‘Solta esse black’: estudantes do RJ criam movimento pra acabar com machismo e racismo dentro da sua escola

Tanto o machismo quanto o preconceito racial se proliferam em aspectos que parecem mínimos, mas que servem de combustível para profundas situações de desigualdade e opressão. O coletivo Solta esse Black, formado por alunas da Escola Municipal Levy Miranda, no Morro da Conceição, no Rio de Janeiro, se formou para empoderar as garotas e combater as lógicas e hábitos machistas e preconceituosos tanto dentro quanto fora da escola, a partir de um desses detalhes determinantes: o cabelo.

no Hypeness

O coletivo enfrenta os efeitos desses preconceitos através de oficinas de turbante e penteado afro e do incentivo e divisão de ideias sobre cuidados com seu cabelo “black” – além de propriamente o encontro os debates ao redor do tema. E essa luta já começa a alcançar suas primeiras conquistas.

Por conseguirem impactar de forma positiva e significativa as situações de opressão e a valorização das identidades negras dentro da escola, o “Solta esse Black” foi uma das iniciativas vencedoras do Desafio Criativos da Escola em sua última edição.

Após formarem, na escola, um local de convívio e diálogo para dividirem suas experiências e dores, assumir os fios naturais, sem qualquer química ou método de alisamento, foi o primeiro passo. Passaram então de sala de aula em sala de aula para expandir as atividades, da sua própria turma para a escola como um todo. Aceitação, motivação e autoestima eram os grandes tópicos, e já na primeira oficina reuniram mais de 200 estudantes.

Hoje, mesmo depois das fundadoras do grupo – as alunas Camila, Layz, Lydianne, Amanda e Lorrane já não mais estudarem na escola, o grupo permanece mobilizado, envolvendo novas jovens e novos futuros – e mudando a própria face da escola, pois, para estudar na Levy Miranda é preciso conviver com palestras e rodas de conversa sobre empoderamento feminino, racismo, machismo e afirmação e cuidados com seu cabelo afro.

 

+ sobre o tema

Sobre cabelos, relacionamentos e outras coisas!

Após uma atividade na minha universidade em celebração ao...

Mãe preta pode ser? Mulheres negras e maternidade

Débora Silva Maria, do Movimento Mães de Maio, há...

Quem vestiu a Globeleza?

Enviado para o Portal Geledés Engana-se os que acham que...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

Deixem meu cabelo em paz (Kids)

Em 2011 fizemos uma versão de deixem meu cabelo...

Ilê Aiyê promove a Semana da Mãe Preta em homenagem à mulher negra

A Associação Cultural Ilê Aiyê promove a partir da...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=