‘Geração ansiosa’: transtornos mentais em crianças que vivem grudadas no celular aumentam no mundo todo

Enviado por / FonteG1, por Fantástico

Psicólogo americano Jonathan Haidt diz que houve ‘reprogramação da infância’ e propõe quatro medidas urgentes, como só ter acesso a redes sociais depois dos 16 anos.

Crianças e adolescentes do mundo todo estão em perigo. É o que diz o livro “A geração ansiosa”, do psicólogo social Jonathan Haidt, que estudou durante décadas o colapso da saúde mental entre os jovens, principalmente desde a criação dos smartphones.

“O que aconteceu é o que eu chamo de ‘grande reprogramação da infância’. Em 2010, os adolescentes tinham um telefone apenas para fazer ligações, se encontravam mais com outras crianças e se divertiam mais. Mas em 2015, tudo mudou. Eles trocaram o telefone celular comum por um smartphone com câmera e internet. E as crianças passaram a ter uma infância no celular com efeitos na vida social e no desenvolvimento cognitivo”.

Haidt lista erros cometidos pelos adultos.

“Em primeiro lugar, mantivemos nossos filhos superprotegidos na vida real. Ao mesmo tempo, na vida online, os jovens ficaram totalmente desprotegidos. Os pedófilos, por exemplo, migraram para as redes sociais e conseguem entrar em contato com as crianças sem que os pais desconfiem”, enumera.

“Quando seu filho é pequeno e você quer um pouco de sossego, acaba dando ao seu filho um telefone ou um tablet. Agora, vemos as consequências disso. Uma geração que está muito mais ansiosa e deprimida. Com mais casos de automutilação e suicídios”, afirma o autor.

Heidt afirma que celular demais também atrapalha o desenvolvimento cognitivo. O psicólogo tem relatos de jovens que mesmo quando percebem que estão ansiosos por causa das redes, não conseguem sair desse círculo vicioso.

Ele propõe quatro ações urgentes:

  • Nada de smartphones antes dos 14 anos
  • Não ter redes sociais antes dos 16 anos
  • Escolas têm que ser espaços completamente livres de celulares
  • Substituir a dependência do celular por uma infância mais independente, com mais brincadeiras e riscos
Ações urgente propostas por Jonathan Haidt, autor de ‘A geração ansiosa’ — Foto: Reprodução/Fantástico

Para o pediatra Daniel Becker, essas mudanças são necessárias:

“A gente tem já movimentações de dados que mostram que há um aumento de transtornos psíquicos, transtornos emocionais na infância e na adolescência nos últimos anos. A reprogramação cerebral deve ser feita na vida, e não numa tela quadrada, onde ele vai estar hipnotizado, recebendo passivamente conteúdos. Então, é desproteger um pouquinho na vida real, e proteger mais e supervisionar na vida online.”

+ sobre o tema

Carta Aberta: Pela transparência e democratização do Poder Judiciário

A passos cautelosos, porém de grande importância, a sociedade...

Os benefícios para a saúde de ser antissocial

Com alguma relutância, eu consigo ser sociável. Às vezes,...

Anemia falciforme é problema cada vez mais grave, diz especialista

Por Fábio de Castro Doença hereditária que causa malformação das...

Conferência de Saúde aprova gestão 100% pública para o SUS

A 14ª Conferência Nacional de Saúde (CNS), encerrada neste...

para lembrar

Salil Shetty: “Me sinto em um lugar onde direitos humanos não existem”

Em sua segunda vinda ao país, secretário-geral da...

Pesquisa traça o perfil da mulher empreendedora no Brasil

A vontade de mudar o mundo diferencia a mulher...

Google: apenas 30% dos funcionários são mulheres; 2% negros

Nós somos os primeiros a admitir, o Google está...

Fundo Brasil vai doar mais de R$ 1 milhão para apoiar direitos humanos

O Fundo Brasil de Direitos Humanos vai doar mais...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=