Confissões de um cotista

Desde que o Brasil é Brasil – e a construção histórica deste país não faz jus à verdade – os negros foram colocados à margem da sociedade. Porque é mentira quando dizem que não existe mais racismo. O racismo está estampado nas mais banais ações da publicidade; está escancarado no discurso hegemônico que sempre encontra espaço para afastar o negro de seu orgulho; está mascarado nas ‘boas’ ações dos programas sensacionalistas da TV. E poderia recordar muitos outros equívocos da sociedade quando o assunto é refutar a dignidade de alguém por causa da sua cor.

por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés

Quando as cotas se firmaram como políticas de igualdade e afirmação racial nas universidades públicas deste país, abriu-se uma esfera de reconhecimento pelas injustiças cometidas contra os negros. Não que a desigualdade tenha sido suprimida por completo, mas aquela era uma abertura essencial para a inclusão de muitos jovens entre os universitários deste país. A palavra universitário tem um valor simbólico para qualquer estudante, especialmente quando este é dedicado ao conhecimento e a um futuro promissor. Ou quando ele, diante de todas as dificuldades sociais, consegue pisar em solo acadêmico.

O cotista deve conhecer a história. Deve reconhecer as razões pelas quais as políticas de inclusão têm sido estabelecidas neste país. E elas significam uma porta aberta para quem um dia sonhou em ocupar as fileiras de uma universidade. Os cotistas e mesmo os não cotistas deveriam saber, por exemplo, que em 1968 o General Costa e Silva promulgou, através de decreto, a Lei do Boi que concedia bolsas a filhos de fazendeiros nas escolas médias e superiores de agricultura. Era uma bolsa para os menos necessitados, assim como outros grandes descabimentos forjados com a intenção era privilegiar quem sempre foi privilegiado.

As ações afirmativas são muitas vezes criticadas. Fala-se em assistencialismo. Em outras palavras, criticam as cotas assim como um dia criticaram a Bolsa Família e o Fome Zero. Criticam pelo desejo incondicional de rechaçar as políticas do governo. O Brasil construído ao suor dos mais simples, sempre foi um senhor hegemônico. Os críticos da política de cotas deveriam antes ouvir os estudantes que saíram das margens da sociedade para o espaço agregador do conhecimento. Deveriam antes analisar as chances e as perspectivas de um jovem que reconheceu, por fim, seu lugar na sociedade.

O conhecimento é um traço tão perfeito da noção humana que permite a todos a absorção das informações, dos dados, do mundo. O fato de ser cotista não confere ao estudante mais ou menos inteligência. Mas comprova que ele tem, em sua compreensão, algo muito mais valoroso que é o conhecimento da sociedade por sua face vil e excludente. O cotista, por natureza, revive a sociologia da exclusão. Sabe de fato o que existe entre a universidade e a casa onde mora: um caminho sinuoso de incertezas e promessas malfadadas.

Cotistas graças a Deus: diriam os mais orgulhosos. Não há orgulho maior, no entanto, do que alcançar novos títulos, novos conhecimentos, novas posições sociais a partir de uma chance. E que todo estudante seja incentivado a agarra-se às chances que tem. O reconhecimento aos negros, ainda que restrito, abre espaço para a construção de um Brasil que não ignora sua história; que não ignora seus reais edificadores; que reconheça no jovem pobre ingresso na universidade um ponto de luz para a escuridão periférica da sociedade brasileira.

Mailson Ramos é Relações Públicas, criador e administrador dos sites Opinião & Contexto e Nossa Política.

 

Leia também:

+ sobre o tema

Shopping barra jovens da periferia, mas libera ‘rolezinho’ de alunos da USP

Sem repressão ou proibição, estudantes de Economia da...

USP pede cancelamento de audiência sobre cotas, dizem ONGs

Encontro com entidades do movimento negro estava marcada para...

Carolina Maria de Jesus seria premiada?

Divulgado o resultado do concurso de literatura promovido pelo...

para lembrar

Racismo Estrutural – entenda o que significa

Racismo Estrutural no Brasil não é à toa. O...

Uruguai: Marcharon contra el racismo y, en especial, por el nigeriano golpeado

Discriminación. Unas 50 personas de organizaciones afro pidieron Justicia...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=