Saiba quem é Billy Porter, ator que sempre se destaca no tapete vermelho

O ator venceu o Emmy e emocionou o público com seu discurso

No Claudia

Billy Porter (Foto: Axelle/Bauer-Griffin/Colaborador/Getty Images)

Quem acompanha as grandiosas premiações de música, cinema e TV, sempre acaba surpreendido por uma figura masculina, cheia de personalidade e looks que chamam a atenção.

Estamos falando de Billy Porter, cantor e ator americano, que começou nas telinhas com papéis pequenos até chegar ao seu glorioso auge na série Pose, dando vida ao personagem Pray Tell, um mestre de cerimônia gay que mora em Nova York e é referência na comunidade LGBT local.

Billy Porter no Critic’s Coice Awards 2020 (George Pimentel/Getty Images)

Na vida real, Porter também é assumidamente homossexual, tem 50 anos e nasceu em Pittsburgh, nos Estados Unidos. Sua carreira artística teve início nos palcos e, com o musical Kinky Boots, ele venceu o Tony em 2013. A premiação é considerada o Oscar do teatro e Porter foi o primeiro ator a dar vida à personagem Lola na Broadway.

No meio audiovisual, o primeiro papel expressivo de Porter veio através da série American Horror Story. Ele interpretou o personagem Behold Chablis, em 2018, na oitava temporada. Um ano depois, passou a estrelar Pose, que, assim como AHS, foi cocriada por Brad Falchuk e Ryan Murphy.

Pose tem o maior número de atrizes trans já visto na TV americana e fala a respeito dos bailes LGBT na cidade de Nova York nos anos 1980 – em que mulheres trans e drag queens performavam e competiam. A série também se destaca pela representatividade de pessoas negras e dá foco aos dramas vividos por personagens extremamente marginalizados, que lidam com a pobreza, a LGBTfobia, o racismo, a prostituição e o surto de HIV dos anos 1980. A primeira temporada pode ser assistida na Netflix.

Confira o trailer:

Pelo trabalho em Pose, no ano de 2019 Porter foi vencedor do Emmy na categoria Melhor Ator em Série de Drama, passando na frente de Jason Bateman (Ozark), Sterling K. Brown (This is Us), Kit Harington (Game of Thrones), Bob Odenkirk (Better call Saul) e Milo Ventimiglia (This is Us).

Com poucas palavras, o ator conseguiu emocionar a todos com seu discurso poderoso. Ele parafraseou o escritor e poeta James Baldwin, que era negro e gay, além de ser ativista social nos anos 1980.

“James Baldwin uma vez disse: eu levei muitos anos para vomitar toda a podridão que me foi ensinada sobre mim mesmo, e na qual eu quase acreditei, antes que eu pudesse andar por esse mundo como alguém que tem o direito de estar aqui”. Por fim, Porter agradeceu a equipe da série, seus colegas de cena e sua mãe, Cloerinda.

Veja o emocionante discurso abaixo:

Assim como Baldwin, Billy Porter também teve sua sexualidade questionada e vista como um problema. Em recente entrevista à revista Allure – ele é o primeiro homem a ser capa – revelou que aos 5 anos de idade foi submetido a terapia por demonstrar “atitudes afeminadas” que despertavam preocupação em seus familiares.

“A construção heteronormativa de que a masculinidade é a melhor coisa me silenciou por muitos anos. Era como se a masculinidade fosse imposta antes mesmo que eu pudesse entender o que pensava sobre mim mesmo”, contou ele. Na mesma entrevista, afirmou que ama seus familiares, pois entende que viviam em outra época.

Voltando à trajetória profissional, Billy Porter também já fez alguns trabalhos no cinema. Em 2000, integrou o elenco da comédia O Clube dos Corações Partidos e, atualmente, está em cartaz nos Estados Unidos com Like a Boss. Seu primeiro grande filme, porém, virá em 2021. Ele vai estar ao lado da cantora Camila Cabello na nova adaptação de Cinderela, interpretando a fada madrinha.

+ sobre o tema

Aprendiz Universitário

Dezesseis estudantes de todo o Brasil escolhidos entre 125...

“Você não sabe nada sobre minha história” – Dois Africanos

Racismo faz africanos que moram na Paraiba ter vontade...

Padre e mãe de santo unem esforços para defender um antigo Ilê do estado

Na contramão das animosidades com adeptos de religiões de...

A saúde da mulher negra sobe ao palco, em produção da periferia paulistana

Baseado em histórias reais, espetáculo Sangoma, da Cia. Capulanas,...

para lembrar

Mandela celebra 94 anos com centenas de atos por toda a África do Sul

Ex-presidente sul-africano passará o aniversário com familiares em sua...

Jay-Z pagou fianças de detidos em protestos contra o racismo nos EUA

A escritora Dream Hampton, que escreveu a biografia do...

A periferia na visão de um poeta

O poeta Luan Luando fala sobre cultura, educação, políticas...

Além de linda, Beyoncé é a mulher negra mais bem paga da história da música!

A cantora americana Beyoncé, como todo muno sabe, é...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=