quarta-feira, setembro 23, 2020

    Tag: crianças

    (Foto: Incredible_backgrounds/Shutterstock)

    Pesquisadora: “Se trabalho infantil fosse bom, seria privilégio de ricos” 

    "Bons tempos, né? Onde (sic) o menor podia trabalhar". Foi assim que o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o trabalho infantil, relembrando a época em que, segundo ele, aos 10 anos de idade saía da escola e ia direto para um bar, onde trabalhava por ordem do pai. A declaração, feita durante um congresso com representantes de bares e restaurantes, na última terça-feira (25) em Brasília, reforça um discurso já conhecido do presidente, que em 2019 chegou a dizer que o "trabalho dignifica a mulher e o homem, não importa a idade." No Brasil, nos últimos 12 anos, mais de 46 mil crianças e adolescentes passaram algum tipo de agravo à saúde em função do trabalho precoce, segundo dados do Ministério da Saúde. Entre 2007 e 2019, 27.924 crianças e adolescentes de 5 a 17 anos sofreram acidentes graves enquanto trabalhavam e 279 morreram. "É inaceitável. Defender o trabalho ...

    Leia mais
    (Foto: Sílvio Ávila/AFP)

    O que se sabe sobre síndrome que afeta crianças e pode ter relação com covid

    Faz pouco tempo que o Brasil começou a monitorar e relatar casos da síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P), quadro potencialmente grave que afeta crianças e adolescentes e pode estar relacionado à covid-19. Por enquanto, pouco se sabe sobre esse quadro clínico, que apresenta diversos sintomas, atinge vários órgãos do corpo e, se não tratado correta e precocemente, pode matar. Para entender o que já se sabe a respeito da SIM-P, a reportagem conversou com Marco Aurélio Sáfadi, presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), e Saulo Duarte Passos, médico e professor titular de pediatria da Faculdade de Medicina de Jundiaí. Confira a seguir. Descrita como síndrome inflamatória multissistêmica (SIM-P), o quadro clínico é, possivelmente, uma reação grave e tardia à infecção pelo novo coronavírus. A condição pode afetar crianças e adolescentes de 0 a 19 anos, mas há Estados brasileiros que monitoram o quadro até 21 ...

    Leia mais
    Teste para coronavírus (Foto: Marijan Murat / AFP)

    Covid-19: 3,7 mil crianças de até 10 anos testaram positivo no DF

    Desde o primeiro diagnóstico do novo coronavírus no Distrito Federal, em 5 de março, a pandemia continua a avançar. Relatório mais recente da Secretaria de Saúde, divulgado nessa quinta-feira (20/8), mostra que há 143.759 infectados e 2,2 mil mortes da doença na capital. Entre os contaminados, 3.789 são crianças de até 10 anos. Além disso, a capital registrou a morte de duas crianças nessa faixa etária desde o início da pandemia. Uma dessas vítimas é um bebê de um mês e quatro dias, que morreu no Hospital Regional da Asa Norte (Hran) em 11 de junho. A menina não tinha comorbidades – outras doenças que agravam os sintomas da covid-19. No Distrito Federal, o grupo etário que mais registrou infecções pelo novo coronavírus é o de pessoas entre 30 e 39 anos. Ao todo, há 38.702 casos nessa faixa de idade. Em seguida, estão pessoas entre 40 e 49 anos ...

    Leia mais
    Imagem: fizkes/iStock

    Crianças descartáveis?

    Em tempos de pandemia, existem questões que se tornam emergentes: Quem são aqueles que podemos suportar a perda? Porque, ainda, são consideradas descartáveis? São questões assustadoras, mas reais na atual conjuntura de discussões acerca da volta as aulas. Sei que são só palavras que agora derramo sobre o papel, mas elas estão repletas de ideias que tento oferecer como forma de propor um diálogo. Vivemos momentos difíceis, tempos doentes, que podem ser oportunidade ou, simplesmente, um momento inútil, que devemos apagar da memória. Eu sempre acredito na possibilidade da aprendizagem, em repensar rotas, em construir novos caminhos possíveis. O sociólogo polonês Zygmunt Bauman, provoca-nos a pensar. Ele fala sobre relações liquidas, sobre a modernidade que expressa uma necessidade obsessiva com a modernização, e isso ocorrendo de forma viciante e compulsiva. Tudo fica “velho” e “obsoleto” muito rápido. Modernização então significa que temos que transformar tudo em algo melhor, pois não ...

