Segurança pública e genocídio negro no Brasil

Pacote anticrime garante licença para matar a policiais

por Douglas Belchior e Selma Dealdina no Folha de São Paulo

Imagem: Geledés Instituto da Mulher Negra

Temos um grave problema de segurança pública no Brasil. Mas, em vez de propostas baseadas em evidências que permitam diminuir o número de assassinatos e roubos e o tráfico de drogas, temos testemunhado investidas marqueteiras cujo objetivo é gerar maior sensação de segurança sem, de fato, possibilitar resultados efetivos.

O chamado pacote anticrime apresentado pelo ministro Sergio Moro, mesmo se não for a intenção, fortalece o crime organizado, beneficia a indústria armamentista e garante licença para matar a policiais.

Para ficar em apenas um aspecto, o excludente de ilicitude ampliado no pacote dá a militares e policiais civis a garantia de que não serão punidos ante a prática de homicídio. Se até agora policiais poderiam utilizar da força letal em casos extremos, o pacote amplia o direito de matar em termos genéricos como o de risco iminente ou impacto de forte emoção. Na prática, qualquer disparo policial pode ser legalizado. Essa medida é o respaldo legal para o comando que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e governadores como João Doria (PDSB-SP) e Wilson Witzel (PSC-RJ) têm dado: policiais devem atirar para matar.

Em ação articulada, Bolsonaro prometeu recentemente alargar o excludente de ilicitude a produtores rurais em atos de defesa à propriedade. Com isso, fazendeiros que atirarem contra a população indígena, quilombola, ribeirinha ou camponeses sem terra estariam agindo sob proteção da lei.

A letalidade policial no Brasil já é altíssima: em 2017, 5.144 pessoas foram mortas por policiais. Especialistas e experiências internacionais apontam a necessidade de outro caminho que não o recrudescimento de leis e da atuação das Forças Armadas. Criminalidade se reduz com inteligência e racionalidade, não com truculência. Uma sociedade menos violenta se constrói a partir da distribuição de oportunidades, do fim dos preconceitos e de uma efetiva justiça social.

As principais vítimas de mortalidade em ações policiais são negras. Em São Paulo, estado com 39% de pretos e pardos, 64% das pessoas mortas por policiais em 2018 eram negras. No Brasil, em 2016, 71,5% das mais de 60 mil pessoas assassinadas eram pretas ou pardas. Um jovem negro é assassinado a cada 23 minutos. Pai de família é fuzilado com 80 tiros. E a solução apresentada pelo governo é legalizar o genocídio em curso.

A lógica racista que orienta a proposta precisa ser denunciada. São urgentes as políticas que interrompam os assassinatos de todas as pessoas, assim como são inaceitáveis os projetos que aprofundem o extermínio de uma parte da população.

Historicamente, o movimento negro tem-se organizado para interromper a herança escravocrata e racista que estrutura a sociedade brasileira. Em fevereiro deste ano, 39 entidades protocolaram uma denúncia dos aspectos racistas e genocidas do pacote de Moro à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

A denúncia foi acatada, e uma comitiva foi convocada para participar de uma audiência pública na Jamaica nesta quinta-feira (9). Quatorze pessoas negras falam em nome das entidades que fizeram a denúncia, em nome dos 52% da população brasileira e em nome de todas as pessoas —negras, brancas, amarelas, indígenas— que não querem ser cúmplices do genocídio.

Leia também: 

OEA receberá movimento negro brasileiro para debater pacote anticrime de Moro

Movimento Negro Brasileiro é recebido pela Comissão de Direitos Humanos da OEA


Douglas Belchior

Professor, militante do movimento negro e membro-fundador da Uneafro-Brasil

Selma Dealdina

Assistente social, quilombola e secretária-executiva da Conaq (Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas)

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

Parem de nos matar! – Por Jônatas Cordeiro da Silva

Na segunda-feira de carnaval (12/02), Lucas Almeida, estudante de...

Vereadora de Niterói, amiga de Marielle denuncia ameaças

Parlamentar mais votada de Niterói, na Grande Rio, única...

Câmara promove seminário para discutir morte de jovens negros em Belo Horizonte

Marcada para dia 25, programação tem inscrições abertas e...
spot_imgspot_img

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Jornal pioneiro contra racismo deu voz a movimento negro há 100 anos

Há 100 anos, a criação de um jornal na cidade de São Paulo deixava marcas com o pioneirismo em relatos contra o racismo e a ampliação...

Morte de jovem que marcou movimento negro ainda tem questões em aberto

Até os dias de hoje, depois de 45 anos, não se sabe o local exato em que Robson Luz foi torturado pela polícia. O...
-+=