terça-feira, novembro 24, 2020

    Tag: Mailson Ramos

    O carnaval vai esconder a Salvador de verdade

    Salvador se prepara para sediar aquele que é chamado de ‘o maior carnaval do mundo’; nele, entretanto, serão maquiados e excluídos os problemas da cidade. Por Mailson Ramos para o Portal Geledés  A política do faz de conta criou uma Salvador dos sonhos para quem nela chega pela primeira vez: é uma cidade sem miseráveis, sem moradores de rua, sem pedintes escorados nas paredes das esquinas ou mergulhados sob um viaduto. É que aqui se aprendeu a esconder as mazelas sociais com panis et circensis. Do pão que se come e do circo que se assiste não sobra nada para os menos favorecidos. Eles serão de novo escoltados para outros bairros para não mostrar que Salvador é uma cidade de desigualdades gritantes. Enquanto muitos vão gritar atrás do trio, embriagados pelos feitos de Momo, uma minoria exclusa vai gritar de fome nos passeios públicos. Estigmatizados, os moradores de rua definham sem ...

    Leia mais

    De que cor são as vestes da moral?

    A vida íntima de FHC não nos interessa. As manobras sim. E de que cor são as vestes da moral? Será que ela serve de disfarce, em suas cores diáfanas, para esconder a sujidade humana? Enviado por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés  Nem as escadarias da Igreja do Bomfim após a lavagem parecem estar tão limpas quanto a consciência de FHC e dos moralistas sem moral. Porque deles emana a sensação de que, se a moral utiliza vestes, elas são brancas e intangíveis como as suas dissimuladas consciências. Nada que a mídia não consiga alvejar ainda mais com artigos edificantes dos colunistas apaixonados por um príncipe que virou sapo. E no desvão da paixão desenfreada, Noblat e Cantanhêde se extremam em defesa unilateral da moral sem vestes do FHC. O ex-presidente deixou cair as vestes esbranquiçadas numa lama fétida e putrefata. E isso causa repercussão justamente porque aqueles que não têm moral costumam ...

    Leia mais

    Como cotista eu repilo as afirmações de Alexandre Garcia

    Quando o Alexandre Garcia abre a boca, quem fala por ele é o Figueiredo. Contra as cotas, o jornalista da TV Globo disse que passar assim é “humilhação”. Por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Alexandre Garcia vive no passado da ditadura de onde converge a base de todos os seus comentários, na TV Globo. E só mesmo quem foi assessor de comunicação de um ditador pode reagir contra a política de cotas. Não que as cotas não possam ser questionadas, mas há, no comentário deste jornalista um peremptório cunho elitista e conservador. O que significa mérito? É vergonhoso entrar numa universidade através das cotas? Um estudante aprovado em regime de cotas não será um bom profissional ou não saberáconcorrer no mercado? Não estará preparado por não ter mérito? E onde está o mérito do não acesso à universidade? Que critérios o Alexandre Garcia utilizou para tecer a análise de que as políticas de cotas são uma “humilhação”? ...

    Leia mais

    De quando rechaçamos a política

    Existe uma constatação muito fria e nociva sobre a crise política: as pessoas não querem discutir sobre ela ou estão quase sempre prontas a mudar de assunto quando o roteiro da discussão entra pela linha da política. Não se pode ir a lugar algum sem reflexão. E o brasileiro, de maneira geral, contenta-se em deglutir aquilo que a imprensa, sobretudo a imprensa hegemônica lhe oferece todos os dias em forma de notícia. O brasileiro simples tem repetido, como papagaio, o que o massivo cartel de notícias lhe impõe; não há alternância de discurso ou uma opinião divergente. Trilha-se pelo caminho mais curto, o das manchetes. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Numa conversa franca, numa reunião de amigos num boteco, onde se fala sobre tudo e sobre todos, a política é assunto rechaçado. Alijada, ela não entra na pauta senão para referendar a crise de representatividade ...

