Após queixas sobre racismo, Secretaria da Cultura do Pará muda cartaz de feira

A 22ª edição da Feira Pan-Amazônica do Livro também foi alvo de críticas pela programação

por Isabella Menon no Folha de São Paulo

A 22ª edição da Feira Pan-Amazônica do Livro, cuja programação principal vai de 26/5 a 6/6, se tornou alvo de críticas e protestos pela programação e por causa do cartaz de um dos braços do evento literário.

As críticas ao evento principal, que será em Belém, acusam a feira de não dar voz a mulheres ou negros.

“Não há nem sequer uma mulher negra, amazônica, participando da mesa principal”, diz o escritor Evanilton Gonçalves.

O Secretário de Cultura do Pará, Paulo Chaves, rebate a crítica: “Contamos com a presença de várias etnias, é uma feira livre”.

Outra questão surgiu sobre o cartaz da seção do evento que acontece na cidade de Marabá, sudeste do Pará, a partir do dia 27/4 e até 6/5.

Isso porque a peça divulgada reproduzia a imagem de uma mulher negra equilibrando livros sobre a cabeça. A imagem fez com que algumas pessoas acusassem a organização do evento de reproduzir o racismo e o machismo.

Na sexta-feira, 20/4, a Secretaria da Cultura do Pará se pronunciou em uma nota oficial divulgada no Facebook e informou que trocaria o cartaz do evento após a reação negativa nas redes sociais.

A pasta disse que a figura retratada no cartaz alude às “palenqueras”, mulheres que, na Colômbia, país homenageado no evento, carregam frutas em um cesto na cabeça.

“Trata-se de uma feira frutífera”, diz Paulo Chaves. “Achei a metáfora interessante, e a minha equipe idem”, completa o secretário.

Chaves diz achar que houve uma má compreensão por parte das pessoas. “É um preconceito inverso”, afirma. “As pessoas descontextualizaram o elemento do cartaz”.

Para Evanilton Gonçalves , o problema do cartaz foi de reforçar o racismo institucional. “Os corpos negros são vistos como desprovidos de intelectualidade e disponíveis, apenas, para o trabalho braçal ou a representação ‘folclórica’.”

Ainda segundo o escritor, foi só após as críticas ao cartaz que a secretaria passou a usar postagens destacando de fato mulheres no evento.

A feira agora está com um cartaz novo, no qual destaca uma obra do artista plástico colombiano Fernando Botero.

Além da obra de Botero, o cartaz traz uma citação que, por sua vez, reproduz uma frase do escritor Gabriel García Márquez: “Para entender outra cultura, ‘tudo é questão de despertar sua alma'”. Segundo Chaves, trata-se de uma resposta às críticas.

+ sobre o tema

“Cem negros valem um branco”

A figura do malandro é mais um dos fatores...

O desabafo de Nicki foi sobre todos nós, negros!

O que mais vem sendo debatido sobre as indicações...

Movimento Negro na Conferência do Clima da ONU

Depois de 13 dias respirando combustíveis fósseis, nos Emirados...

para lembrar

Mulher é presa ao jogar farinha em vizinha negra: ‘você agora é britânica branca’

Kellie Wells assediou sua vizinha inúmeras vezes com atos...

Henri Castelli homenageia Mãe Neide em rede social

O ator Henri Castelli aproveitou seu Instagram para fazer...

Denúncias de racismo terão atendimento diferenciado na Ouvidoria Geral durante Carnaval

As denúncias serão registradas através do Sistema TAG, software...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=