quinta-feira, maio 28, 2020

    Tag: máscara

    Plano de Aula: A arte africana e suas influencias

    Plano de Aula: A arte africana e suas influencias

    TEMA: A arte africana e suas influências JUSTIFICATIVA: A arte africana e suas influencias. A cultura africana oferece elementos relacionados a todas as áreas do conhecimento onde será trabalhado em todas as séries do ensino fundamental e Médio. O Ensino da História sempre privilegiou as civilizações que vieram em torno do Mar Mediterrâneo. O Egito estava entre elas, mas raramente, relacionadas a África, tanto que, junto com os outros países do Norte do Continente, pertence a chamada África Branca, termo usado que despreza os povos negros que ali viveram antes das invasões dos persas, gregos e romanos. O Continente Africano era dividido em Reinos antes da chegada dos Europeus. O Reino do Congo era dividido em aldeias familiares, distritos e províncias, e todos os governadores eram conselheiros do rei. Esses são comparados com o modo de vida do negro em nosso país, na época da escravidão, nos quilombos e nos dias ...

    Leia mais
    blank

    O Poder das Grandes Mães – Gelede

    Mascara Gelede Entre os iorubás, o poder feminino é sintetizado por um termo coletivo, Awon Iyá wa, “nossas mães”, que são particularmente homenageadas na ocasião do festival Gęlędę realizado entre março e maio, antes do começo das chuvas.  O objetivo do Gęlędę é precisamente aplacar as terríveis mães ancestrais para que a fecundidade dos campos se possa processar.  As cantigas evocam de maneira não equívoca as características que fazem das Grandes Mães, designadas ainda mais diretamente pela forma singular Iya mi, “minha mãe”, as donas de tão poderoso axé: "Mãe destruidora, hoje te glorifico: O velho pássaro não se aqueceu no fogo. O pássaro doente não se aqueceu ao sol. Algo secreto foi escondido na casa da Mãe... Honras a minha Mãe! Mãe cuja vagina atemoriza a todos. Mães cujos pêlos púbicos se enroscam em nós. Mãe que arma uma cilada, arma uma cilada. Mãe que ...

    Leia mais
    blank

    A representação das Máscaras Gelede

    "Os olhos que contemplaram Gęlędę viram o espetáculo máximo. Ojú to ba ri Gęlędę ti de òpin ìron." As máscaras consistem de uma cabeça que representa um ser humano ou um animal, às vezes com uma superestrutura.  Tal estrutura ou amplifica um tema presente no segmento mais baixo ou, mais frequentemente, desenvolve um tema diferente.  Algumas superestruturas se apóiam diretamente na cabeça ou no penteado da máscara, outras se apóiam em plataformas retangulares ou circulares que se projetam para os lados ou se erguem acima da cabeça.  Na tradição yórubà (e africana) as máscaras são esculpidas num único bloco de madeira.  Algumas retratam humanos, animais e objetos. (...)  Embora existam poucas variantes no formato da máscara Gęlędę, seu imaginário não conhece limites.  Literalmente tudo o que existe sob o sol, isto é, pertencente ao reino das “donas do mundo”, inspira os criadores destas máscaras.  Elas, ao representarem yorùbás e aqueles ...

    Leia mais
    blank

    Máscaras masculinas de Ọrọ Ęfę – Gelede

    As máscaras masculinas e seus portadores, que cantam, são fundamentais na cerimônia de Ęfę , não somente porque suas cantigas contêm e transmitem força, mas também pelo fato de serem visualmente realçadas por ricas máscaras e trajes. Tais máscaras... (...) transmitem imagens masculinas de poder físico e espiritual, de status e de liderança sagrada. Através delas, dos trajes e dos movimentos, elas também refletem a influência histórica e cultural do Islã. Menos óbvias, mas sempre presentes, são as referências oblíquas às mães onipotentes. (...) Apesar das variações quanto à forma e iconografia desses mascarados masculinos que cantam, certos temas recorrem em quase todos eles. Um dos temas mais dominantes é a masculinidade, que se expressa numa ação abertamente agressiva, força física e coragem, projetada nas persistentes imagens de caçadores, guerreiros e referências a Ogum: barbas, espingardas, facas, facões, amuletos, folhas de palmeira e tornozeleiras de ferro com chocalhos. A cor ...

