Site reúne depoimentos de mulheres que fizeram abortos

Mulheres de várias idades e configurações familiares já enviaram seus vídeos falando sobre a experiência do aborto: entre elas, muitas já são idosas, eram mães quando escolheram abortar ou decidiram pela maternidade em outra situação após a realização do procedimento

Por Jarid Arraes

“Nós estamos aqui para que mulheres que fizeram um aborto saibam que são parte de uma comunidade. Nós não temos vergonha de nossas experiências; nós não somos anônimas; e nós não estamos sozinhas”. Assim começa a apresentação do site estadunidense “Not Alone”, que reúne vídeos e depoimentos de mulheres que já fizeram um aborto e desejam compartilhar essas vivências numa espécie de rede de apoio.

O projeto foi fundado por Sherry Matusoff Merfish e suas filhas Beth e Brett Matusoff Merfish no início de 2013, depois que Beth publicou, em sua coluna no jornal The New York Times, um relato sobre o aborto realizado por sua mãe. Por causa da grande quantidade de mensagens enviadas por mulheres de todo o mundo, também compartilhando seus casos, mãe e filhas entenderam que o silenciamento é um dos principais problemas enfrentados pelas mulheres que desejam interromper uma gestação.

As fundadoras da página Sherry Matusoff Merfish (ao centro) e suas filhas Beth e Brett Matusoff Merfish
As fundadoras da página Sherry Matusoff Merfish (ao centro) e suas filhas Beth e Brett Matusoff Merfish

No site, as mulheres que optaram por um aborto são convidadas a gravar vídeos individuais relatando seus casos, que devem ser publicados no Youtube e enviados por um formulário disponibilizado online. Para quem deseja menos exposição, também é possível enviar um depoimento por escrito. Além das instruções de compartilhamento, o projeto sugere perguntas a serem respondidas pelas voluntárias, como “você se sentiu sozinha?” e “que conselho você daria para uma mulher enfrentando uma gravidez indesejada?”.

O projeto ainda colabora com a organização Provide, que desenvolve trabalhos voltados para a saúde sexual e reprodutiva de mulheres nas áreas rurais dos EUA, oferecendo suporte e acesso ao aborto seguro. “Not Alone” faz doações para a instituição a cada vídeo publicado e oferece também uma lista de outras organizações confiáveis para quem busca ajuda.

Mulheres de várias idades e configurações familiares já enviaram seus vídeos falando sobre a experiência do aborto: entre elas, muitas já são idosas, eram mães quando escolheram abortar ou decidiram pela maternidade em outra situação após a realização do procedimento. Para as mulheres do “Not Alone”, o lema político é enfrentar o medo de falar e desconstruir estigmas.

 

 

 

 

Fonte: Revista Fórum

+ sobre o tema

A campanha #meuamigosecreto viralizou e a casa do machismo virtual caiu

A hashtag #meuamigosecreto constituiu-se como movimento internáutico divertido e criativo. Primou...

Comentário sexista faz Kátia Abreu jogar vinho na cara de Serra

Senador tucano entrou na conversa sem ser convidado durante...

para lembrar

Morre Gabriela Leite, fundadora da Daspu e defensora das prostitutas

Ativista, que dá nome ao projeto de lei do...

Novo medicamento contra câncer de colo de útero é maior avanço em 20 anos, dizem cientistas

Cientistas acreditam ter obtido o maior avanço no tratamento...

Educando nossos crespinhos

Em tempos de luta pela educação, precisamos pensar o...

Loiras geladas, negras encorpadas e a publicidade de cerveja – Por: Jarid Arraes

O álcool é um forte componente da cultura brasileira...
spot_imgspot_img

Seminário promove debate sobre questões estruturais da população de rua em São Paulo, como moradia, trabalho e saúde

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

França se torna primeiro país do mundo a proteger aborto na Constituição

A França se tornou nesta segunda-feira (4) o primeiro país do mundo a incluir na Constituição a liberdade da mulher de abortar. A mudança na Carta Magna...
-+=