    Leia mais
    Alunos saindo de escola na Estrutural, no Distrito Federal (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

    Racismo e violência contra criança e adolescente são desafios do país

    Publicado há 30 anos, o Estatuto da Criança e do Adolescente trouxe avanços na abordagem dos direitos essenciais do público para o qual foi criado em diversas áreas, como saúde, educação e também no combate ao trabalho infantil. No entanto, a situação no país está longe de ser a ideal em alguns aspectos como o racismo, a violência doméstica e o abuso sexual. Para o coordenador do Programa de Cidadania dos Adolescentes do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Mario Volpi, o maior dos desafios para fazer valer esses direitos no Brasil é a desigualdade, e, entre as diversas formas em que ela se apresenta no país, destaca-se o racismo. "Esse elemento do racismo, da desigualdade racial, é um elemento que o país ainda não superou. E um dos motivos é porque o Brasil é um país que demorou a admitir que existe discriminação racial. Tivemos uma ideologia ...

    Leia mais
    Edifício Pier Maurício de Nassau em Recife, de onde o menino Miguel caiu do 9º andar (Reprodução / TV Globo)

    Entre o direito a infância e negação de direitos as meninas e meninos pretos: racismo estrutural desde a estirpe da existência humana

    O Estatuto da Criança e do Adolescente, preconiza em seu terceiro artigo, que: "A criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade. “ Apesar da pandemia causada pela COVID 19, apesar das mais de 31 mil vidas ceifadas nos últimos meses, apesar da necessidade de isolamento social, Miguel, menino negro, de olhos vívidos e cheio de sonhos, traços peculiares de quem vive a primeira infância, estava em companhia de sua mãe, uma mulher negra, assalariada que servia a uma família branca de Recife.  Miguel de 5 anos estava lá em cima acompanhado por adultos, enquanto sua mãe passeava na rua com ...

    Leia mais
    Na cidade de São Paulo, o setor têxtil é um dos campeões em trabalho escravo contemporâneo: 320 trabalhadores resgatados por auditores-fiscais em 9 anos (Foto: Al Jazeera e Repórter Brasil)

    Dedos amputados e atraso no aprendizado: o drama de bebês criados em oficinas de costura

    Com pais submetidos a jornadas exaustivas e desumanas, crianças ficam sem supervisão e sofrem acidentes de trabalho; casos chegam a 50 por ano, mas são subnotificados. Falta de estímulos também gera problemas cognitivos Por  Mayara Paixão, da Repórter Brasil  Grécia Delgado Kama tinha menos de um ano de idade quando, sem que seus pais percebessem, caminhou com o andador até uma máquina de costura e colocou a mão no motor. No acidente, perdeu seu dedinho indicador. “Quando chegamos ao hospital, meus pais contam que lá havia outro filho de boliviano com o dedo amputado”, recorda a hoje agente social. O acidente sofrido por Kama há quase 30 anos repete-se semanalmente no Brasil: entre 2012 e 2018, houve pelo menos 295 acidentes de trabalho com crianças e adolescentes em confecções de roupas no país, segundo dados do Ministério Público do Trabalho (MPT). O estado de São Paulo responde por 30% dos ...

    Leia mais
    (stevanovicigor/Thinkstock/Getty Images)

    42% das crianças e adolescentes que sofrem abuso sexual são vítimas recorrentes

    72% das pessoas estupradas são menores; 18% têm até 5 anos, mostra levantamento inédito com dados do Ministério da Saúde Por Marina Gama Cubas e Thiago Amâncio, da Folha de S.Paulo  (stevanovicigor/Thinkstock/Getty Images) A família de Anne até hoje não sabe o que lhe aconteceu na infância. Ela só contou para amigas próximas, anos depois, e agora à Folha. “Preferia que fosse por mensagem mesmo, se não se importar. Ainda não fico muito confortável em falar disso em voz alta”, escreveu ela à reportagem. Tinha 8 anos e vivia no Rio de Janeiro quando um tio inventou uma “brincadeira”. “Não podia contar nada para ninguém, se não perdia o jogo”, diz. Foi abusada sexualmente. Aos 12, aconteceu de novo. “Um amigo da família me fazia sentar no colo dele e abusava de mim. Nessa época, já tinha um senso básico sobre esse assunto e saía correndo ...

