‘Solta esse black’: estudantes do RJ criam movimento pra acabar com machismo e racismo dentro da sua escola

Tanto o machismo quanto o preconceito racial se proliferam em aspectos que parecem mínimos, mas que servem de combustível para profundas situações de desigualdade e opressão. O coletivo Solta esse Black, formado por alunas da Escola Municipal Levy Miranda, no Morro da Conceição, no Rio de Janeiro, se formou para empoderar as garotas e combater as lógicas e hábitos machistas e preconceituosos tanto dentro quanto fora da escola, a partir de um desses detalhes determinantes: o cabelo.

no Hypeness

O coletivo enfrenta os efeitos desses preconceitos através de oficinas de turbante e penteado afro e do incentivo e divisão de ideias sobre cuidados com seu cabelo “black” – além de propriamente o encontro os debates ao redor do tema. E essa luta já começa a alcançar suas primeiras conquistas.

Por conseguirem impactar de forma positiva e significativa as situações de opressão e a valorização das identidades negras dentro da escola, o “Solta esse Black” foi uma das iniciativas vencedoras do Desafio Criativos da Escola em sua última edição.

Após formarem, na escola, um local de convívio e diálogo para dividirem suas experiências e dores, assumir os fios naturais, sem qualquer química ou método de alisamento, foi o primeiro passo. Passaram então de sala de aula em sala de aula para expandir as atividades, da sua própria turma para a escola como um todo. Aceitação, motivação e autoestima eram os grandes tópicos, e já na primeira oficina reuniram mais de 200 estudantes.

Hoje, mesmo depois das fundadoras do grupo – as alunas Camila, Layz, Lydianne, Amanda e Lorrane já não mais estudarem na escola, o grupo permanece mobilizado, envolvendo novas jovens e novos futuros – e mudando a própria face da escola, pois, para estudar na Levy Miranda é preciso conviver com palestras e rodas de conversa sobre empoderamento feminino, racismo, machismo e afirmação e cuidados com seu cabelo afro.

 

+ sobre o tema

‘No Brasil, ser negro tem peso maior que ser gay’

Gay declarado, o rapper paulistano Rico Dalasam enfrentou diversos...

Por que as lágrimas da mãe branca comovem mais?

A mãe da menina Isabella Nardoni está grávida de...

Sobre ser Lésbica e Negra

Dentro da comunidade lésbica eu sou Negra, e dentro...

para lembrar

Homens ampliam direitos na adoção de crianças

Com cultura e legislação que privilegiam a mãe como...

Prefeitura leva aos bairros projeto de enfrentamento à violência contra a mulher

Projeto Semul Itinerante promove capacitação nas comunidades de Natal....

Governo Federal recebe lojistas de shoppings e abre diálogo sobre rolezinhos

  Ministras Luiza Bairros (Igualdade Racial) e Marta...

Homens gays, precisamos estar atento à nossa masculinidade tóxica

Que a masculinidade tóxica sempre foi um problema todos...
spot_imgspot_img

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...
-+=