    Leia mais

    Procura-se um salvador da pátria

    No país do imediatismo as retinas se embaçam quando o foco foge do evento mais próximo. Também os rostos se desfiguram na tormenta da crise política e econômica. O apelo ao heroísmo não é mais do que um grito no breu das necessidades de um país que amarga a ausências de figuras representativas, com cargo e poder para organizar um chamamento aos eixos. O Brasil precisa ter as rédeas sob domínio, entretanto, onde sobram cordas frouxas nas mãos de figuras infames da política, falta um sujeito capaz de pontificar entre oposição e governo em busca de melhorias. Procura-se um salvador da pátria. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Este salvador da pátria não teria obrigatoriamente a figura de um herói institucionalizado, muito menos aderiria a projetos partidários, vinculado a frentes com interesses hegemônicos; não poderia surgir das bancadas formais da Câmara dos Deputados, onde desavergonhadamente se ...

    Leia mais

    A novela do inédito à reapresentação

    Babilônia nasceu com a genética do fracasso. Aliás, as novelas da TV Globo, em atual exibição, são enredos frágeis e pouco atrativos. Na TV Record, não se pode dizer muita coisa diferente: Os Dez Mandamentos é uma trama tipicamente previsível porque acompanha o ritmo histórico de uma passagem bíblica. O que se salva na teledramaturgia brasileira atualmente é a reprise. A reprise sempre foi vista pela televisão como algo engessado; corria-se sempre o risco de enfadar o telespectador com uma produção repetida. Hoje, as reapresentações novelísticas ganharam um caráter diferenciado: é a possibilidade de ver os grandes atores, as melhores tramas, as mais importantes figuras da televisão novamente em ação. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Isso explica o sucesso das reapresentações de Pedra Sobre Pedra, no Canal Viva e O Rei do Gado, na TV Globo. Os telespectadores conhecem o roteiro da história, o enredo, o final, quem ...

    Leia mais

    Nós estamos com os professores do Paraná

    Há alguns meses a notícia da greve dos professores em São Paulo e Paraná tem sido suprimida no noticiário. Não se questiona o porquê da supressão, mas quem tem um mínimo de raciocínio lógico e político vai perceber que estes dois Estados brasileiros são governados por tucanos, logo, suas notícias devem ser cuidadosamente veiculadas na Casa Grande Midiática. Alckmin mente, mas tem uma proteção feroz dos poderosos grupos de comunicação do país. Mas o Beto Richa… por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Degringolou de vez o governo de conto de fadas. Hoje, por volta das 15h, um massacre da Polícia Militar sobre os professores manifestantes, definiu em letras garrafais a verdadeira face dos governos tucanos, aqueles que se colocam como paladinos da justiça e intocáveis pela ferocidade da mídia ultraconservadora. Sangue de professor derramado no chão de uma praça democrática ou em qualquer lugar tem a mácula de um ...

    Leia mais

    A oposição é desesperada

    A oposição é desesperada. A variação temporal do verbo não esconde a condição do sujeito. Poderia dizer que a oposição está desesperada, entretanto, a constância aflitiva do PSDB e seus sectários rumo ao pedido de impeachment é colérico e contínuo. Não se assoma a este sentimento de cólera um ínfimo grão de discernimento e bom senso. Quando todas as urnas repousam nos depósitos e poucos brasileiros se recordam completamente dos sucessos de outubro passado, Aécio Neves, perdedor inconformado, se esquece que é senador da República e utiliza seu mandato apenas para difamar a presidente Dilma e correr atrás de uma tese jurídica inválida um pedido de impeachment. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Aliás, Aécio Neves e sua trupe de aduladores estabanados tentaram todas as alternativas possíveis para barrar a governabilidade da presidente. Os nobres amigos e amigas devem se recordar que o primeiro passo desta contenção foi dado ...

