Salvador ganha escritório artístico e aceleradora musical com foco em Mulheres Negras e Pessoas Trans

Nova Estação atua na capacitação de profissionais, locação de instrumentos, agenciamento de artistas e produção de eventos

Salvador acaba de ganhar um projeto pioneiro que vem movimentar o mercado musical da cidade. A Nova Estação, escritório artístico e aceleradora musical voltada para mulheres negras, pessoas trans e projetos afrocentrados, abre suas portas, atuando na capacitação, formação, produção cultural e de eventos. O projeto é liderado pelo produtor e consultor artístico Ziati Comazi, homem trans-negro, e pela arquiteta e produtora Pita Nice, e conta com apoio da Casa Hip-Hop Bahia. O escritório fica aberto de quarta à sexta, das 09:00 às 18:00, no 1º andar da Casa do Hip-Hop Bahia, localizada na praça Quincas Berro D’água, no Pelourinho. 

Imagem enviada para o Portal Geledés

A Nova Estação trabalha em 4 Eixos: Locação de instrumentos musicais, como baixo, guitarra, violão e bateria para estudos no local ou eventos; Educacional, voltado para cursos, oficinas e consultorias; Eventos, como fornecedora de profissionais e serviços e no Agenciamento de artistas negras e trans. Além disso, o espaço conta com uma biblioteca Afrocentrada com mais de 30 livros escritos por autoras e autores negros para estimular a conscientização sobre raça, gênero e sociedade. Todos os serviços possuem taxas com preços acessíveis e que visam transformar a realidade social através da arte e cultura. “Salvador é reconhecida como a Cidade da Música e é também a capital mais negra do país. Então a cadeia musical soteropolitana precisa estar equalizada quando pensar em serviços e atrações artísticas de profissionais negras e trans”, ressalta Ziati Comazi. 

Já Pita Nice, responsável pelo eixo educacional, destaca que muitas áreas no mercado musical e de produção que atualmente são dominadas por homens-cis passarão a ser disputadas com a capacitação do público-alvo da Nova Estação. “Queremos promover a instrumentalização de maneira consciente para as profissionais negras e trans, de modo que desenvolvam além da técnica, a organização e autonomia para driblar as barreiras do mercado”. 

Imagem enviada para o Portal Geledés

Os sócios destacam que o diferencial da Nova Estação está na inclusão da pluralidade de profissionais no mercado musical brasileiro, estimulando a formação, carreira e projetos

artísticos protagonizados por mulheres negras e pessoas trans, oferecendo apoio integral, desde a qualificação até a contratação do serviço” 

Jam da Nova – Palco aberto ao improviso Uma das iniciativas da Nova Estação é o projeto Jam da Nova, que tem como objetivo promover a experimentação artístisca e integração entre musicistas e músicos negros e/ou trans. O projeto acontece quinzenalmente, às quartas-feiras, no Pátio da Casa da Hip Hop (Largo Quincas Berro D’Água, Pelourinho) de forma gratuita e com palco aberto ao improviso. A Jam da Nova é uma iniciativa da Nova Estação com apoio da Casa do Hip Hop Bahia. Mais informações podem ser acompanhadas no instagram @novaestac4o.

+ sobre o tema

Cabelos de Sheron Menezzes são referência fashion para a moda da mulher negra

Cabelos de Sheron Menezzes são referência fashion para a...

Beyoncé passeia com a filha em ‘canguru’

Beyoncé passeia com a filha em 'canguru'. A cantora...

Beyoncé publica vídeo dos bastidores de seu retorno aos palcos

Quase cinco meses após dar à luz a sua...

18 anos sem Mussum

Há 18 anos, mais exatamente em 29 de julho...

para lembrar

Morre o Maestro Estevão Maya-Maya aos 78 anos

O maestro, cantor, compositor, escritor e professor Estevão Maya-Maya morreu na...

Black e poderoso: Festival Cultural do Harlem vem à tona 50 anos depois

O que explicaria o quase total desconhecimento sobre um festival...

Afropunk terá Baco Exu do Blues e Emicida em 2ª edição no Brasil

Afropunk Bahia confirmou nesta segunda (4) a presença do...

Super Bowl 2023: Sheryl Lee Ralph abre show de Rihanna

Marcado para acontecer no dia 12 de fevereiro de...
spot_imgspot_img

Aos 76, artista trans veterana relembra camarins separados para negros

Divina Aloma rejeita a linguagem atual, prefere ser chamada de travesti e mulata (atualmente, prefere-se o termo pardo ou negro). Aos 76 anos, sendo...

Quem é Linda Martell, citada em “Cowboy Carter”, novo álbum de Beyoncé?

O esperado novo álbum de Beyoncé contém uma música que leva o nome de uma mulher que parece ter sido a inspiração para o projeto. “Act...

Beyoncé revela que Stevie Wonder tocou gaita em uma das faixas de seu novo disco ‘Cowboy Carter’; ouça

Beyoncé revelou que Stevie Wonder tocou gaita em "Jolene", uma das faixas do seu novo disco "Cowboy Carter". A informação foi dada pela própria cantora durante o...
-+=