Sidney Santiago Kuanza leva afetividade negra ao palco

por Igor Giannasi 

Com passagens pelo cinema e pela tevê, ator elege o teatro para si e reestreia ‘Engravidei, Pari Cavalos e Aprendi a Voar sem Asas’ no Centro Cultural da Juventude

Sidney Santiago Kuanza recusa estereótipos étnicos. Ele se vê como um investigador das questões raciais que, por acaso, é ator, desde a Escola de Arte Dramática, na USP. “Se consegui legitimidade para dizer o que sou e desejo do mundo, isso ocorreu porque tive uma passagem pelo Movimento Negro, por entender que o País precisa ser justo”, afirma ele, fundador, em 2005, da companhia Os Crespos.

Nascido entre pescadores da Praia do Perequê, no Guarujá, o ator de 29 anos cresceu rodeado pela cultura afro. A mãe era baiana e o pai, de origem turca. O sobrenome Kuanza adotou em 2010 para simbolizar o resgate das origens africanas, após atuar em Angola com arte-educação.

Trabalhos no teatro, com os diretores Cibele Forjaz  e Celso Frateschi, levaram-no à tevê e ao cinema. Na estreia cinematográfica, em 2006, como Herácles em Os 12 Trabalhos, dirigido por Ricardo Elias, dividiu o prêmio de melhor ator com Selton Mello (O Cheiro do Ralo) no Festival do Rio.

Na Globo, fez as séries Carandiru – Outras Histórias e Queridos Amigos, além da novela Caminho das Índias. “Pude contar uma história, estudar, labutar a técnica, vivenciar desafios como ator. Isso raramente os atores negros têm.” Ele não julga a escolha alheia. “Mas não passei seis anos numa universidade para servir café e dizer ‘sim, senhor’, ‘não, senhor’. Isso é contribuir para um imaginário do século 19 que não pode permanecer.”

Ainda que considere o cinema uma “oração”, escolheu o teatro. Seu grupo tratou do amor à luz das questões sociais e raciais a partir de Além do Ponto (2011), que iniciou a trilogia do projeto Dos Desmanches aos Sonhos: Poéticas em Legítima Defesa, idealizado por ele para falar sobre a afetividade na população negra.

Para montar Engravidei, Pari Cavalos e Aprendi a Voar sem Asas, segunda parte da trilogia, Os Crespos ouviu 55 mulheres de variadas histórias. “A experiência do racismo era comum a todas elas”, conta Sidney, codiretor do espetáculo, que 27 e 28 de julho retorna ao cartaz no Centro Cultural da Juventude, na Vila Nova Cachoeirinha, São Paulo.

“Embora os meios de comunicação não tenham assimilado o componente negro, hoje, no Brasil, podemos dizer que temos uma arte negra, brasileira, feita com muito rigor, muita técnica. Uma arte elaborada, não uma arte naïf.

Fonte: Carta Capital

 

+ sobre o tema

Cuti – Padê Poema 30: Mamice

  Padê Poema 30 Mamice sou daquelesque cobram...

Júlio Silva prepara sua aposentadoria jogando torneio de veteranos

Júlio Silva, tenista que está no circuito profissional...

Padê Poema 41 – Cuti

    Saiba Mais: Padê poema 40 -...

Padê Poema 44 – Cuti

  Leia Também: Padê poema 40 - Cuti  Padê Poema 41...

para lembrar

Globo de Ouro: Discursos feministas são o destaque da premiação

Poderosas palavras de Regina King e Glenn Close marcaram...

Isabel Fillardis interpreta cantora que desafiou preconceitos no século 19

O sorriso generoso de Isabel Fillardis já denuncia que...

Dramaturga negra que conquistou palcos ingleses

Por JOANA EMÍDIO MARQUES   Estreou uma peça...

E se o Brasil negro voltasse à África?

Com direção de Lázaro Ramos, Namíbia, não!, em temporada...
spot_imgspot_img

Profissionais negros reinventam suas carreiras na TV e avaliam a importância da discussão racial

No Dia da Consciência Negra, o gshow conversou com artistas que compartilham a jornada que é ser um profissional preto na teledramaturgia. Entre eles, atores, atrizes e...

Espetáculo bilíngue português/Libras homenageia grandes atrizes do teatro brasileiro 

Um mergulho na história, no tempo e no agora é o que traz "CADUCA", espetáculo teatral baseado na trajetória das atrizes Lizette Negreiros e...

A impactante apresentação do 1º episódio da série “Resistência Negra” em Festival do RJ

Com Cine Odeon lotado, no Centro do Rio de Janeiro, a avant première do primeiro episódio da série “Resistência Negra”, do Globoplay, causou impacto...
-+=