segunda-feira, setembro 20, 2021
InícioQuestão RacialCasos de RacismoSecretaria de Cultura do Pará altera cartaz de Feira do Livro após...

Secretaria de Cultura do Pará altera cartaz de Feira do Livro após polêmicas envolvendo racismo

Programação também foi alvo de críticas por não incluir autores regionais, mulheres, negros e indígenas. A abertura do evento da Feira é nesta sexta, 27, em Marabá e faz parte da Feira do Livro

Do G1

blank
Cartaz de evento da Feira do Livro é alvo de críticas apontando racismo em representação de mulher negra carregando livros. (Foto: Reprodução / Secult)

Um cartaz da XXII Feira Pan-Amazônica do Livro, que tem abertura nesta sexta-feira (27) em Marabá, sofreu alterações após críticas. A peça de divulgação do Salão do Livro Circuito Sul e Sudeste do Pará destacava a imagem de uma mulher negra carregando livros na cabeça e gerou revoltas. A programação da Feira também foi alvo de reclamações pela falta de mulheres escritoras, negros e indígenas entre os convidados e homenageados.

O evento ocorre no sudeste do estado, e assim como o Circuito do Baixo Amazonas, faz parte da Feira do Livro, organizada pela Secretaria de Cultura do Pará.

Uma publicação da escritora paraense Paloma Franca Amorim repercurtiu nas redes sociais e blogs, com mais de 170 compartilhamentos.

“A Feira coloca uma mulher negra com livros na cabeça no cartaz e não tem uma mulher negra na programação principal”, denuncia a autora.

blank
Publicação de escritora paraense repercute nas redes sociais. (Foto: Reprodução / Facebook)

Em 2018, a feira homenageia a Colômbia. Para responder as acusações de racismo e machismo, a Secult publicou uma nota dizendo que o cartaz tentou representar as palenqueras – mulheres que usam roupas multicoloridas na Colômbia e andam com bacias de frutas em cima da cabeça.

“Ao escolher uma dessas mulheres do cenário urbano da Colômbia, com seus trajes típicos, substituíram-se as frutas por livros, numa metáfora para divulgar uma feira… de livros”, diz a nota. A publicação afirmava ainda que “sem esta devida contextualização e apenas com a ativação do imaginário brasileiro, a imagem pode gerar diversar interpretações”.

A Secult resolveu então alterar o cartaz e agora traz uma imagem da escultura intitulada “Pensamento”, produzida em 1992 pelo artista colombiano Fernando Botero. Além da imagem, o novo cartaz traz uma frase citando o escritor colombiano Gabriel García Márquez: “Para entender outra cultura, ‘tudo é questão de despertar sua alma'”.

blank
Secult resolve alterar cartaz após reclamações e acusações de racismos e machismo. (Foto: Reprodução / Secult)

Representatividade

Após as reclamações da falta de representatividade entre os convidados da feira, a organização divulgou que autoras foram chamadas para compor os encontros literários em Marabá.

A autora de livros e crônicas e poesias Rosa Peres, de Rondon do Pará, e a escritora Eliane Soares, de Marabá, que escreveu “Crisálida”, livro premiado pelo Instituto de Artes do Pará e Prêmio Max Martins de Poesia devem participar da programação, que também traz outros escritores, a partir das 19h do dia 27 de abril e entre 28 de abril a 6 de maio, das 9h às 22h. A entrada é franca.

Também após as acusações de racismo, a organização divulgou que vai realizar uma roda de conversa marcada para sábado (28) em Marabá. Com o tema “Literatura e Negritude”, o evento tem participação da especialista em Saberes Africanos e Afro-Amazônidas Vanda dos Santos; da professora Liliane Batista Barros e dos escritores Ademir Braz e Airton Souza.

Em outra publicação com mais de 20 compartilhamentos, a escritora Paloma Amorim diz “mudanças só ocorreram às custas de muito protesto e significam um avanço mínimo diante do que ainda queremos conquistar em relação à promoção cultural literária e artística no estado do Pará”.

As críticas tiveram o amparo de outros artistas. Edyr Augusto, um dos autores paraenses de maior reconhecimento nacional e internacional, diz que apoia os questionamentos de Paloma e afirma que a luta dos escritores do estado é reflexo da gestão da Secult, “que há 20 desvaloriza a literatura paraense, o que é ainda mais complicado em relação aos negros, às mulheres”.

Para o escritor, a Feira é um grande negócio para atender interesses de empresários e não cumpre o papel de ser o ápice do fomento à literatura pan-amazônica.

“Os escritores ficam sem chances de serem lidos, os atores são expulsos do teatro. Essa é a realidade. E quem sofre com isso são as pessoas que não tem acesso, que devia ser garantido pelo Estado”, critica o autor, que terá duas obras suas adaptadas para o áudiovisual: Selva Concreta (Boitempo) vai ser uma série e Pssica (Boitempo), cinema, sob os cuidados da produtora O2 Filmes – responsável por obrtas como Cidade de Deus e Blindness.

G1 entrou em contato com a Secult e até o fechamento do texto não obteve retorno.

RELATED ARTICLES