    Leia mais
    blank

    Máscaras noturnas das mães – Gelede

    As imagens sagradas que surgem imediatamente após as máscaras de abertura expressam os aspectos temíveis das mães. Representam a essência de Gęlędę e constituem, conforme explicam os informantes, o próprio "alicerce" (ìpilęsę) da sociedade. Tais máscaras possuem duas formas distintas, porém conceitual e funcionalmente relacionadas. Dramatizam o lado espiritual da feminilidade em dois de seus aspectos - uma mulher barbada, frequentemente denominada a Grande Mãe (Iyanla) e o Pássaro Espírito (Ęyę Ọrọ). A simplicidade, a audácia do motivo e a grande escala distinguem a máscara da Grande Mãe. Ela possui duas partes: a cabeça e um comprido prolongamento abaixo do queixo. (...) A cabeça é hemisférica para poder se encaixar na parte superior da cabeça e da testa do dançarino. Os traços são fortes, pesados, claramente definidos. Olhos protuberantes dominam frequentemente o rosto, as cabeças são raspadas ou simplesmente indicam a repartição dos cabelos, uma variedade de estilos de penteados ...

    Leia mais
    blank

    Máscaras da Noite de ĘFĘ – Gelede

    Além da eficácia das palavras, o espetáculo Ęfę é uma exibição de máscaras e trajes imensamente diversificados. Tamanha diversidade sugere uma certa antiguidade e ilustra toda uma gama de imagens criativas destinadas a apaziguar e entreter os "deuses da sociedade" em todo o oeste da Iorubalândia. Ao mesmo tempo, inúmeros temas persistem e relembram a origem mítica de Gęlędę.

    Leia mais
    blank

    Mascaradas de encerramento – Gelede

    Assim como as mascaradas introdutórias trazem o festival ao mundo, outras mascaradas marcam a conclusão da noite de Ęfę e a transição do segmento noturno ao segmento diurno do espetáculo. A conclusão da noite de Ęfę em Ketu, Anago e das regiões setentrionais de Ęgbado é marcada pela aparição de um tipo diferente de mascarado, um dançarino numa perna-de-pau muito alta, vestido com volumoso traje de ráfia e uma máscara esculpida em forma de hiena, denominada koriko, ikoko ou ayoko (Beier 1958: 14; Huet 1978: pl. 85; Bernolles 1973: 23). O dançarino segura, em ambas as mãos, longos bastões de madeira, usando-os para equilibrar-se e para fazer gestos ameaçadores, que complementam a mandíbula escancarada da hiena, repleta de dentes. (...)Em outras localidades, a hiena pode ser acompanhada ou substituída por outra máscara, semelhante quanto ao conceito a algumas máscaras introdutórias, aquelas que representam Exu/Elegba. Nas vizinhanças de Ketu, um mascarado ...

    Leia mais
    Uma sacerdotisa da divindade Are é acompanhada por um mascarado que a honra retratando seu papel ritual. Ilaro, 1978.

    Mascarados que cantam – Gelede

    Os acompanhantes Assim como as máscaras preliminares preparam o caminho para a aparição das mães sagradas, acompanhantes mascarados cantam e dançam para anunciar a iminente chegada do principal personagem, Ọrọ Ęfę. Os personagens importantes raramente aparecem em público sem seu séquito e Ọrọ Ęfę não constitui exceção, sobretudo porque seu desempenho é uma missão perigosa, que exige procedimentos e propiciações apropriadas, para assegurar sua segurança e a bem sucedida realização de sua tarefa ritual. Em muitas regiões, um mascarado que canta precede imediatamente Ọrọ Ęfę . Consideradas subordinadas a Ọrọ Ęfę , as máscaras usadas assumem diferentes formas. Entre os povos iorubá de Ketu, o mascarado acompanhante de Ọrọ Ęfę , o qual entra cantando, é denominado Tètèdé, literalmente "Aquela-Que-Vem-Antes", nome que se dá ao primeiro gêmeo que nasce, se for do sexo feminino. Considerada a caçula, ela vem experimentar o mundo para seu irmão (Moulero 1971). Outros definem Tètèdé ...

    Leia mais
    blank

    Mascaradas de abertura – Gelede

    Em muitos locais as cerimônias de abertura de Ęfę incluem elaborados programas de máscaras. Uma delas é a de Ogbagba, que, segundo se diz, representa Exú/Elegba, o divino mediador, cuja vestimenta se reporta aos reinos da cultura e da natureza - tecidos e folhas. Em algumas instâncias, Ogbagba assume duas formas. Sua aparição inicial é como a de "um jovem rapaz com gorro branco e saia de ráfia", quando as pessoas cantam: "Chega Exu, com folhas claras" (Beier, 1958: 9). Mais tarde, Ogbagba aparece como um adulto, usando folhas de bananeira e tornozeleiras de ferro. A combinação do gorro branco e da saia de ráfia, a transformação de jovem em adulto, os trajes de folhas, que serão jogadas no monturo, na periferia da localidade, apreendem a liminaridade e a imprevisibilidade de Exú/Élégba. Outro tipo de máscara é a de Arabi Ajigbalę, "Aquele-que-Varre-toda-Manhã",completamente coberto de fibra de ráfia e panos, com ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist