‘Me senti perdido’, diz vítima de racismo de torcedores do Chelsea

Ele foi impedido de entrar no metrô de Paris por fãs do time inglês.
‘Espero que o caso gere uma verdadeira conscientização’, afirmou.

No G1

Souleymane, vítima do incidente racista protagonizado por torcedores do Chelsea no metrô de Paris, disse nesta sexta-feira (20) em entrevista à AFP que estava “orgulhoso” da repercussão do caso e esperava uma “conscientização” da sociedade.

“Muitas pessoas de cor enfrentam este tipo de incidentes. Isso precisa parar”, sentenciou o franco-mauritano de 33 anos, que não quer divulgar o sobrenome para evitar expor sua família.

O incidente foi flagrado em um vídeo gravado na última terça-feira, poucas horas antes da partida do Chelsea contra o Paris Saint-Germain, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões.

Nas imagens, divulgadas no site do jornal “The Guardian”, é possível ver um grupo de torcedores dos “Blues” empurrando com força duas vezes um homem negro que tentava subir no vagão de metrô, aos gritos de “Somos racistas, somos racistas e gostamos disso”.

A vítima já prestou queixa numa delegacia da capital francesa, e o ministério público de Paris abriu uma investigação, recebendo logo em seguida o apoio de Scotland Yard.

“Espero que um caso como esse ajude a sensibilizar as pessoas, para que haja uma verdadeira conscientização”, afirmou Souleymane.

‘Perdido’
“Quando fui empurrado para fora do metrô, me senti perdido, estava totalmente perdido. Entendi na hora que tratava-se de um ato racista, mas o que poderia fazer?”, lamentou.

“Hoje, ainda estou com raiva. Já fui vítima de várias ofensas racistas nos últimos anos, mas, felizmente, desta vez, alguém filmou a cena”, lembrou o pai de família, que tem três filhos e mora no Val D’Oise, distrito do subúrbio de Paris.

“Se o vídeo não tivesse sido divulgado, eu teria que engolir minha raiva, como sempre. Agora, quero que justiça seja feita”, completou.

“Queremos que o caso seja julgado na França. Precisa virar um exemplo, para que as pessoas comecem a refletir sobre suas atitudes e o impacto de suas declarações”, pediu Jim Michel-Gabriel, advogado da vítima.

O Chelsea já identificou cinco suspeitos de ter participado do ato racista. Eles foram proibidos de entrar no estádio Stamford Bridge por tempo indeterminado, e correm risco de serem banidos para sempre.

O incidente gerou inúmeras reações de repúdio no mundo do futebol e da política, sendo condenado, entre outros, pelo presidente da Fifa, Joseph Blatter, ou o premiê britânico, James Cameron.

+ sobre o tema

Urubu Branco: O racismo explicito

Por Maria Sylvia Oliveira para o Portal Geledés Meu...

Eles não ligam pra gente!

All I wanna say is that They don't really care...

Campanha Nacional sobre o Impacto do Racismo na Infância e Adolescência.

    No próximo dia 29/11, o Fundo das Nações Unidas...

para lembrar

Torcida do Coritiba fez manifestação racista no Atletiba

A rivalidade sadia do futebol foi substituída por uma...

Comercial d’O Boticário com família negra sofre ataques racistas

Uma campanha publicitária da franquia de cosméticos e perfumes...

Ministro da Igualdade Racial diz que falta de punição estimula casos de racismo

Fonte: G1 Ele citou agressão contra negro suspeito de...

Coisas da condição humana e o tempo – 1ª parte

por Sérgio Martins De repente a gente se vê diante...
spot_imgspot_img

Da neutralidade à IA decolonial

A ciência nunca esteve isenta das influências e construções históricas e sociais do colonialismo. Enquanto a Revolução Industrial é frequentemente retratada como o catalisador...

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...
-+=