para ter direito ao cartão, é preciso estar em situação de violência doméstica e em vulnerabilidade econômica e/ou social; ser atendida pela rede de enfrentamento da prefeitura; morar na cidade do Rio; ter renda familiar de até meio salário mínimo por pessoa; e ter 18 anos ou mais, com exceção de mães  adolescentes. Não é preciso registro de ocorrência. Hoje, a secretaria presta atendimento a cerca de 24 mil mulheres.

Nesta primeira etapa, foram selecionadas as mulheres atendidas pela rede de enfrentamento há pelo menos 12 meses. O total de 500 cartões sera alcançado, segundo a pasta, conforme a demanda e respeitando os critérios estabelecidos pela equipe técnica, sem prazo pré-determinado.

— Fico muito feliz com a chegada desse cartão, porque muitas mulheres têm medo de não conseguir sobreviver sem o marido, exatamente por não terem dinheiro — explica Elaine, de 42 anos, uma das mulheres assistidas pelo Centro de Atendimento à Mulher (Ceam) Chiquinha Gonzaga, no Centro do Rio, que será beneficiada com esse auxílio.

A cerimônia contou com a participação do prefeito Eduardo Paes, que lembrou que a criação da Secretaria da Mulher foi uma promessa de campanha cumprida durante a sua última gestão, a partir de 2013.

— Isso é algo que eu carrego no currículo com muito orgulho. Devemos estabelecer políticas efetivas como essa. E gostamos de pensar grande também. Nós vamos ser referência na América Latina em políticas públicas para as mulheres. Viva as mulheres, viva o Rio de Janeiro. A violência contra a mulher é um problema grave da nossa sociedade, que aumentou na pandemia, e cada vez mais a prefeitura tem tentado estabelecer políticas públicas específicas para ajudar essas mulheres.

Ainda de acordo com a secretaria, durante a pandemia, quase 25% das mulheres que sofreram violência doméstica disseram que a perda de renda pesou para a ocorrência da violência que vivenciaram. O cartão não tem identificação, e apenas a parte técnica tem acesso aos dados.

Hoje a secretaria faz atendimentos na Casa da Mulher Carioca Dinah Coutinho, em Realengo, e na Casa da Mulher Carioca Tia Doca, em Madureira, além do Ceam Chiquinha Gonzaga, no Centro da cidade.

+ sobre o tema

Marcha das Vadias, em SP, destaca que sexo sem consentimento é estupro

Organizadoras pedem educação dos homens para evitar abusos e...

O embranquecimento do futebol brasileiro segundo a filósofa Sueli Carneiro

A entrevista que Mano Brown fez com a intelectual...

Na mesma cela, 99 homens e 3 mulheres

Confinada com 99 homens num presídio em Pernambuco, Fernanda...

para lembrar

Misoginia agora é crime de ódio na Inglaterra

Aconteceu uma decisão histórica para o mundo, em Nottinghamshire,...

Conheça a InfoPreta: Primeira e única empresa de tecnologia criada por mulheres negras e LGBTs

Uma empresa criada por mulheres negras pensada para negras...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=