    Leia mais
    Photo by FOX from Pexels

    “Ele não consegue segurar um lápis direito”: como novas tecnologias prejudicam a capacidade das crianças de escrever

    Cada vez mais alunos apresentam dificuldades para escrever à mão. A constatação parece ser unânime entre professores e pais, seja na França ou no Brasil. O principal motivo: o uso excessivo de novas tecnologias, como tablets e smartphones, que acostumaram crianças e adolescentes à escrita digital. Em entrevista à RFI, especialistas alertam para os perigos deste fenômeno que tem graves consequências na capacidade da escrita. Por  Daniella Franco, do RFI Photo by FOX from Pexels “Ele não consegue segurar um lápis direito”, diz Luana, mãe de um menino de 6 anos que enfrenta dificuldades para aprender a escrever na escola. À RFI, a brasileira radicada na França contou que a criança se acostumou desde pequena a manipular o tablet e controles de videogames, o que acabou afetando sua coordenação motora. Segundo Luana, o garoto reconhece as letras, tem forte habilidade para cálculo, mas sua interação manual ...

    Leia mais
    Imagem: Reprodução/CONANDA

    Crianças e adolescentes importam!

    O impacto do desmonte do CONANDA nas políticas para crianças e adolescentes negras, indígenas, quilombolas, ribeirinhas e periféricas. No DOCS Em um contexto em que a principal política do atual governo federal é impor retrocessos, destruir programas, políticas públicas e Conselhos essenciais para a defesa e garantia de direitos fundamentais da população, é de grande relevância destacar que crianças e adolescentes são mais atingidos e vulneráveis. Contudo, sabemos que no Brasil, crianças e adolescentes mais vulneráveis têm endereço, cor de pele e etnia certa. Imagem: Reprodução/CONANDA Na última quinta-feira, 5 de setembro, numa ação violenta, autoritária e, portanto, antidemocrática, Jair Bolsonaro, oficializou o desmonte do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) por meio do Decreto Presidencial nº 10.003 de 2019. O Conanda é a instância máxima de deliberação, formulação e controle das políticas públicas destinadas à infância e à adolescência, criado pela ...

    Leia mais
    Mídia Ninja/CC

    Em São Paulo, crianças e adolescentes na mira da polícia

    Polícia foi a principal responsável por mortes violentas de menores de 19 anos na capital paulista, revela estudo encomendado pelo Unicef. Antes desconhecido, padrão de letalidade policial contra jovens choca analistas. Por Yan Boechat, do DW Mídia Ninja/CC Um levantamento realizado a pedido do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) com base em dados da própria Secretaria de Segurança Pública de São Paulo mostra que o número de mortes de crianças e adolescentes decorrentes de intervenção policial superou os óbitos em todas as outras categorias classificadas como mortes violentas (homicídios, latrocínio, acidentes de trânsito, suicídio, feminicídio e lesão corporal seguida de morte). Os dados são restritos apenas à cidade de São Paulo, mas mostram um padrão de letalidade policial contra crianças e adolescentes que era desconhecido. Não existem estudos semelhantes em outras capitais ou estados do país. Entre 2014 e 2018, as polícias de ...

    Leia mais
    @ ARTSY SOLOMON

    Como falar com seus filhos sobre abuso sexual

    A orientação dos especialistas para tratar de um tema difícil como o abuso sexual, com crianças de todas as idades. Por  Caroline Bologna, do HuffPost A abordagem incentiva os pais a ensinar as crianças a reconhecer comportamentos dignos de confiança. (Foto: @ ARTSY SOLOMON) Em janeiro de 2018, o mundo assistiu os depoimentos nauseantes de 169 mulheres e parentes cujas vidas foram afetadas pelos crimes sexuais de Larry Nassar, ex-médico da seleção de ginástica olímpica da seleção americana e da Universidade de Michigan. Histórias como a de Nassar reforçam o desejo de pais e responsáveis de proteger as crianças de um horror que infelizmente é mais comum que se imagina. Pode ser difícil pensar no abuso sexual de crianças, mas é preciso falar do tema com crianças de todas as idades. Felizmente, há maneiras adequadas para tratar do assunto de acordo com a idade, estabelecendo as ...

