segunda-feira, setembro 21, 2020

    Tag: Violência contra Mulher

    Sala de aula. Foto: Freeimages

    Projeto de Lei quer levar prevenção de violência contra mulher para o currículo escolar

    Está em tramitação na Câmara dos Deputados um Projeto de Lei que visa alterar a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e incluir na grade curricular o tema de prevenção à violência contra a mulher nas salas de aulas. Em Alagoas, por exemplo, a Secretaria Estadual da Mulher e dos Direitos Humanos já leva aos alunos e professores o Projeto Maria da Penha nas Escolas, com o objetivo de divulgar essa questão, e incentivar sobre a denúncia. Por Gilca Cinara e Cristovão Santos, do Cada Minuto Sala de aula. Foto: Freeimages Na avaliação da Superintendente de Políticas para as Mulheres, Dilma Pinheiro, o PL proposto pelo deputado Fábio Henrique (PDT/SE), é grande importância já que assim poderá atingir um universo ainda maior dentro das escolas. “As alunas já na sala de aula, elas começam a ter os primeiros relacionamentos, e trabalhamos com elas sobre ...

    Leia mais
    Escritora Cidinha da Silva (Foto: Elaine Campos)

    Sobre o feminicida Bruno e seus defensores

    Liguei o computador para iniciar o dia de trabalho e seguindo a rotina dei uma olhada nas redes sociais para medir a temperatura do noticiário. Passei por um daqueles textos, não propriamente provocativos, no sentido de remexer um tema de maneira a nos chamar para ele, mas, sim, um daqueles textos declaratórios e pirotécnicos, cheios de acusações e orientações messiânicas de como proceder em relação à determinada questão. Por Cidinha da Silva, no Medium Escritora Cidinha da Silva (Foto: Elaine Campos) Tratava-se de uma coisa bizarra escrita por um homem negro que via alguma possibilidade de defesa do feminicida Bruno (ex-goleiro do Flamengo), assassino de Eliza Samúdio. O texto criticava as mulheres pretas que vibravam com as limitações de trabalho impostas ao feminicida por conta de seu ato. Fazia também comparações torpes com outros casos nos quais as tais mulheres pretas não se manifestavam igualmente. Concluía que ...

    Leia mais
    Meninas são mortas no Ceará por decretos feitos por facções criminosas no Facebook (Foto: Per-Anders Pettersson/Getty Images)

    Meninas no Ceará são mortas por decretos de facções nas redes sociais

    O feminicídio atinge jovens do sexo feminino de 12 a 19 anos e o assassinato visa retirar os símbolos de feminilidade como os cabelos e os seios Na Marie Claire Meninas são mortas no Ceará por decretos feitos por facções criminosas no Facebook (Foto: Per-Anders Pettersson/Getty Images) Um cenário brutal tem tomado conta das regiões periféricas de Fortaleza, capital do Ceará: jovens entre 12 e 19 anos têm sido mortas por decretos de facções criminosas que deixam o aviso em redes sociais como o Facebook. Na guerra pelo poder do tráfico, a medida é para executar "cabuetas", como são chamados os delatores na gíria local. De acordo com informações da Folha de São Paulo, as meninas recebem o nome de "decretadas" e "devem ser mortas após a determinação da facção criminosa". A jovem Luiza, de 15 anos, por exemplo, foi acusada de ser informante da facção ...

    Leia mais
    Foto: Montagem/Reprodução

    Apresentadora da TV Bahia bomba nas redes: “Podemos tolerar que o feminicida Bruno volte à posição de ídolo?”

    Ela comentou possível contratação do goleiro pelo Fluminense de Feira Na Revista Fórum Foto: Montagem/Reprodução/Imagem retirada do site Revista Fórum A jornalista Jéssica Senra, da TV Bahia, afiliada da Globo no estado, bombou nas redes sociais, após fazer comentário no jornal Bahia Meio Dia, desta segunda-feira (6), com críticas à possibilidade de contratação do goleiro Bruno pelo Fluminense de Feira de Santana. A apresentadora @jessicasenra fez uma importante reflexão sobre a possível contratação do goleiro Bruno por parte do Fluminense de Feira, confiram! pic.twitter.com/2DhHGRoFir — Torcida LGBTricolor (@lgbtricolor) January 7, 2020 “Desejamos e precisamos que pessoas que cometem crimes tenham a possibilidade de refazer suas vidas, mas diante de um crime tão bárbaro, tão cruel, poderíamos tolerar que o feminicida Bruno voltasse à posição de ídolo? Que mensagem mandaríamos à sociedade? Atletas são referências. Contratar para um time de futebol um assassino, um homem que mandou ...

