Campanha leva mulheres a ‘gritar’ seus abortos contra proposta do Senado dos EUA

“Há um ano, fiz um aborto na Planned Parenthood. Tenho um coração bom e fazer um aborto me deixou feliz de uma forma inexplicável. Por que eu não ficaria feliz por não ter sido forçada a virar mãe?”

Por Anne-Marie Tomchak e Henry Wilmer, do BBC

A história, contada no Facebook pela americana Amelia Bonow, deu origem a uma onda de polêmica nas redes sociais e levou milhares de mulheres ao redor do mundo a compartilhar relatos semelhantes online.

A hashtag #ShoutYourAbortion, algo como “grite o seu aborto”, foi utilizada 100 mil vezes em 24 horas.

A iniciativa partiu de Amelia Bonow e Lindy West, duas feministas de Seattle, em reação a uma proposta do Senado americano para retirar financiamento do grupo de saúde feminina Planned Parenthood, que realiza abortos legalmente.

Amelia Bonow, uma das criadoras da campanha, disse que se sente feliz por não ter sido forçada a ser mãe
Amelia Bonow, uma das criadoras da campanha, disse que se sente feliz por não ter sido forçada a ser mãe

A proposta, por sua vez, ocorre após um grupo antiaborto publicar vídeos em que acusa o Planned Parenthood de vender tecidos de fetos abortados. O grupo alega que seus empregados estavam discutindo a doação dos tecidos para pesquisa, e não para obter lucro.

Quanto à campanha online, “são mulheres falando sobre aborto de sua forma. Ao fazer isso, reduzem o estigma que talvez tenha sido o responsável por este silêncio (a respeito do tema) desde o início”, diz Bonow.

A outra responsável pela hashtag diz que fez um aborto em 2010.

“A carreira que eu construí desde então me satisfaz e me tornou mais capaz de cuidar dos filhos que tenho hoje”, afirma Lindy West.

Lindy West diz carreira melhorou desde aborto e hoje é mais apta a cuidar de seus filhos
Lindy West diz carreira melhorou desde aborto e hoje é mais apta a cuidar de seus filhos

Mas a iniciativa também provocou uma reação de críticas.

“Sou pró-escolha, mas acho que #ShoutYourAbortion é estúpido. É uma coisa profundamente emotiva e pessoal para a maioria das pessoas. Por que gritar isso?”, disse um usuário no Twitter.

“Por favor, não #ShoutYourAbortion (gritem seu aborto). Há milhares de casais esperando pela chance de adotar seu bebê. @ChooseLife (escolha a vida), você não vai se arrepender”, tuitou outro.

Um terceiro chamou a campanha de “celebração do mal”.

+ sobre o tema

Assim como na vida real, mocinhas que fazem aborto são condenadas na ficção

Da Agência Patricia Galvão: Há pelo menos duas opiniões –...

Mulheres marcham contra o machismo em Paris

Aproximadamente 100 mulheres participaram neste sábado (1º), em Paris,...

Qual é a parte do racismo na saúde que o CFM não enxerga?

A saúde da população negra é um campo construído...

Helle Thorning-Schmidt – Berlusconi admira sem dissimular primeira-ministra da Dinamarca

Os meios de comunicação italianos destacam, esta quarta-feira, o...

para lembrar

Etiqueta sexual para a mulher moderna

Uma vez eu conheci um cara. Por Clara do  Lugar...

11 coisas que não tem nada a ver com ser mãe de meninos

Muitas mulheres dizem que sonham em ter filhas meninas....

Michelle Obama visita África

Primeira Dama vai visitar Libéria e Marrocos do Voa Portugues A...

Quanto machismo há na sua empresa?

Surge nos Estados Unidos o primeiro índice para mostrar...
spot_imgspot_img

Tempo para início de tratamento de câncer de mama é 3 vezes maior que o previsto em legislação

O tempo médio para o início do tratamento de câncer de mama no SUS (Sistema Único de Saúde) é quase o triplo do período previsto pela Lei...

Seminário promove debate sobre questões estruturais da população de rua em São Paulo, como moradia, trabalho e saúde

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns...

Casos de câncer devem aumentar 77% até 2050 ligados ao envelhecimento da população

À medida que a população mundial envelhece, um novo relatório alerta que o número de pessoas com câncer pode aumentar 77% até 2050. No relatório, publicado na quinta-feira...
-+=