“Simplesmente deixamos acontecer”

Uma criança de dez anos desistiu de continuar na escola de que tanto gostava por causa dos nossos filhos. Dá para acreditar nisso? Nossos filhos queridos e sensacionais, filhos de pessoas tão bacanas e sensatas como nós… Incrível, não?

Por Andrea Solberg Do Paratodos

Pois é, ela se cansou de ter de lidar todo dia com as  maldades dos colegas. Das brincadeiras idiotas de colocar coisas no cabelo dela, de ouvir acusarem-na falsamente de ter piolho, de a empurrarem quando houvesse a chance, seja na escada, seja no bebedouro, de ser sempre a última a ser escolhida e aturar aquele olhar de resignado do “azarado” que teve de ficar com ela no grupo na frente dos outros. De aproveitarem uma brincadeira ou outra para forçarem a mão com ela e fazerem uma maldade extra.

Ela se tornou forte, descobriu formas de lidar com tudo isso. Deixou de brincar com algumas amigas na escola para que estas não sofressem retaliação da turma. Estava já acostumada com isso. Ou quase, pelo visto.

E nós pais deixamos isso acontecer. Simplesmente deixamos. Não fizemos nada para tentar evitar este constrangimento. Não estou aqui para falar sobre o caso, para colher versões, apontar o dedo ou fazer caça aos bruxos ou bruxinhas, até porque a família com certeza não gostaria do assunto em roda e porque as  versões realmente não interessam. O fato está aí. Ela cansou. Jogou a toalha.

Vale lembrar que não estamos aqui falando de criancinhas de dois anos que mordem quando estão com raiva, ou com seis, que também ainda não sabem discernir o certo do errado e não controlam ainda os instintos naturais de uma certa  maldade. Nossos filhos estão com dez anos. Sabem exatamente do que estamos falando e têm total capacidade de se posicionar. Se não aprenderem agora, pode ser que não aprendam em tempo para o próximo encontro de torcidas do Corinthians e do Palmeiras, ou para as próximas eleições.

Será que é isso o que queremos ensinar para os nossos filhos? Se é diferente da gente, se não atende a um determinado padrão, então, simplesmente deixamos de lado? Fingimos que não existe,  não nos sensibilizamos, fazemos vista grossa, não interpelamos, não defendemos e deixamos que a própria vida se encarregue de tirá-los de perto da gente? Mais ou menos assim como o povo alemão se viu fazendo 80 anos atrás, também sem perceber, sem querer. No início eram “só” os ciganos, depois “só” os negros, “só” mais os homossexuais, “só” os judeus…. Quando se deram conta, já era qualquer um que pensasse diferente de alguns outros.

Até onde a gente deixa isso acontecer? Quem será o próximo? Nos livramos da diferente da vez, da que decidimos achar difícil de conviver. Que tal elegermos agora os altos? Ou as frescas? Ou os que não gostam de sorvete de limão?

Não tenho a menor ideia da teoria de como se ensina empatia, respeito, responsabilidade, coragem, tamanho de mundo ou diversidade de interesses, mas tenho certeza que nós, como grupo, não passamos nessa prova. Deixamos a desejar e, se não nos forçarmos a parar para pensar e discutir com nossos pares em casa, não teremos aprendido nada com o que houve.

Tenho certeza de que não adianta sentar com nossos filhos numa conversa toda cheia de sensibilidade e pieguice, ou mesmo madura, cheia de frases prontas. Não é assim que vão perceber o que fizeram ou deixaram de fazer. E pode ser que alguns tenham razões totalmente legítimas, mas que ainda assim não contribuíram para evitar o fato. Talvez um “cascudo” bem dado funcione melhor “perdeu playboy, perdeu a chance de fazer a diferença na vida de alguém”. Não saberemos a razão exata de estarmos dando o “cascudo”, mas eles rapidamente pensarão em um episódio em que poderiam ter agido diferentemente. Uma parcela de culpa auto infligida não vai fazer mal a ninguém. Ou, se pelo menos deixarmos de acreditar quando nossos anjinhos responderem com cinismo e inocência total que não fizeram nada, não viram nada, não sabem de nada, já vai ser alguma coisa.

Quem sabe com isso nossos filhos não terão mais chances de terem, e se tornarem, melhores amigos?

Tenho certeza de que ela se sairá bem na vida, será uma mulher forte, determinada, do bem, com sua cabeleira poderosa, preocupada com os outros. E encontrará um par e amigos também valiosos. Já os nossos filhos, não sei.

Fiquei realmente triste com a saída dela. Não fiz por onde. Já me dei o meu “cascudo“.

+ sobre o tema

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país...

Taxação dos super-ricos tem que ser encarada de frente, diz Neca Setubal

Maria Alice Setubal diz que não saiu ilesa daquele 2014....

para lembrar

Será Filoctetes a chave para entender a ministra Dilma?

Por Fátima Oliveira A ministra Dilma Rousseff exibiu o mais...

A periferia está criando políticas públicas e não dará nenhum passo atrás

No meu imaginário era sempre como as periferias e...

Lula: moradores de Higienópolis têm preconceito contra pobres

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acusou...

Que geração é essa que estamos vivendo?

Dizem que é despolitizada, dizem que é bagunceira, dizem...

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da categoria é maior entre negros e mulheres, segundo levantamento da OAB (Ordem de Advogados do Brasil) que...

Insegurança alimentar na infância afeta desenvolvimento socioeconômico do país

Com os R$ 150 que sobram após pagar as contas, Brenda Ketlin, 24, consegue comprar pão, arroz e feijão. Essa se tornou a base...

Lei que implantou escola cívico-militar em SP fere modelo educacional previsto na Constituição, diz PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do Ministério Público Federal (MPF), alerta que a lei do estado de São Paulo que...
-+=