    Leia mais
    Recomendações para acabar com violência contra crianças e jovens em escolas do mundo todo serão apresentadas a líderes mundiais que se reúnem esta semana no Fórum Mundial de Educação, em Londres. Foto:

    Manifesto global pede fim da violência contra crianças e jovens nas escolas e arredores

    Jovens de todo o mundo vão pedir aos governos o fim da violência nas escolas e arredores, durante o Fórum Mundial de Educação, que ocorre esta semana no Reino Unido. Da ONU Recomendações para acabar com violência contra crianças e jovens em escolas do mundo todo serão apresentadas a líderes mundiais que se reúnem esta semana no Fórum Mundial de Educação, em Londres. Foto:@ ARTSY SOLOMON/Nappy O Manifesto Jovem #ENDviolence foi redigido no fim de 2018 por mais de 100 crianças e jovens de todo o mundo, incluindo a brasileira Lays dos Santos, que viajou à África do Sul, a convite do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), para representar meninas e meninos brasileiros. O manifesto pede que pais, responsáveis, escolas, formuladores de políticas e comunidades levem os estudantes a sério; estabeleçam regras claras; façam leis restringindo armas; garantam segurança na escola; forneçam instalações ...

    Leia mais
    blank

    Crianças congolesas viram mão de obra barata em meio a crise de deslocamento forçado, diz ONU

    Às margens do lago Tanganica, na República Democrática do Congo, Françoise, de 14 anos, enche de areia um saco de 25 quilos e o equilibra cuidadosamente em cima de sua cabeça. É uma tarefa que a adolescente aprimorou nos últimos meses. Ela não está sozinha. Na maioria das manhãs, um exército de crianças – algumas com apenas cinco anos de idade – lotam as ruas nos arredores da cidade de Kalemie para trabalhar no setor de construção. Da ONU Françoise, de 14 anos, é paga para transportar areia do Lago Tanganica até áreas de construção. Foto: Vania Turner/Junior D. Kannah Às margens do lago Tanganica, na República Democrática do Congo, Françoise, de 14 anos, enche de areia um saco de 25 quilos e o equilibra cuidadosamente em cima de sua cabeça. É uma tarefa que a adolescente aprimorou nos últimos meses. Ela não está sozinha. Na maioria das manhãs, um ...

    Leia mais
    blank

    ‘Não aceitamos crianças’: avanço da onda ‘childfree’ é conveniência ou preconceito?

    No resort do sul do país, "é permitida a hospedagem apenas de maiores de 18 anos, para manter o clima de sossego total para nossos hóspedes". No restaurante de São Paulo, crianças com menos de 14 anos são vetadas porque "o espaço não está adaptado para recebê-las". Na companhia aérea internacional, a "zona silenciosa" é exclusiva para "viajantes com dez anos ou mais e para viajantes que não estejam viajando com menores de dez anos", porque "todos precisamos de um pouco de paz e silêncio". Direito de imagemILUSTRAÇÃO: RAPHAEL SALIMENA Por Paula Adamo Idoeta Do BBC No Brasil e no mundo, formou-se um nicho de espaços que rejeitam a presença de crianças, com a justificativa de garantir a tranquilidade dos demais clientes. O nicho vem na esteira do movimento "childfree" - "livre de crianças" -, que existe desde os anos 1980 nos Estados Unidos e no Canadá para agrupar adultos que ...

    Leia mais
    blank

    O dia em que eu deixei de acreditar na Justiça foi o dia em que advoguei em prol de uma criança vítima de estupro

    John Godfrey Saxe dizia que as leis, como salsichas, deixarão de inspirar respeito na proporção em que soubermos como são feitas - a frase passou a ser atribuída a Otto von Bismarck em meados de 1930, como bem observou Fred R. Shapiro em 21 de julho de 2008, no New York Times. Gosto de pensar que Godfrey não se referia apenas ao Legislativo e suas conclusões à meia-noite, mas ao sistema jurídico como um todo. Por Israel Carvalho Jr, do Não Me Kahlo Foto:@ ARTSY SOLOMON Pois então, o dia em que eu deixei de acreditar na Justiça tem a ver com uma decisão de primeira instância, em uma Vara da Infância e da Juventude. Começou com um telefonema, de uma mãe que me pedia para recorrer de uma decisão que a seu ver seria absurda. Eu ainda não era advogado do caso e se tratava de um processo de destituição do ...