    Leia mais
    A presidente da Fiocruz, Nisia Trindade Lima, durante apresentação na Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), da ONU, em Nairóbi, no Quênia Foto: ALBERT GONZALEZ FARRAN / UNFPA/ALBERT GONZÁLEZ FARRAN/12-11-19

    ONU quer acabar com mortalidade materna e violência contra mulheres até 2030

    Participantes de conferência no Quênia se comprometem a investir US$ 8 bilhões para atacar problemas de igualdade de gênero e de direitos sexuais em 10 anos Por Roberta Salomone, do O Globo A presidente da Fiocruz, Nisia Trindade Lima, durante apresentação na Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), da ONU, em Nairóbi, no Quênia (Foto: ALBERT GONZALEZ FARRAN / UNFPA/ALBERT GONZÁLEZ FARRAN) Vinte e cinco anos atrás, representantes de 179 países se reuniram no Cairo num evento que foi considerado um divisor de águas nos debates de direitos sexuais e igualdade de gênero. O resultado da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD) foi um audacioso plano de ação, que incluía, por exemplo, uma redução considerável da mortalidade materna no mundo. Mas o tempo passou, e muitos dos compromissos estipulados ali para acontecer até 2015 continuam ainda distantes de acontecer. Para reafirmar as metas de ...

    Leia mais
    Manifestantes no bairro de Roma, na Cidade do México, reproduzem a performance "Um violador no seu caminho", que se tornou um hino internacional da nova onda de ativismo feminista Foto: Toya Sarno Jordan / The New York Times

    ‘Não foi minha culpa’: mulheres no México lutam contra a violência

    Nova geração de mulheres mexicanas foi às ruas nos últimos meses para banir a idéia de que, de alguma forma, elas provocam a violência que sofrem Por Paulina Villegas e Elisabeth Malkin, do New York Times, no Celina Manifestantes no bairro de Roma, na Cidade do México, reproduzem a performance "Um violador no seu caminho", que se tornou um hino internacional da nova onda de ativismo feminista (Foto: Toya Sarno Jordan / The New York Times) Itan Flores era uma jovem adolescente quando seu primeiro namorado a encarcerou por seis semanas em um quarto mobiliado com apenas um colchão e um rádio. Ele voltou apenas para estuprá-la, muitas vezes escondendo comida e água. Flores escapou quando o então namorado esqueceu de trancar a porta um dia. Ele disse a Flores que, se ela algum dia denunciar o que aconteceu para a polícia ou contar aos seus ...

    Leia mais
    Vítimas de feminicídio em 2019 em São Paulo — Foto: Reprodução/Arquivo pessoal

    Casos de feminicídio batem recorde em São Paulo em 2019

    Os 154 casos de janeiro a novembro de 2019 já superam todos as 134 ocorrências ao longo de 2018. 79% têm autoria conhecida e 68% ocorreram em casa. Média de idade da vítima é de 36 anos. Por Cíntia Acayaba e Léo Arcoverde, do G1 Vítimas de feminicídio em 2019 em São Paulo — Foto: Reprodução/Arquivo pessoal Os casos de feminicídio bateram recorde no estado de São Paulo em 2019, com 154 ocorrências entre janeiro e novembro, de acordo com levantamento feito pelo G1 e a GloboNews com base em boletins de ocorrência disponibilizados pela Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP). O número de casos é o maior desde o início da série histórica, em 2015, com a publicação da lei em março, que prevê penalidades mais graves para homicídios que se encaixam na definição de feminicídio, ou seja, que envolvam "violência doméstica e familiar e/ou ...

    Leia mais
    blank

    Plataforma mapeia casos de violência contra a mulher na América Latina

    A plataforma EVA também mostra a evolução dos direitos das mulheres e iniciativas de combate à violência por Isabela Alves no Jonral GNN A cada dois segundos, uma mulher é vítima de violência física ou verbal no Brasil, de acordo com o portal Relógios da Violência, do Instituto Maria da Penha. E a violência, muitas vezes, é praticada por parceiros da vítima: três em cada cinco mulheres jovens já sofreram violência em relacionamentos, segundo uma pesquisa do Instituto Avon. Com o objetivo de divulgar informações úteis para a criação e melhoria de políticas públicas voltadas à prevenção e redução da violência contra as mulheres no Brasil e em outros países da América Latina, o Instituto Igarapé criou a plataforma EVA. A ferramenta, que mapeia os casos de violência contra a mulher no Brasil, na Colômbia e no México, aponta dados detalhados, como idade das vítimas, raça e o tipo de instrumento utilizado ...

    Leia mais
    Imagem retirada do site Revista Fórum

    Jovem de 19 anos é condenada a prisão perpétua por matar homem que a estuprou

    Além do crime de estupro, filmado por ele, Randy Volar vendeu Chrystul Kizer ao tráfico sexual quando ela tinha 16 anos Da Revista Fórum Imagem retirada do site Revista Fórum A jovem americana Chrystul Kizer, de 19 anos, foi condenada a prisão perpétua pela Justiça de Wisconsin por matar Randy Volar, 33, que a estuprou múltiplas vezes e a vendeu ao tráfico sexual quando ela tinha somente 16 anos. A jovem confessou o crime e alegou legítima defesa, mas o argumento não foi aceito pelo juiz do caso. Chrystul não foi a única jovem que Volar estuprou. Ele foi preso em fevereiro de 2018 por assédio sexual contra menores, mas a polícia o liberou sem a necessidade de pagar fiança. O estuprador ficou livre por mais três meses, mesmo com diversas denúncias de abuso contra meninas negras. O assassinato de Volar aconteceu em 5 de junho ...

    Leia mais
    Jean, goleiro do São Paulo, detido nos EUA Imagem: Orange County Public Records

    ‘Suas filhas vão passar fome’: frase de Jean é típica de relação abusiva

    "Suas filhas vão passar fome." "Parabéns. Terminou com a minha carreira." Por Marcos Candido, do Universa Essas mensagens foram enviadas pelo goleiro do São Paulo, Jean Paulo Fernandes, a sua esposa, Milena Bemfica, depois de ela acusá-lo de agressão em vídeos publicados no Instagram. Desde a manhã de quarta (18), o jogador está preso na Flórida, Estados Unidos, por violência doméstica. Jogador do São Paulo enviou mensagens após acusá-lo de agressão Imagem: Reprodução/Instagram Não à toa, relacionamentos abusivos são acompanhados por frases usadas pelo agressor para pressionar, amedrontar e coagir a mulher a ficar quieta ou a manter o relacionamento amoroso. Uma das táticas é, justamente, incluir os filhos e o emprego no meio da discussão. Especialistas e mulheres listam outras frases como as de Jean que devem despertar um alerta sobre um relacionamento abusivo. "Fui demitido por sua culpa" É comum que um agressor culpe ...

    Leia mais
    O goleiro Jean, que veio do Bahia, durante treino no São Paulo - Ronny Santos - 5.fev.2018/Folhapress

    São Paulo decide rescindir com Jean, acusado de agredir esposa

    Denúncia foi feita por Milena em vídeo durante a madrugada desta quarta (18) Por João Gabriel, da Folha de S.Paulo O goleiro Jean, que veio do Bahia, durante treino no São Paulo  (Foto: Ronny Santos - 5.fev.2018/Folhapress) O São Paulo definiu que vai rescindir seu contrato com o goleiro Jean, que está preso nos Estados Unidos, acusado de ter agredido sua esposa. A decisão foi tomada em uma reunião da diretoria que totalizou mais de dez horas nesta quarta-feira (18), após o clube ficar sabendo do ocorrido pelas redes sociais e pela imprensa. O vínculo com o atleta de 24 anos tinha término previsto para dezembro de 2022. A informação foi dada pelo site Globoesporte.com e confirmada pela Folha. Em nota oficial divulgada na noite de quarta, o clube disse ter mesmo escolhido o futuro do jogador, embora não possa anunciá-lo neste momento. "O São Paulo ...

    Leia mais
    Ronny Santos - 5.fev.2018/Folhapress

    Goleiro Jean, do São Paulo, é preso nos EUA acusado de agredir a mulher

    Milena Benfica, mulher do goleiro, se trancou no banheiro do hotel na Flórida, onde estavam hospedados, para pedir ajuda pelas redes sociais. Do Jornal Nacional  Goleiro Jean (Foto: Ronny Santos - 5.fev.2018/Folhapress) O goleiro Jean, do São Paulo, está preso no estado americano da Flórida, acusado de agredir a mulher dele. “Eu estou aqui em Orlando e olha o que Jean acabou de fazer comigo. Jean acabou de me bater! Ai, meu Deus”. Milena Benfica, mulher de Jean, se trancou no banheiro do hotel na Flórida para pedir ajuda pelas redes sociais. “Gente, socorro. Minha mãe, calma, eu estou bem. Mas olha para isso, gente. Jean, goleiro do São Paulo, olha o que ele fez comigo, eu quero justiça”. Nessa hora, uma voz masculina pergunta: “Você vai fazer isso com sua filha?”. “Eu quero justiça. Olha o que ele está fazendo comigo, ele está falando aqui ...

    Leia mais
    Feminicídio — Foto: Foto: Editoria de Arte/G1

    Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato a mulheres mais que triplicam no país

    Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180, recebeu, em média, uma denúncia de feminicídio ou de tentativa de feminicídio a cada duas horas. Dados são do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Por Léo Arcoverde e Milena Teixeira, do GloboNews, no G1 Feminicídio — Foto: Foto: Editoria de Arte/G1 Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato de mulheres mais que triplicam em todo o Brasil. Dados da Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180, serviço do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, apontam que, entre janeiro e outubro deste ano, foram registradas 3.664 denúncias de feminicídio e tentativa de feminicídio em todo o país. Esse número representa um aumento de 272% na comparação com 984 relatos dessa natureza contabilizados no mesmo período de 2018. O levantamento exclusivo foi obtido pela GloboNews por meio da Lei de Acesso à ...

    Leia mais
    A pedagoga Fabbi Silva criou dois projetos: o 'Apadrinhe um Sorriso' e a 'Roda de mulheres: Apadrinhe um Sorriso' Foto: Arquivo Pessoal/Arte

    Violência doméstica na favela traz ‘impossibilidade da denúncia já que a polícia não vem até agressor’, diz pedagoga

    Ex-vítima e idealizadora de roda de conversas com mulheres, Fabbi Silva tem sua trajetória retratada no filme 'Histórias para contar', no Festival do Rio Por Constança Tastch, do O Globo A pedagoga Fabbi Silva criou dois projetos: o 'Apadrinhe um Sorriso' e a 'Roda de mulheres: Apadrinhe um Sorriso' Foto: Arquivo Pessoal/Arte Numa comunidade em que a polícia não chega, embora a violência seja diária, há pouca empatia do sistema de saúde, e as mulheres não têm oportunidade de estudar ou trabalhar, oferecer alguma perspectiva para vítimas de agressão doméstica é um desafio. A pedagoga Fabbi Silva, 38 anos, conseguiu driblar esses desafios, e o caminho para isso foi a criação de uma rede entre as moradoras da comunidade Parque das Missões, em Duque de Caxias (RJ). Idealizadora do projeto "Roda de mulheres — Apadrinhe um Sorriso", ela mesma já havia sido vítima da violência doméstica. ...

    Leia mais
    A diretora-executiva da ONU Mulheres Phumzile Mlambo-Ngcuka - Alan Marques - 18.nov.15/Folhapress

    Estupro: um custo intolerável à sociedade

    O lar não é um lugar seguro para milhões de mulheres Por Phumzile Mlambo-Ngcuka, da Folha de São Paulo A diretora-executiva da ONU Mulheres Phumzile Mlambo-Ngcuka - Foto: Alan Marques/Folhapress Se eu pudesse ter um desejo atendido, poderia ser o fim do estupro. Isso significa que uma importante arma de guerra sairia do arsenal de conflitos, assim como a ausência de risco diário para meninas e mulheres em espaços públicos e privados. Haveria a remoção de uma afirmação violenta de poder e mudança de longo alcance para nossa sociedade. O estupro não é um ato breve e isolado. Danifica a carne e reflete na memória. Pode causar mudança de vida, com consequências que não foram escolhidas —como gravidez ou DST. Seus efeitos devastadores e duradouros atingem outras pessoas: família, amizades, parcerias e colegas. Tanto no conflito quanto na paz, ele molda as decisões das mulheres de ...

    Leia mais
    3ª Caminhada pelo Fim da Violência contra as Mulheres, organizada pelo Grupo Mulheres do Brasil, na Avenida Paulista

    Marcha pelo fim da violência contra as mulheres toma Avenida Paulista

    "Não podemos ficar quietas. Temos que nos manifestar", diz ativista Por Elaine Patricia Cruz, da Agência Brasil 3ª Caminhada pelo Fim da Violência contra as Mulheres, organizada pelo Grupo Mulheres do Brasil, na Avenida Paulista (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil) Centenas de mulheres participaram na manhã deste domingo (8), na Avenida Paulista, da terceira edição da Caminhada pelo Fim da Violência contra as Mulheres. A mobilização ocorre em mais 26 cidades brasileira e em alguma localidades do exterior. A caminhada é uma ação pelos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres e foi organizada pelo Grupo Mulheres do Brasil. As participantes da marcha reuniram-se na Praça do Ciclista, onde ocorria também a exposição ao ar livre Corpos das Penhas, que simulavam corpos de mulheres e incluíam informações como o nome da vítima, idade, número de filhos e o tipo de arma com que ...