    Leia mais

    Uma manifestação à sombra do nada

    As notícias do domingo não foram nada positivas para a oposição ao governo Dilma. Os manifestantes e a imprensa que cobriu os eventos da “passeata democrática” enxergaram mais espaços vazios no atribulado e frívolo trote de pernas brancas sobre as calçadas nobres deste país. E o descontentamento visível – senão uma patologia do ódio – resultou em extremados, violentos e indignos posicionamentos de uma manifestação dita democrática. Porque a expressão “dar um tiro na cabeça” é tão feia, assustadora e assombrosa que nos remete a um período lamentável da história brasileira. O discurso destas manifestações não se altera: é uma referência explícita, mesmo que pontual, ao golpismo e à intervenção militar que agora adquiriu até constitucionalidade. Vexatório. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Os políticos e os grupos midiático-hegemônicos que convocam as manifestações costumam não comparecer aos eventos; nem mesmo em São Paulo, onde se aglomera uma turma reacionária ...

    Leia mais

    O Congresso Nacional abdicou do povo brasileiro

    Com exceção dos poucos combatentes ferrenhos dos direitos trabalhistas do povo brasileiro – somados em pouco mais de dezenas – o Congresso Nacional abdicou de sua gente. Serve a interesses diversos e escusos que a prórpia vergonha os impede de revelar. Os senadores e deputados são cada vez mais dissimulados, vingativos e ardilosos em manobras que vão de encontro aos interesses da população. A marca desta legislatura é o conchavo e a falta de vergonha na cara. Da dissimilação ao mau-caratismo existe um espaço reservado em Brasília para deflagrar um grupo de engravatados que quando não se preocupam com seus partidos, alianças e conchavos, estão hipnotizados com seus próprios umbigos. Azar do povo. Enviado por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Os grandes partidos perderam o poder. Servem apenas como estruturas de condução aos cargos públicos e para referenciar negociações que quase nunca definem uma agenda política. Os pequenos partidos são, como sempre, pressionados por sua insuficiência ...

    Leia mais

    Saudade de uma amizade

    Existem homens que passam pela vida sem deixar rastro algum; nem mesmo rastros abstratos. A estes o próprio destino se encarrega de ocultar no curso da história. Por outro lado, a vida perivilegia a existência de homens que mesmo sem querer se estabelecem no imaginário de outras pessoas. Existem marcas simbólicas deixadas por alguns homens que nem mesmo o destino pode apagar. A morte, que para nós é um mistério inexplicável, jamais pode apagar a imortal personalidade de alguns homens. Porque os erros e os acertos são tão típicos do ser humano que cada um deve entender a vida como trajetória tortuosa, nunca como um ponto reto entre o nascimento e a morte. Viver a vida com todas estas nuances, traços e roteiros incertos dignifica a melhor das missões que é fazer história. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Há exatamente um ano meu pai partiu. Deixava para trás ...

    Leia mais

    Jornal Nacional: os fatores do desgaste

    Por que um telejornal tradicional da maior emissora de TV do país decaiu em termos de audiência? Quais foram as causas? Quais são os reflexos desta queda? O que se pode interpretar dos baixos níveis de audiência? Será preciso uma revolução na estrutura do Jornal Nacional da TV Globo? Por dois dias seguidos encarei estas questões para tentar elucidar o momento de impopularidade de um dos programas jornalísticos mais assistidos da história da televisão brasileira. Foi possível chegar a algumas conclusões não definitivas sobre a decrescente audiência do Jornal Nacional nos últimos tempos. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés A primeira condição a ser analisada é a de que as pessoas encontraram novas maneiras de se informar. A ideia de que o noticiário nas redes nem sempre era tão verdadeiro pelo desconhecimento das fontes caiu por terra. Atualmente, a republicação de notícias de sites nas redes sociais provocam um ...

    Leia mais

    A imprensa brasileira e o silêncio dos não inocentes

    O último roteiro da imprensa brasileira não poderia adquirir outro nome senão “O silêncio dos não inocentes”. E num momento em que são explícitas inconstitucionalmente as ideias golpistas, o país descobre que existe há muito tempo uma ditadura em vigor: a ditadura da imprensa. Liberdade é coisa que nunca se ouviu falar nas redações. Colunistas são coagidos a escrever aquilo que privilegia o interesse dos grupos hegemônicos, mantenedores não apenas dos veículos, mas de um sistema carcomido, viciado e, porque não dizer, corrupto. Há três anos escrevo sobre esta mesma temática. O roteiro referido anteriormente conserva um texto cada vez mais grotesco. É tão evidente a preferência da imprensa brasileira por um grupo político ou por um status de privilégios que a palavra corrupção já não os constrange. Do contrário, usam-na para insuflar os ânimos numa reivindicação que é de todos os brasileiros. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Não ...

