Tecnologia inovadora conecta comunidades sem acesso à internet por meio de celulares simples

O sistema VOJO permite postagem em blogs e redes sociais por meio de celular básicos ou até mesmo de telefones públicos. O projeto vai  formar líderes comunitários em cinco capitais do país e Salvador vai sediar a primeira oficina.

por Instituto Mídia Étnica

Alimentar um blog ou site sem precisar de computador, tablet ou smartphone. Este é um dos objetivos do VOJO Brasil promovido pelo Instituto de Mídia Étnica (IME), com apoio da Fundação Ford, que foi lançado nesta terça, 28 de abril, às 19 horas, na Biblioteca Pública do Estado da Bahia. Além de Salvador, líderes comunitários de outras quatro capitais brasileiras (São Luís, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo) terão oportunidade de aprender a utilizar o sistema que permite postagem de conteúdo utilizando aparelhos celulares simples mesmo sem acesso à Internet.

A tecnologia, que está sendo utilizada de maneira inédita no Brasil,  foi criada por pesquisadores vinculados ao Media Lab do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT), prestigiada universidade dos Estados Unidos,  e vem possibilitando que pessoas de áreas rurais e periféricas se conectarem à rede mundial até mesmo de um telefone público. Essa é a primeira experiência na América do Sul.

Para Sasha Costanza-Chock, professor do MIT e consultor do projeto,  a presença do VOJO no Brasil vai amplificar e empoderar as vozes periféricas, mudando a história de quem vive à margem. “Nosso sonho é fortalecer a participação popular na mídia e constatar que essas pessoas serão ouvidas e respeitadas, especialmente no que diz respeito aos Direitos Humanos”, destacou. Com duração de três dias, as oficinas gratuitas abordarão o tema da tecnologia móvel, comunicação comunitária e questões envolvendo temas étnicos e raciais. A ideia é que eles se tornem aptos se tornarem repórteres cidadãos atentos ao que acontece em sua região denunciando o descaso do poder público, fazendo mobilização social e divulgando eventos promovidos pelas comunidades.

vojo07

Para o diretor executivo do Instituto Mídia Étnica, Paulo Rogério Nunes,  responsável pela adaptação da plataforma ao contexto brasileiro, oVOJO é umas das principais ferramentas para democratizar a comunicação  do mundo pois é direcionada a quem vive em áreas onde não há sinal de Internet ou que não possui recursos para comprar celulares mais sofisticados. “Com esse projeto estamos desenvolvendo uma solução para minimizar o problema da exclusão digital. Queremos que todos os brasileiros possam denunciar problemas de suas comunidades e contar suas histórias de maneira autônoma mesmo utilizando celulares que são considerados ultrapassados”, afirma. Para Luciane Neves, uma das coordenadoras do projeto, a expectativa é das melhores. “Por meio dessa formação inicial em cinco cidades acreditamos que podemos ter multiplicadores desse sistema e buscar formas de popularizar essa tecnologia em todo o país”, pontuou.

Oficina piloto

A primeira oficina-piloto do VOJO aconteceu no final de 2013 na Ilha de Maré, distrito de Salvador, localizada na Bahia de Todos-os-Santos. Jovens, marisqueiros e líderes quilombolas da região tiveram contato com a tecnologia e produziram as primeiras matérias denunciando, inclusive, ameaças de poluição ambiental provocadas por navios petroleiros.

Para Monique Evelle, coordenadora do movimento Desabafo Social e uma das selecionadas para participar da primeira oficina em Salvador, o Vojo vai facilitar a integração de 48 jovens colaboradores do Desabafo espalhados em 13 estados brasileiros. “Independente de se ter acesso à banda larga, eles vão utilizar o Vojo em suas comunidades, deixando a rede ainda mais dinâmica. Após a minha capacitação, vamos multiplicar as oficinas sobre o Vojo”, prevê.

Depois de ser lançado em Salvador, o IME vai oferecer oficinas do VOJO em São Paulo entre 21 a 23 de maio (veja abaixo a programação) e em mais três capitais. A ideia é capacitar líderes multiplicadores e difundir o sistema da maneira mais ampla possível, ampliando a visibilidade de suas demandas.

 

Programação das oficinas:

●      Salvador: 29 e 30 de abril

●      São Paulo: 21, 22 e 23 de maio

●      Rio de Janeiro: 28, 29 e 30 de maio

●      Recife: 4, 5 e 6 de junho

●      São Luís: 16, 17 e 18 de junho

+ sobre o tema

Sul-africanos protestam contra desigualdade na educação

Os protestos se multiplicam nos campi sul-africanos e assumem...

Encontro “Lendo Mulheres Negras” será com Cidinha da Silva e seu novo livro

“Encontros Literários aberto para todxs que queiram se debruçar...

Paulo Pedro Leal

Paulo Pedro Leal1894-1968 {gallery}artes/pedropaulo{/gallery} Ecos da Primeira Guerra...

Primeira edição da Ocupação Afro Futurista movimenta a Lapa

A performance cosplay de heróis negros nos corredores e...

para lembrar

“Pantera Negra” vence prêmio principal do SAG Awards

O filme "Pantera Negra" foi o vencedor da principal categoria...

Retratos do Brasil Negro

Selo Negro & Livraria Cultura Lançamento da coleção...

A rota da liberdade do negro Cosme Bento das Chagas e a Balaiada (1838-1841)

Na província do Maranhão, há 170 anos, ocorreu uma...

Aretha Franklin divulga versão para o clássico ‘I Will Survive’; ouça

Aretha Franklin divulga versão para o clássico 'I Will...
spot_imgspot_img

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...
-+=