Sobreviventes da Violência obstétrica – Saiba o que fazer!

A opinião de Getúlio Costa Melo

Do Barbacena Online

RAWPIXEL VIA GETTY IMAGES

A característica física que a mulher possui em carregar consigo um outro ser humano durante nove meses é extremamente peculiar e sublime. O ato de engravidar e colocar no mundo uma pessoa é bíblico. No Livro Sagrado dos Cristãos, por exemplo, em João capítulo 16, versículo 21, é afirmado que: “A mulher que está dando à luz sente dores, porque chegou a sua hora; mas, quando o bebê nasce, ela esquece a angústia, por causa da alegria de ter vindo ao mundo.”.

No campo legal, existem leis que resguardam a mulher antes, durante e depois do nascimento de uma criança. Contudo, infelizmente ainda existem muitos casos de violações contra os direitos humanos da mulher em período de gestação, como é o caso da violência obstétrica.

Conforme orientações do Ministério da Saúde, a violência obstétrica é toda aquela violência que ocorre no momento da gestação, do parto, nascimento ou do pós-parto. A violência não é apenas aquela física, mas também a psicológica, por palavras ou até mesmo sexual, por exemplo.

Outros fatores que podem caracterizar a violência obstétrica são atitudes de caráter negligente, de cunho discriminatório, de condutas excessivas ou até mesmo desnecessárias, subordinando a mulher a normas ou rotinas ditatoriais ou inúteis, desrespeitando os seus corpos e os seus ritmos naturais, impedindo o exercício do seu protagonismo durante a gravidez.

Parece até mentira que isso possa acontecer, contudo, numa simples pesquisa na internet se encontram várias notícias sobre o tema (a título de exemplo: https://www.1news.com.br/noticia/513695/noticias/pesadelo-mae-revela-detalhes-da-violencia-que-sofreu-durante-o-parto-942-17062018).

Para conhecimento geral, o Ministério da Saúde disponibiliza a “Caderneta da Gestante”, documento ilustrativo e de fácil leitura que orienta a gestante com informações sobre as boas práticas que devem ser realizadas no pré-natal, parto e no pós-parto (http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/01/Caderneta-Gest-Internet.pdf).

No entanto, a prática do ato de violência obstétrica pode ocorrer mesmo com todos os cuidados e leis protetoras. Caso ocorra o ato violento, a mulher ou algum membro familiar deve providenciar: 1) um Boletim de Ocorrência; 2) o formulário médico; 3) e todo e qualquer material que possam ser utilizados como comprovação da violência obstétrica. Com todos os documentos em mãos, procure a Defensoria Pública ou um Advogado e requeira seus direitos.

NOTA DA REDAÇÃO: Getúlio Costa Melo é advogado atuante na Comarca de Barbacena-MG e colunista no Barbacena Online. E-mail: [email protected] e whatsapp (32) 99118-8708.

+ sobre o tema

Polícia investiga mortes em série de mulheres em Goiás

Uma sequência misteriosa de 12 assassinatos de jovens mulheres...

‘Não me sinto segura para voltar à escola’, diz espancada

Casos de meninas agredidas por serem "bonitas demais" se...

Suposto serial killer diz que está com vontade de matar, afirma delegado

Preso há quase uma semana, ele ainda pediu bebida...

para lembrar

Valesca Popozuda relata relacionamento abusivo: ‘Muitas ameaças de morte’

Antes de alcançar o sucesso nacional, Valesca Popozuda passou...

Mulher raspa cabeça da filha que fez bullying com colega com câncer

Uma mãe raspou o cabelo da própria filha após...

40% das vítimas de violência contra a mulher são evangélicas

Os dados de violência contra a mulher são alarmantes,...

Professora acusa homem de estupro dentro de cinema de shopping em SP

Mulher de 35 anos alega que agressor tocou 'suas...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...

Menina de 15 anos é vítima de estupro coletivo na noite de Natal; amigos são suspeitos, diz polícia

Uma adolescente, de 15 anos, foi estuprada na madrugada de Natal, 25 de dezembro, em Campo Grande (MS). De acordo com a polícia, os suspeitos...
-+=