Sobre sóis, axés e cafunés: filosofia africana é base para história infantil que tece um elogio à vida

A luz de Aisha usa ideias da filosofia kindezi, do povo bantu, para construir uma narrativa delicada sobre a responsabilidade de todos em nutrir o brilho pessoal de cada um

Aisha é uma menina muito pequenininha, muito pretinha e muito agitadinha. É, também, dona de um sorriso capaz de iluminar cada canto ao seu redor. Não à toa seu nome, em banto, quer dizer “vida”. Ela enche de sol a rotina da família, naquela pequena casa sempre muito iluminada pelo afeto. Quer dizer… Até aquele dia. Quando aconteceu de o sol não aparecer mais. Naquela tarde, Aisha ficou esperando o pai chegar, como sempre. Só que ele não chegou nunca. Justo ele, que nunca se atrasava.

A menina, então, foi vendo os membros de sua família irem se apagando e virando sombra, um a um. Só mesmo a sabedoria herdada de seus ancestrais, com o apreço pela luz e pelas palavras, poderia tirar a menina daquela enrascada. Para isso, ela precisou lançar mão da estratégia que une o poder da memória coletiva e a valorização da negritude. O enlace entre afeto, responsabilidade e poder de se reencantar — e de se reiluminar — pela vida em comum.  

A filosofia kindezi, do povo bantu, explica que cada pessoa nasce com um sol interno. Mas cabe a toda a comunidade acendê-lo: atiçar o resplendor que nos ilumina a todos. “Eu sou porque Nós somos”: é dessa filosofia pulsante na África Oriental que nasceu a frase, usada por pensadores brasileiros contemporâneos.

Apesar de beber na fonte do pensamento gerado na região Congo-Angola, A luz de Aisha é um livro que fala diretamente aos brasileiros. Somos o país mais negro fora do continente africano. A maioria de nossas meninas e meninos tem origem afrodiaspórica. E, dentre estes, há ainda outra maioria: a de crianças que perderam parentes próximos para o genocídio negro ainda em curso no Brasil.

Com muita delicadeza, exuberância e empatia, as autoras de A luz de Aisha ousam transformar essa história de dor, tão corriqueira, numa história que põe criatividade e afeto em primeiro plano. Na contramão das narrativas de superação, tão comuns em nossos tempos, esta obra não procura estimular a busca individual por força e coragem. Em vez disso, tece um elogio ao encantamento e à alegria como dons só alcançáveis pelo nutrir coletivo: “Eu sou porque Nós somos”, afinal.

A luz de Aisha é o livro de estreia no universo infantil de duas mulheres que já são consagradas em outras áreas das artes e do pensamento: a compositora e percussionista Luana Rodrigues e a filósofa e multiartista Aza Njeri. Ambas são, também, figuras importantes nas reflexões sobre negritude no Brasil contemporâneo. Como destaca a artista e arte-educadora Verônica Bonfim, no prefácio: “Neste belíssimo texto, podemos encontrar referências preciosas para a criação de subjetividades e representatividades positivas, que expressam a diversidade e pluralidade dos povos negros”, diz ela. Trata-se de um livro que “assopra vida na população afrodescendente, cuja maioria das crianças não consegue chegar à adolescência, porque tem suas vidas, famílias e sonhos interrompidos por um genocídio negro em curso há séculos. Uma obra que, sobretudo, nos ensina que é preciso provocar ventania nas nuvens brancas que pairam sobre essa população, para que o sol de cada um possa ser aceso e iluminar!”

O lançamento de A luz de Aisha marca a chegada da Editora Rebuliço ao mercado. A nova casa editorial é formada por um time de quatro mulheres. Todas elas profissionais já experientes no ramo dos livros. Sua proposta é publicar obras que possam provocar questionamentos, reinventar atitudes, movimentar consciências em prol da empatia, da justiça social, do respeito às diferenças e da constante (re) construção das subjetividades. Não à toa, a história criada por Aza Njeri e Luana Rodrigues e ilustrada por Gabriel Ben é seu primeiro lançamento.

