Sara Bonetta Forbes, a princesa africana dada “de presente” para a Rainha Vitória

Enviado por / FonteDo Era Vitoriana

Nascida por volta de 1843, a futura Lady Sara Forbes Bonetta, chamada primeiramente de Aina, nasceu em Oke-Odan, uma aldeia de Egbado, do oeste africano. Em 1848, quando Aina tinha cinco anos, sua vila foi invadida por um exército de Dahomean – um reino africano que durou de 1660 até 1894. Acredita-se que ela fosse uma espécie de princesa da sua vila, mas durante o ataque, Aina perdeu seus pais e acabou na corte do rei Ghezo como uma cativa.

Também há rumores de que Aina foi capturada para servir de sacrifício humano, mas foi resgatada pelo capitão Frederick E. Forbes, que chegou na corte do rei africano em 1850. Forbes conseguiu convencer o rei a dar a jovem criança de presente para a Rainha Vitória, embora a escravatura já houvesse sido abolida na Inglaterra. “Ela seria um presente do Rei dos negros à Rainha dos brancos”, Forbes escreveria depois. Ele também escreveria:

“Eu só tenho de acrescentar algumas informações sobre a minha extraordinária ‘criança-presente’ africana – uma dos cativos desta terrível caça de escravos foi essa interessante garota. É costume reservar as crianças de melhor nascimento para imolar os túmulos dos falecidos da nobreza e, para uma destas atividades, ela ficou detida na corte por dois anos, provando que, uma vez que ela não foi vendida para traficantes de escravos, que ela era de boa família”.

Sara Forbes Bonetta (Crédito: Domínio Público)
Ele renomeou Aina com seu próprio sobrenome: Sara Forbes Bonetta, uma vez que Bonetta era o nome de seu navio. A Rainha Vitória e o Príncipe Albert receberam-na em Windsor, e pagaram por sua educação em uma escola em Freetown. Sara se tornou proficiente em inglês rapidamente, mostrando um talento natural para a música.

A Rainha ficou impressionada com a inteligência excepcional da jovem princesa, e nomeou Sara como sua afilhada. Sobre esse período, o capitão Forbes escreveu:

“Ela é uma garota perfeita, ela agora fala inglês bem, e tem um grande talento para a música. Ela ganhou as afeições, com poucas exceções, de todos que a conheceram. Ela está muito à frente de qualquer criança branca de sua idade, na aptidão da aprendizagem, força de espírito e afeto”.

Em 1851, Sara ficou gravemente doente, acredita-se que por conta do clima da Grã-Bretanha. Ela então foi enviada para uma escola na África, quando tinha 8 anos, mas ficou muito infeliz lá e voltou para a Inglaterra em 1855, então com 12 anos.

Em 1862, a Rainha Vitória conseguiu um casamento de Sara com o capitão James Pinson Labulo Davies. Ele era africano, um comerciante-marinheiro, e era um empresário, estadista e filantropo muito influente. Ele era 15 anos mais velho do que Sara, mas era extremamente educado, tendo sido professor também em Freetown. Acredita-se que Sara não quis casar com ele de início. A rainha então enviou-a para viver com as senhoras solteironas Hannah Welch (de 77 anos) e sua irmã Mary Welch (de 66 anos). Logo, Sara aceitou Davies como seu marido.

James Pinson Labulo Davies e Sarah Forbes Bonetta, fotografada em Londres em 1862
James Pinson Labulo Davies e Sarah Forbes Bonetta, fotografada em Londres em 1862 (Crédito: Wikimedia Commons)

A festa de casamento foi em West Hill Lodge, contando com dez carruagens, com senhoras brancas e africanas, com dezesseis damas de honra. Após o casamento, o casal viajou para Serra Leoa. Ela deu à luz a uma filha, Victoria Davis, em 1863. Após seu nascimento, o casal mudou-se para Lagos, na Nigéria, onde duas outras crianças nasceram: Arthur (em 1871) e Stella (em 1873).

Sara continuou a desfrutar uma estreita ligação com a Rainha, tendo voltado para a Inglaterra em 1867 para apresentar sua filha á Rainha, voltando para África logo depois. Aos 37 anos, Sara contraiu tuberculose e morreu em 4 de Agosto de 1880. Seu marido, Davis, ergueu um obelisco de dois metros e meio em sua memória.

A filha de Sara, Vitória, também foi uma afilhada da Rainha Vitória, tendo se casado com o médico africano John K. Randle. Eles viveram na Inglaterra e na África, assim como sua mãe seu pai. Após a morte Sara, a rainha escreveu em seu diário:

“Vi a pobre Vitória Davies, minha afilhada negra, que soube hoje da morte de sua querida mãe”.

Certamente não podemos romancear a história de Sara – ela teve uma vida confortável, mas um pouco infeliz, mas certamente é surpreendente dada a época em que ocorreu. Ficou órfã tão jovem, foi dada como presente para a Rainha, criada entre estranhos e ainda tratada em tão alta conta com uma vida de riquezas e acessos.  Infelizmente, nunca saberemos quais eram realmente os sentimentos de Sara sobre o que sua vida se tornou.


veja também:

Bibliografia:
Sally Bonetta Forbes ‘The African Princess’“. Acesso em 11 de Fevereiro de 2015.
Great-Britain/Benin: Sally Bonetta Forbes Davis, the Benin of Queen Victoria.” Acesso em 11 de Fevereiro de 2015.
James Pinson Labulo Davies“. Acesso em 11 de Fevereiro de 2015.
Sara Forbes Bonetta“. Acesso em 11 de Fevereiro de 2015.

 

+ sobre o tema

Pan-Africanismo

Pan-africanismo é o nome dado a uma ideologia que...

A Rainha Guerreira Nzinga

Na África como nas Américas resistiram à dominação colonial...

Aos 93 anos, Nelson Mandela é internado com dores abdominais

Ícone sul-africano da luta contra o apartheid, Nelson Mandela,...

O jovem Mandela: um relato romanceado

A Editora Nova Alexandria lança, em maio, o relato...

para lembrar

Jovem preta é afastada de bebê após nascimento em maternidade de Florianópolis

Manifestantes fizeram um ato na tarde desta sexta-feira (30),...

Discriminação é comum, porém velada, dizem negras desempregadas

Para atendente, oportunidades de emprego são maiores para os...

Eu, mulher, psicóloga e negra

Quando nossa comissão editorial resolveu ouvir psicólogos negros, para...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=