    Leia mais
    blank

    Este cabeleireiro dá descontos para crianças que leiam um livro em voz alta durante o corte

    Parece que não é só cabelos que este cabeleireiro corta. Os preços não escapam ‘da tesoura’ de Ryan Griffin, o cabeleireiro que tem chamado a atenção por uma iniciativa que ajuda as crianças em duas formas diferentes! Do Hypeness Na verdade, o que acontece aqui é um 3 em 1, já que as crianças que forem até ao espaço de Ryan e lerem em voz alta recebem: os 2 dólares de desconto no preço final; a oportunidade de treinar – e, quem sabe, se apaixonar – a leitura; uma imagem positiva de si mesmas, já que o cabeleireiro atende diversas comunidades afro-americanas e, infelizmente, como sabemos, a representação da população negra está longe de ser justa e aceitável, mesmo em pleno século 21. Mas essa é a prova de que o empoderamento pode chegar de diversas formas! Ryan Griffin se inspirou em uma ideia semelhante em Harlem, bairro nova-iorquino, e contou ao Huffington ...

    Leia mais
    blank

    A educação moderna criou adultos que se comportam como bebês

    A educação moderna exagerou no culto à autoestima – e produziu adultos que se comportam como crianças. Como enfrentar esse problema? no Charlezine Os alunos do 3º ano de uma das melhores escolas de ensino médio dos Estados Unidos, a Wellesley High School, em Massachusetts, estavam reunidos numa tarde ensolarada para o momento mais especial de sua vida escolar: a formatura. Com seus chapéus e becas coloridos e pais orgulhosos na plateia, todos se preparavam para ouvir o discurso do professor de inglês David McCullough Jr. Esperavam, como sempre nessas ocasiões, uma ode a seus feitos acadêmicos, esportivos e sociais. O que ouviram do professor, porém, pode ser resumido em quatro palavras: vocês não são especiais. Elas foram repetidas nove vezes em 13 minutos. “Ao contrário do que seus troféus de futebol e seus boletins sugerem, vocês não são especiais”, disse McCullough logo no começo. “Adultos ocupados mimam vocês, os beijam, os confortam, os ...

    Leia mais
    blank

    “Somos quem somos”, menina trans lembra que crianças como ela precisam ser ouvidas

    A pequena Willa, de 7 anos, deu nome à lei de identidade de gênero da Ilha de Malta; assista ao vídeo Do Portal Fórum Willa tem 7 anos e deu um depoimento emocionante. Ela é uma menina trans e conta, em vídeo, como foi o processo desde que descobriu sua verdadeira identidade. “Um dia, eu falei para a minha mãe e o meu pai que eu me sentia uma garota e eles me aceitaram”. A garotinha deu nome à lei de identidade de gênero de Malta, onde vive com os pais. Apesar de muito nova, ela reconhece a importância dos direitos de pessoas trans. “Eu sou respeitada como Willa e é isso que outras crianças trans precisam”, afirma. A gravação foi feita em 24 de outubro, considerado o Dia Internacional de Ação pela Despatologização Trans. Assista:

    Leia mais
    Foto: Marta Azevedo

    A pureza das perguntas

    A vida se cobre de simplicidade após a reflexão proposta por três crianças pequenas e suas respostas descomplicadas POR FLÁVIA OLIVEIRA, do O Globo Foto: Marta Azevedo A amiga conta numa rede social que percorria um trajeto banal com a filha pequena no carro. Do nada, ouviu a pergunta paralisante: “O que é destino?”. A resposta veio aos poucos, vacilante: "Destino é alguma coisa que vai acontecer, mas ainda não ocorreu". A cabeça da mãe ainda girava com o questionamento tão inocente quanto profundo, quando a menina devolveu, no melhor estilo geração GPS: “Pensei que destino fosse a nossa casa”. Simples assim. Na saída de uma manhã no museu, outra amiga lembra do papo cabeça da véspera com o filho, no planeta há não mais que meia década: “Mamãe, o que é pobre?”. A explicação saiu em duas partes, com a pobreza classificada nas dimensões material ...

    Leia mais
    Página 1 de 2 1 2

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist