Retratos de uma manifestação antidemocrática

Nada de novo na frente ocidental. Diria o título do livro de Erich Maria Remarque. Diria eu sobre a condição das manifestações do domingo. Nada de novo além do tragicômico analfabetismo político, da insensibilidade quase brutal, do desrespeito às instituições democráticas desta nação. Pois os manifestantes que vestiram a camisa da seleção brasileira de futebol e pintaram os rostos de verde e amarelo, em vez de amplificar uma discussão positiva acerca do combate à corrupção, denotaram uma assombrosa conclusão: são eles os responsáveis pela chama acesa do golpismo quando pedem por intervenção militar; são eles que se acercam de falsos ideais democráticos, mas colocam na mão uma bandeira com a suástica; são eles capazes de gerar ódio ao dependurar sobre uma ponte bonecos enforcados representando Dilma e Lula.

Por MAILSON RAMOS via Guest Post para o Portal Geledés 

Não importa para a minha análises o número de manifestantes. O discurso antidemocrático deles causa asco independente da quantidade. Podiam ser dez ou vinte. O prejuízo da mensagem contra a democracia é sempre o mesmo. A intenção não é generalizar, mas quem saiu de casa para acompanhar este desfile não cívico, misturou-se com uma turba de ideologia odienta capaz até de estourar bomba em sede de partido político. Isso é muito grave. Não basta apenas definir as características destes manifestantes numa análise verdadeira que não os poupará de serem duramente criticados. Parece ser momento oportuno para definir as mãos por trás das marionetes.

Os políticos do PSDB pareciam alheios às manifestações. Pareciam. Mostraram toda sua satisfação em selfies, acompanhando a marcha fúenbre da democracia. Eles, eleitos democraticamente, assumem a posição de golpistas e definem, sem ponto de retorno, suas verdadeiras intenções em toda esta história. Muito bonito é se manifestar contra a corrupção, com um discurso afiadíssimo, moral e eticamente estabelecido na razão que têm de contrapor o governo. Deveriam saber os manifestantes que no meio deles, com as mesmas palavras entoadas contra a corrupção, estavam grandes corruptores. Ilusão deste colunista que merece errata imediata: é lógico que os manifestantes sabem da Lista de Furnas, do Trensalão e do Swissleaks. Aquila non capit muscas (Uma águia não caça moscas).

Os pequenos riachos de gente, minando dos bairros mais nobres das capitais, formaram lagoas em amarelo. Mas não eram qualquer logoa. Eram na verdade lagos estabelecidos sobre o solo de Copacabana, Boa Viagem, Barra e Avenida Paulista. Há de se perceber nas fotos a ausência de um negro. Em Salvador, a mais africana das capitais brasileiras, não se viu um simples descamisado entre os manifestantes. É que nos outros bairros, em vez de se desgastar na histeria coletiva, as pessoas bebiam uma cerveja e faziam aquele velho e tradicional churrasco. Na verdade, o que resta desta análise sobre a ausência de negos nas manifestações é a obviedade da natureza sectária do discurso: ali só protestava a elite, ou talvez, aqueles que estão descontentes com o governo e amassam panelas Le Creuset, famintos enquanto regurgitam a comida. Não havia pauta e nem discussão de políticas sociais. O que faríamos nós, negos e suburbanos, num movimento puramente aristocrático?

A TV Globo deu cobertura total a este dia nefasto na história de nossa República. Não há razão para pensar o contrário: a emissora da família Marinho revelou, sem máscaras, a quem serve. O discurso mentiroso do jornalismo sério não vai mais ludibriar as pessoas. A hashtag #GloboGolpista, às vésperas do domingo, provou à TV Globo que as mídias sociais são um sapo difícil de engolir. Não se define mais um golpe nas alcovas da imprensa; Brasília não é vigiada apenas pelos jornalistas e suas redações. Não é mais um meio de comunicação o responsável por direcionar a opinião pública. Aliás, com o advento destas tecnologias, o conceito de opinião pública é cada vez mais rarefeito. E a posição da TV Globo demonstra que o povo não pode ser responsável pelas decisões, nem mesmo as democráticas, nem mesmo as eleitorais.

Jornalistas da CartaCapital foram hostilizados por manifestantes e ridicularizados sobre um carro de som, em São Paulo. De Saturno já deve ter se ouvido a balela de que o governo não respeita a liberdade de imprensa e quer destruir a imprensa com a Ley de Medios. Este mesmos manifestantes que se fazem respeitosos com a liberdade são capazes de achincalhar um profissional em pleno exercício de sua função. São estes que penduram dois bonecos enforcados e pedem intervenção militar já. Retratos de uma manifestação ílegítima; porque assim se deslegitima o tempo inteiro.

Mailson Ramos é Relações Públicas e escritor, criador e administrador dos sites Opinião & Contexto e Nossa Política.

+ sobre o tema

Tribunais são enviesados contra mulheres e negros e não fazem justiça, diz advogada da OAB

Os Tribunais de Justiça são enviesados e, por isso,...

Em 2025 comemoraremos as mudanças que começam aqui e agora

Em 2025 comemoraremos a primeira década de significativa redução...

O silêncio da mídia diante da denúncia de golpe do fotógrafo brasileiro ganhador do Pulitzer

Dez dias atrás, o fotógrafo Mauricio Lima foi festejado pelos grandes meios...

para lembrar

A reforma ministerial e os negros

O silêncio de chumbo dos diversos segmentos do Movimento...

A mezzo soprano Josy Santos, é uma das artistas do 4º festival Música em Trancoso

A mezzo soprano Josy Santos, uma das grandes artistas do...

Meninos da Fundação Casa de Sorocaba tentam reescrever a própria história

Arthur de Sousa, 17 anos, tem o desejo de...

Sobre imagens intoleráveis: o episódio Verônica Bolina

A veiculação exaustiva, nas redes sociais, do corpo trucidado...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial  e  não punição, como nos recentes casos de abuso de poder...

Em 2022, apoiem escritores negros… mas apoiem de verdade!

Antes mesmo de me lançar oficialmente como escritora, eu já consumia e divulgava o trabalho de autoras e autores negros. Hoje em dia, com...

Arrimo

Arrimo. Repete essa palavra, experimenta as silabas saindo uma a uma da sua boca (AR-RIMO). Sente a sonoridade. ARRIMO, que palavra esquisita é essa...
-+=