Para trazer a lume esse livro, há uma campanha de financiamento coletivo disponível na plataforma Catarse, de 17 de agosto a 16 de outubro, cujo endereço é: https://www.catarse.me/a_luz_de_aisha

TRECHO

Os vizinhos sempre comentavam.

Cida falava com a filha todos os dias:

– Olha lá, Clarice! Já está aquela casinha toda iluminada pela manhã. Ahhhhh… vá! Como pode? Casa pequena, cheia de gente… Vivem pra trabalhar, trabalham pra viver e estão felizes? Afff…

É… ouvindo assim parecia até estranho, mas era exatamente como acontecia naquele quilombo de luz.

Daí, numa manhã, aconteceu de acontecer que o dia nasceu sem cor e permaneceu com nuvens por todo o céu. Aisha riu, sorriu e nada do sol aparecer. Só aparecia o silêncio.

AS ESCRITORAS

Luana Rodrigues é mestra em Letras, professora das redes pública e privada da cidade do Rio de Janeiro. É percussionista do grupo Moça Prosa – formado apenas por mulheres, oriundo da região da Pequena África/RJ –, compositora, escritora e mãe do Inácio.

Aza Njeri é professora doutora em Literaturas Africanas, pós-doutora em Filosofia Africana, pesquisadora de África, afrodiáspora e mulherismo africana, coordenadora do Núcleo de Estudos Geracionais sobre Raça, Arte, Religião e História do Laboratório de História das Experiências Religiosas/UFRJ e o Núcleo de Filosofia Política do Laboratório Geru Maa/UFRJ, integrante do premiado Segunda Black e Grupo Emú, multiartista, crítica teatral e literária, mãe e youtuber (youtube.com/azanjeri).

O ILUSTRADOR

Gabriel Ben nasceu em Niterói, no Rio de Janeiro, em 1990. Ao completar 2 anos de idade, sua família se mudou para o Morro da Casa Branca, no bairro da Tijuca, onde mora até hoje. Em 2018, graduou-se em Comunicação Visual pela Escola de Belas Artes, da UFRJ. Desde pequeno, ele manifestava interesse pela arte: observava os grafites nos muros das ruas do bairro e vivia desenhando nos seus cadernos escolares. Por um tempo, aventurou-se nessa expressão artística, que logo o influenciou na sua escolha profissional.


TítuloA luz de Aisha

Escritoras: Aza Njeri e Luana Rodrigues

Ilustrador: Gabriel Ben

Público-alvo: a partir de 6 anos

Páginas: 56

ISBN:

Dimensões: 22x20cm

Preço: R$55,00

Para trazer a lume esse livro, há uma campanha de financiamento coletivo disponível na plataforma Catarse, de 17 de agosto a 16 de outubro, cujo endereço é:

https://www.catarse.me/a_luz_de_aisha

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Em ‘Manhãs de Setembro’, Liniker retoma sonho de atuar após 7 anos: ‘É muito doido voltar’

Há quase sete anos Liniker deixava a cidade onde nasceu, Araraquara...

Matriarcas do Samba – show presencial

O grupo Matriarcas do Samba estreia no Teatro Rival...

São Paulo: Pinacoteca recebe cerca de 40 obras na exposição ‘Teoria da Cor’ do fotógrafo Miguel Rio Branco

Um dos mais destacados fotógrafos brasileiros do cenário contemporâneo,...

Mano Brown recebe Karol Conká na estreia do podcast ‘Mano a Mano’

Mano Brown recebe Karol Conká na estreia do podcast...

para lembrar

A fina ironia de Machado de Assis sobre a Abolição da Escravatura

Na crônica abaixo, Machado de Assis aborda com ironia...

A surpresa da literatura negra

Jennifer Nansubuga homenageia sua tradição oral Nem americana, nem africana,...

Viriato da Cruz

Porto Amboim, Angola, 1928 - Pequim, China, 1973....
spot_imgspot_img

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga caiu no chão, eu levantei ela pelo cabelo. Depois a gente riu e depois a...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico de um dos mais versáteis artistas da cultura popular brasileira. Sambista, cantor, compositor, contador de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...
-+=