Só para meninas e só para meninos. Será?

A imposição dos estereótipos de gênero e a minha experiência de compra no O Boticário do Shopping Difusora.

por Magda Cristina Alexandre da Silva via Guest Post para o Portal Geledés

E lá fui eu comprar um chamego para quem amo no O Boticário do Shopping Difusora, em Caruaru/PE, dia 24/09/2015. Loja linda, vendedoras prestativas, achei o produto perfeito na Linha Men. Na hora de embalar, pedi algo simples, sem sedinha, sem adesivo e prontamente recebi o meu produto em uma sacolinha de papel de tamanho desproporcional as minhas compras. Perguntei se poderia usar uma menor e recebi a resposta que “de homem só tem essa”. Eu realmente não entendi o que estava acontecendo, já que a sacola era do padrão da loja e não tinha relação com a linha que eu havia escolhido. Então, perguntei novamente dizendo que queria um tamanho menor, para evitar desperdício e recebi a mesma resposta “sacola de homem, só tem essa”. Fiz uma cara que deve ter sido das mais estranhas, pois a vendedora super se apressou em pegar uma tamanho “P” e me mostrar que aquela “não era de homem”. E eu perguntei “mas o que difere uma sacola de homem e uma de mulher?” e uma das vendedoras deu uma sacudidinha na sacola menor como que me apresentando uma obviedade. Já compreendendo o teor da coisa e a seriedade do que estava acontecendo, perguntei para ter certeza “mas o que difere uma sacola de homem?”. “É a cor” uma das vendedoras respondeu, enquanto a outra assentia com a cabeça. “A cor?”, eu repeti, e elas disseram “Sim. Essa cor não é para homem. Só tem sacola “P” rosa, e rosa não é cor para homem.”

sacolas do boticario

Eu senti meu rosto perder a cor.
Peguei uma sacola “P” rosa, sorri amarelo, agradeci e sai da loja.

No caminho para casa eu vinha pensando naquele bafafá todo que o comercial de O Boticário causou nas pessoas (aquele comercial, aquele…): tanto incômodo, tanta aprovação, tanta vibração, comentários sobre conquistas… Pra quê? Pois se aquele comercial foi mais que uma jogada de marketing e sim um posicionamento político da marca a favor da diversidade, por qual motivo, lá na ponta da estrutura, lá no miudinho do atendimento, cara a cara com a cliente, nada mudou?! A marca se ocupou de fazer o marketing televisionado, mas será que se preocupou em treinar suas equipes para lidar com a diversidade e com as diferenças? Sim, pois lidar positivamente com a diversidade e com as diferenças é também se afastar dos estereótipos de gênero em que rosa é só para meninas e azul só para meninos. Além disso, que direito tem a empresa de me impor, através da atitude com a escolha da cor de uma sacolinha, um estereótipo no qual não acredito? Provavelmente, O Boticário, se chegar a ter conhecimento sobre este relato, vai afirmar que ‘as atitudes das vendedoras não (co)respondem a da/pela marca’. Mas será que não, já que são essas pessoas que nos vendem a marca, o produto, a concepção e o (des)encantamento?

O Boticário, queremos um mundo colorido, para além da dicotomia rosa e azul. Cor é para quem gosta da cor e gente gosta de cores!

 

+ sobre o tema

2° Mostra da Mulher Afro discute violência contra a mulher negra

O Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes (CFCCT) realiza...

Ilê Aiyê promove a Semana da Mãe Preta em homenagem à mulher negra

A Associação Cultural Ilê Aiyê promove a partir da...

Estudantes e professores derrubam projeto LGBTfobico em Santo André

Trabalhadores da educação e estudantes se organizaram nesta terça...

para lembrar

Designer abre portas para mulheres negras no mercado de tecnologia

Quando começou a frequentar o mundo do design de...

Parabéns, querida Simone! Sempre!

Simone de Beauvoir nasceu em Paris, no dia 9...

Série fotográfica registra a beleza dos penteados da cultura nigeriana

A fotografia documental geralmente apresenta poucas cores e a...

Mulheres poderão desembarcar de ônibus em qualquer local após as 22h no DF

Aline Leal, Foi publicado hoje (28) decreto do Distrito Federal...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=