quinta-feira, maio 19, 2022
InícioEm PautaRisco Lula trava proposta de antecipação de eleições presidenciais

Risco Lula trava proposta de antecipação de eleições presidenciais

“PEC das eleições não passa pelo simples fato de que Lula é o favorito hoje”, disse Renan Calheiros

Por Eduardo Miranda, do Jornal do Brasil 

Aceno da presidente afastada Dilma Rousseff para convencer senadores a votarem contra o seu impeachment, a proposta de antecipar as eleições presidenciais para este ano já é dada como morta antes mesmo de nascer. A causa é a popularidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, em recente pesquisa de intenção de votos da Confederação Nacional do Transporte (CNT/MDA), vence em praticamente todos os cenários, com diferentes adversários.

A interlocutores, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), foi direto na sentença, ao traçar um panorama depois de observar o humor dos parlamentares diante da pesquisa: “A PEC das eleições não passa pelo simples fato de que Lula é o favorito hoje”, disse o senador peemedebista em relação à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 28/2016, que começou a tramitar no Senado no dia 1º e prevê realizaçãode plebiscito nacional, no primeiro turno das eleições municipais de 2016, questionando o eleitor sobre a realização imediata de novas eleições para presidente e vice-presidente da República.

A desconfiança do Senado, composto majoritariamente por peemedebistas, aumentou após a conversa de Lula com o senador Jorge Viana (PT-AC), 1º Vice-Presidente da Casa, na última terça-feira (7). Após o encontro, a informação que circulou nos corredores do Congresso Nacional foi breve: “Lula quer, Dilma topa”. Em recentes entrevistas, a presidente Dilma reafirmou o compromisso de convocar o plebiscito, caso consiga vencer o presidente interino Michel Temer.

A proposta, de autoria do senador Walter Pinheiro (sem-partido-BA), recebeu o apoio de 32 senadores. Pela PEC, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) será o responsável pela convocação e regulamentação do plebiscito, ao qual o eleitor deverá responder “sim” ou “não” para a seguinte pergunta: Devem ser realizadas, de imediato, novas eleições para os cargos de presidente e vice-presidente da República?

De acordo com a PEC, se o número de votos em favor da realização de novas eleições imediatas for igual ou superior à maioria dos votos válidos, o TSE convocará o novo sufrágio para 30 dias após a proclamação do resultado do plebiscito. Pelo texto, o mandato dos eleitos finaliza em 31 de dezembro de 2018.

Na intenção de voto espontânea em simulação de primeiro turno, Lula é o preferido de 8,6% dos entrevistados. Em seguida, vem o senador Aécio Neves (PSDB), com 5,7%. Na sequência, aparecem a ex-senadora Marina Silva (Rede), com 3,8%; a presidente afastada Dilma Rousseff, com 2,3%; o presidente interino Michel Temer, com 2,1%; o deputado Jair Bolsonaro (PSC), com 2,1%; o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), com 1,2%; o governador Geraldo Alckmin (PSDB), com 0,6%; o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, com 0,6%; e o ministro José Serra (PSDB), com 0,3%. Outros candidatos somam 1,7%; brancos e nulos, 16,7% e indecisos somam 54,1%.

Artigos Relacionados
-+=