Servidor número 1

Inesquecível! Um fato histórico é tudo o que se ouvia por toda a parte. De fato. Na alegria intensa da posse, vibrava o reconhecimento de que, além do mérito da biografia do presidente, a singularidade de sua trajetória comunicava para a maioria um impulso que mobiliza e estimula um redimensionamento de perspectiva: eu também posso! Nós podemos! A vitória de Lula impulsiona a superação de limites impostos aos que historicamente estão destinados à subalternidade. Quem imaginaria que houvesse essa latência de possibilidades?

Por Sueli Carneiro

Destaque-se o que a posse representou como fortalecimento da democracia brasileira. A naturalidade com que a transferência de poder foi conduzida, refletindo um desejo de parte a parte de investir aquele momento da mais alta dignidade. E FHC e Lula assim o fizeram.

O discurso do novo presidente reiterou as prioridades e compromissos de campanha e da transição. O pacto social aparece como decisivo para viabilizar as mudanças: reforma agrária, tributária, política, da previdência e trabalhista. Onde há emoção, há verdade e Lula emocionou mais uma vez compartilhando a convicção e a verdade de que ‘‘nós podemos muito mais”. E só quem carrega a identidade de trabalhador poderia conceber-se, como presidente, como o ‘‘servidor público número um do país”. Esse é o resgate efetivo da liturgia do cargo que todos desejávamos.

O ministério empossado é também do jeito que se queria ver. Bonito porque multicolorido, diverso de gênero e raça. Sem dúvida está longe da paridade de gênero e raça que tanto almejamos, mas é muito além do que sempre se teve.

Indica e sinaliza um desejo efetivo de mudança nos limites que a conjuntura apresenta. Com raça e classes. Reconhecimento do emergente protagonismo feminino em áreas tradicionalmente privativas do masculino se expressa nas indicações de Dilma Roussef para a pasta de Minas e Energia e Marina Silva para a pasta do Meio Ambiente. A carência social nas mãos de quem a conhece, Benedita da Silva! A possibilidade de sermos gestores de políticas das quais somos alvos! Na Secretaria da Mulher, Emília Fernandez, senadora que sempre emprestou o seu prestígio e seu mandato para as causas das mulheres. Para Gilberto Gil, de quem esperamos a doação de sua extraordinária criatividade e ousadia para uma política cultural inovadora, aquele abraço!

Ao ministro do Trabalho, Jaques Wagner, coube a primeira manifestação sobre o tema das desigualdades raciais no mundo do trabalho, uma prioridade que se complementa com a ‘‘obsessão” pelo emprego várias vezes reiterada pelo presidente Lula. Precisamos criar postos de trabalho, mas precisamos remover com a mesma urgência os obstáculos que impedem que os negros possam ao menos disputar as vagas existentes. Cor de pele e textura de cabelo, mais que os atributos de capacitação profissional e escolaridade, têm decidido o destino dos negros no mercado de trabalho. Anima a percepção que o novo ministro parece ter sobre a questão.

Ao presidente que se despede, entre outros feitos se terá que reconhecer que foi o primeiro presidente da República do Brasil a admitir que há racismo e uma dívida histórica em relação ao negro brasileiro e que partiram dele os primeiros gestos simbólicos e de políticas públicas que, se tímidas, não deixam de ser uma quebra de paradigma entre a negação ou imobilismo com que se trata o tema na sociedade. Isso não esqueceremos. Do novo presidente espera-se o aprofundamento radical das políticas de combate à desigualdade racial. O discurso de posse passou ao largo do problema, mas as mudanças necessárias e urgentes tão enfatizadas pelo presidente Lula terão que confrontar essa dimensão de nossa realidade se se pretendem de fato mudanças.

Entre as minhas muitas idiossincrasias, sou mística e supersticiosa. Bruxos de diferentes filiações alertam o novo presidente para o risco de ele ser vítima do fanatismo de seus admiradores. Por via das dúvidas, presidente, atenda a seus seguranças! E nos poupe do estresse de ficar à beira de um ataque de nervos ao vê-lo na iminência de ser tragado pela multidão.

+ sobre o tema

Superlativa por Flávia Oliveira

Rogéria, autodenominada ‘travesti da família brasileira’, fez crer que...

Festival Latinidades: racismo persiste no Brasil, reforçam ativistas

Mesmo com a conquista de direitos civis, o racismo...

para lembrar

PF prende cinco em flagrante em operação contra pornografia infantil

Balanço parcial da Operação Proteja Brasil ainda tem quarenta...

Mulheres ganham em média 24% menos que os homens, mostra relatório

Atualmente, as mulheres fazem 52% de todo o trabalho...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=