    Leia mais

    Retratos de uma manifestação antidemocrática

    Nada de novo na frente ocidental. Diria o título do livro de Erich Maria Remarque. Diria eu sobre a condição das manifestações do domingo. Nada de novo além do tragicômico analfabetismo político, da insensibilidade quase brutal, do desrespeito às instituições democráticas desta nação. Pois os manifestantes que vestiram a camisa da seleção brasileira de futebol e pintaram os rostos de verde e amarelo, em vez de amplificar uma discussão positiva acerca do combate à corrupção, denotaram uma assombrosa conclusão: são eles os responsáveis pela chama acesa do golpismo quando pedem por intervenção militar; são eles que se acercam de falsos ideais democráticos, mas colocam na mão uma bandeira com a suástica; são eles capazes de gerar ódio ao dependurar sobre uma ponte bonecos enforcados representando Dilma e Lula. Por MAILSON RAMOS via Guest Post para o Portal Geledés  Não importa para a minha análises o número de manifestantes. O discurso antidemocrático deles causa asco independente da quantidade. Podiam ser dez ...

    Leia mais

    Confissões de um cotista

    Desde que o Brasil é Brasil – e a construção histórica deste país não faz jus à verdade – os negros foram colocados à margem da sociedade. Porque é mentira quando dizem que não existe mais racismo. O racismo está estampado nas mais banais ações da publicidade; está escancarado no discurso hegemônico que sempre encontra espaço para afastar o negro de seu orgulho; está mascarado nas ‘boas’ ações dos programas sensacionalistas da TV. E poderia recordar muitos outros equívocos da sociedade quando o assunto é refutar a dignidade de alguém por causa da sua cor. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Quando as cotas se firmaram como políticas de igualdade e afirmação racial nas universidades públicas deste país, abriu-se uma esfera de reconhecimento pelas injustiças cometidas contra os negros. Não que a desigualdade tenha sido suprimida por completo, mas aquela era uma abertura essencial para a inclusão de muitos jovens ...

    Leia mais

    Por que a elite brasileira é burra?

    A elite brasileira é burra. Não soa bem o adjetivo sem a posterior explicação: é burra porque jamais se preocupou com a condição do país, mas sim com a manutenção do status quo, a centralização de seu poder, de suas riquezas e de sua influência. A elite brasileira jamais derramou uma gotícula do seu valioso suor com as questões políticas desta terra, afinal, todos os problemas do Brasil foram sempre endereçados aos pobres, à classe trabalhadora. A elite brasileira conserva traços tão burgueses e vazios ideologicamente que permaneceram no ostracismo de sua acomodação perene até ser fustigada pela notícia de que um ex-metalúrgico tinha se tornado presidente da República. Odioso sempre foi o sentimento desta classe em relação aos governos petistas. Afinal, é impossível se acostumar com gente nova nos aeroportos, nas universidades, nos corredores dos shoppings e nos salões nobres dos museus. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés A ...

    Leia mais

    Dos fatos incomentáveis à lista de Janot

    Não precisa ser analista político para perceber que político – e ponderado nas decisões tomadas – foi o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot. Estava em suas mãos uma bomba relógio que poderia desarticular o cenário político estabelecido pelo próprio judiciário e pela imprensa brasileira. Sobre este cenário, não preciso reafirmar minha posição; os fatos são a pura representação das forças existentes que se repelem, do antagonismo, das ideologias contrárias e da guerra midiática que deflagra um mal aqui e acoberta outro ali. A presença de Antônio Anastasia (PSDB-MG) nesta lista e o rechaço das investigações sobre Aécio Neves e a famosa lista de Furnas é um rastilho tênue do envolvimento dos partidos de oposição nos escândalos de corrupção. Como eu disse, um rastilho tênue, apagado quase sempre pela mídia e, sobretudo pela própria justiça. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés A justiça brasileira poderia se interessar sobre este esquema ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist