Semana de Formação em Direitos Humanos e Educação Popular chega a sua segunda edição em julho

Com ainda mais parceiros*, evento que acontece de 11 a 15 de julho reforça a potência da educação popular na construção coletiva de conhecimento e reflexão sobre as inúmeras realidades. Mesa de abertura contará com a participação de Jurema Werneck da Anistia Internacional e de Darci Frigo, presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH)

Da Ação Educativa

Concebida com o objetivo de pensar o campo de direitos na atualidade, a Semana de Formação em Direitos Humanos e Educação Popular se encontra diante de um desafio ainda maior em 2017. Afinal, o cenário que se desenha para esse ano é de continuidade do processo de acirramento de graves violações de direitos.

É nesse contexto que a educação popular desponta com seu potencial de reinvenção social que, imerso no contexto das lutas populares, é condição para construção da ação política no combate às desigualdades.

Como resultado dessa reflexão, a Ação Educativa retoma e amplia a frente de entidades e movimentos que construiu a primeira edição do encontro e chega em julho com uma proposta ainda mais plural de atividades e oficinas durante os cinco dias de programação.

Já na mesa de abertura, o debate que pretende abordar os panoramas nacional e internacional da luta por direitos humanos contará com a presença da diretora executiva da Anistia Internacional, Jurema Werneck, do presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos, Darci Frigo e de Carmem Silva (a confirmar), liderança da Frente de Luta por Moradia.

Nos próximos cinco dias de evento, os inscritos poderão participar de atividades que vão discutir segurança pública, fundamentalismo econômico, as agendas de mobilização social e cultura de periferia. Como sempre, a educação entendida como movimento pela emancipação humana é destaque, sendo abordada em inúmeras oficinas cujos recortes estão relacionados a gênero, relações raciais, mundo do trabalho, entre outros.

A programação também vai acolher seminário, promovido em parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo e Fundo Brasil de Direitos Humanos, sobre juventude, encarceramento e seletividade da justiça criminal.

O encerramento do encontro será no dia 15 de julho, em um dia repleto de atividades que vão tratar das mais variadas dimensões da Transgeneridade. Realizado em parceria com o Cursinho Popular Transformação e o Coletivo Revolta da Lâmpada, o sábado vai terminar com o TRANSarau, espaço de representatividade da população LGBTQI+, negra e periférica, que se propõe a ocupar a cidade com manifestações poético-políticas.

Confira a programação completa e faça sua inscrição pelo site: acaoeducativa.org.br/semanadireitoshumanos.

Investimento: R$ 65,00 – a taxa é única e dá direito a participação em todas as atividades da Semana de Formação em Direitos Humanos e Educação Popular. O valor total das inscrições será destinado à produção e organização do evento (sem finalidade lucrativa).

Dúvidas e informações: [email protected] / (11) 3151-2333, ramal 127.

*São parceiros desta iniciativa: Abong, Actantes, Anistia Internacional, Artigo 19, Coletiva Luana Barbosa, Comitê Latino-americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher – CLADEM, Conectas Direitos Humanos, Cursinho Transformação, Defensoria Pública do Estado de São Paulo, Escola de Governo, Espaço Cachuera, Fórum Permanente de Educação Inclusiva, Fundação Rosa Luxemburgo, Fundo Brasil de Direitos Humanos, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Pastoral Carcerária, Plataforma Dhesca, Revolta da Lâmpada, Sesc, Taturana. Apoio: Instituto C&A.

+ sobre o tema

Expectativa de vida do brasileiro sobe para 74,9 anos, aponta IBGE 20

A expectativa de vida do brasileiro ao nascer subiu...

Futura no Prêmio Comunique-se 2017

Foi aberta a 2ª etapa de votação do Prêmio Comunique-se 2017 e...

Tese premiada aborda etapas da testagem de medicamentos em humanos

Por caráter inovador, pesquisa da UnB venceu concurso da...

para lembrar

Albinos: Irmãos sem direito a brincadeiras à luz do dia

Albinos, os irmãos Esthefany e Kauan, com a prima...

O vídeo com o agressor do haitiano mostra que a saída de Marcelo Tas foi uma benção para o CQC.

“Parem o mundo”, escreveu um internauta ontem no Twitter....

Por que o arcebispo Desmond Tutu luta pelo “direito de morrer”

Em artigo por ocasião de seus 85 anos, arcebispo...

Movimentos Sociais repudiam acordo Minicom-teles: banda lenta, cara e sem universalização

No formato atual, PNBL não colabora para expandir a...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=