    Leia mais
    Direito de imagemGETTY IMAGES Image caption Empresa diz que 19 pessoas foram assassinadas e 107 moreram em acidentes durante viagens nos carros da Uber

    Uber registra quase 6 mil casos de abuso sexual em dois anos nos EUA

    A companhia Uber, que opera o aplicativo mundial de transportes, registrou quase 6 mil casos de abuso sexual apenas nos Estados Unidos em 2017 e 2018. No mesmo período, 19 pessoas foram mortas e 107 perderam a vida em acidentes de trânsito durante viagens da empresa. No BBC Empresa diz que 19 pessoas foram assassinadas e 107 moreram em acidentes durante viagens nos carros da Uber (Imagem: GETTY IMAGES) As informações foram divulgadas pela própria empresa em um relatório no qual afirma que a transparência faz parte de seu compromisso para "aumentar a segurança do Uber e da indústria como um todo". O número absoluto de casos registrados de abuso sexual cresceu no ano passado em relação a 2017 (de 2.936 para 3.045), mas a proporção em relação ao total de viagens caiu 16% no mesmo período. Segundo o Uber, a redução não pode ser vista ...

    Leia mais
    blank

    Think Olga e Mapa do Acolhimento lançam bot para segurança on-line de mulheres

    Iniciativa, que tem apoio do Facebook, do Google e da ONU Mulheres, trará ferramentas para ajudar mulheres que estejam vivendo situações de violência na internet e informações para conscientização sobre segurança on-line Enviado para o Portal Geledés IsaBot/Reprodução Facebook A organização Think Olga e o Mapa do Acolhimento, projeto do Nossas.Org, lançam nesta segunda-feira (25), com apoio do Facebook, Google e da ONU Mulheres, uma bot que trará uma série conteúdos sobre segurança para mulheres, além de informações para conscientização sobre a violência de gênero na internet. A ISA.bot será lançada no contexto dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, uma campanha realizada entre 25 de novembro a 10 de dezembro, com o apoio da ONU Mulheres em todo o mundo. O nome ISA é um acrônimo, e vem das palavras "informação", "segurança" e "acolhimento". Por meio de uma experiência interativa ...

    Leia mais
    A ministra Damares Alves permanece calada durante entrevista coletiva.REPRODUÇÃO

    O teatro do silêncio da ministra Damares Alves

    Ela emudece porque é incapaz de nos oferecer segurança. Ela mesma é uma mulher subjugada ao jogo masculino do poder Por Débora Diniz, do El País A ministra Damares Alves permanece calada durante entrevista coletiva. (Reprodução/Youtube) O dia 25 de novembro devia ser de solenidade: a data é para lembrar os horrores da violência contra a mulher. A linguagem é inclusive militar — dia internacional de eliminação da violência contra a mulher. América Latina e Caribe é a região do mundo que mais agride e mata mulheres. O fenômeno é tão entranhado no patriarcado colonial que adotamos um neologismo para nomear o naturalizado pela honra masculina: feminicídio é quando uma mulher morre simplesmente porque é mulher. Mulheres e meninas morrem nas relações familiares, afetivas ou de amizade. Ministra Damares Alves conta ter sido vítima de violência de gênero. Além disso, é responsável pela pasta que define ...

    Leia mais
    PICTURE ALLIANCE VIA GETTY IMAGES "Não me diga 'feliz dia'. Lute comigo", pede placa de manifestante em Curitiba, quando do dia 8 de março de 2019, Dia Internacional da Mulher.

    Por que é equívoco pensar que a Lei do Feminicídio é solução para violência fatal contra as mulheres

    Número alto de feminicídios no Brasil escancara negligência do Estado no combate à violência contra a mulher, apontam especialistas. Por Ana Ignacio, do Huffpost PICTURE ALLIANCE VIA GETTY IMAGES"Não me diga 'feliz dia'. Lute comigo", pede placa de manifestante em Curitiba, quando do dia 8 de março de 2019, Dia Internacional da Mulher. Na semana passada, o Rio de Janeiro chegou a registrar quatro casos de feminicídio em 48 horas. Adriana Valéria, de 33 anos, foi morta pelo namorado no dia em que fazia aniversário. Jéssica da Silva Salles, de 31, foi morta ao buscar pertences na casa do ex-namorado. Sirlene Ferreira de Lacerda, de 38, foi assassinada pelo ex-namorado com um tiro na cabeça. Os casos são recorrentes e o dado não é novo: a cada cinco dias, no estado do Rio de Janeiro, uma mulher é assassinada pelo simples fato de ser mulher, segundo ...

    Leia mais
    Página 3 de 107 1 2 3 4 107

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist