Temos de juntar forças para mudar o perigoso rumo que o Brasil está tomando

É fortalecendo a educação e a escola que poderemos manter nosso patrimônio histórico

Daqui a três semanas, adentraremos o ano de 2022.

Mais do que nunca, temos de coletivamente juntar forças para mudar o perigoso rumo que o Brasil está tomando neste momento.

Em 2021, o IBGE nos diz que o Brasil é um país jovem, pois mais da metade da população tem entre 0 e 34 anos. E, dentre essas crianças, adolescentes e jovens, a maioria é negra (61%) e foi particularmente afetada pela pandemia e pelas políticas de derrubada de direitos e rede de proteção que presenciamos nos últimos anos.

Devemos apostar no futuro. É preciso não perder de vista que o ano de 2022, ano eleitoral, vem mobilizando articulações entre parlamentares, lideranças do Executivo e de grandes corporações, num esforço de permanecerem no poder, a qualquer custo, tomando decisões em áreas estratégicas como o ambiente, que nunca sofreu tanta devastação como nos últimos cinco anos.

São decisões que impactam diretamente a vida (ou a morte) da maior parcela do povo brasileiro, que nunca teve tantos desempregados, vivendo nas ruas, com famílias inteiras morando em praças, debaixo de pontes e viadutos, numa situação de fome e desalento desesperadora, movimento oposto ao que vivemos entre 2003 e 2014, quando 30 milhões foram tirados da pobreza.

Essas lideranças no Parlamento lutam para emplacar um “orçamento secreto” bilionário com o mínimo de transparência e possibilidades de fiscalização possível.

E é nesse cenário, através da educação enquanto bem público, que podemos incidir coletivamente barrando governos violentos que desmantelam políticas públicas como se fossem proprietários do bem concreto e simbólico que as escolas representam.

Não nos faltam dispositivos legais e orçamentários para implementar programas que visem a equidade, que fortaleçam as ações afirmativas em toda a educação básica num enfrentamento às desigualdades. Mas temos de zelar por eles, monitorar a implantação, produzir e oferecer subsídios conceituais e metodológicos para que a sociedade civil organizada possa realizar o controle social, ações que a Anansi (Observatório da Equidade Racial na Educação Básica), que está nascendo a partir de esforços de diferentes organizações da sociedade civil, se propõe a realizar a partir de 2022.

É fortalecendo a educação e a escola que poderemos manter nosso patrimônio histórico, nossos bens culturais e as balizas dos valores civilizatórios, que, embora atacados nos últimos anos, principalmente após a entrada da juventude negra nas universidades, vicejam novamente a partir das ações dos movimentos sociais e de organizações da sociedade civil.

+ sobre o tema

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Alô paulistas, Nordeste envia energia ao Sudeste

Enquanto muitos brasileiros da região Sudeste foram às ruas...

O racismo da defesa exclusivista do molde “cristão” de família – por Robson Fernando de Souza

  A família “cristã” idealizada pelo imaginário conservador: branca, com...

Honestidade intelectual faz falta para olhar a realidade

Muito já foi escrito de 2 de outubro para...

O poder da empatia revisitado

Um tema ou assunto que costumo ouvir e ver...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira (13) atos de movimentos feministas contra o projeto de lei que equipara aborto a homicídio,...
-+=