Tensões na grande mídia

A audiência pública no STF sobre ações afirmativas na universidade teve, como era de se esperar, pouca repercussão na pauta dos grandes veículos de comunicação. Na cobertura da TV Justiça, os participantes acentuavam em suas intervenções a percepção de que vivenciavam um “momento histórico”, mas a grande mídia não demonstrou o menor interesse pela história contemporânea.

Repórteres e editores da “Folha de S. Paulo” estarão participando na próxima semana, e durante todo o semestre letivo, de disciplina sobre jornalismo diário na Escola de Comunicação e Artes da USP, “os estudantes vão aprender as principais técnicas para produzir reportagens investigativas sobre empresas, governos e Judiciário” (FSP, edição de hoje, 06.03.2010, p. A12). Suponho que repórteres e editores da Folha em suas preleções didáticas não farão referência aos fatos com os quais seu veículo encontra enormes dificuldades em lidar.
A temática racial e as reivindicações do movimento negro desafiam as concepções de jornalismo vigentes entre nós, ainda quando o veículo se define como “crítico, pluralista e apartidário”. Diante do distanciamento das reportagens de fatos com a importância da audiência pública do STF, esses atributos parecem um tanto fantasiosos, ou melhor, cínicos e hipócritas.
 A Faculdade de Comunicação não poderia deixar de ouvir, por exemplo, os promotores da campanha “Afirme-se”, que se esforçam ainda para pagar anúncio a favor das ações afirmativas, divulgado em alguns jornais, entre eles a Folha, último recurso para furar bloqueio do “pluralismo” muito peculiar, que exclui sumariamente a opinião dos negros.
 Mas esta semana foi muito rica também porque permitiu que aflorassem algumas contradições e tensões. O Jornal Nacional resistiu o quanto pôde, mas no terceiro dia divulgou, a seu modo, as exposições da audiência do STF. A TV paga está exatamente neste momento (escrevo às 18 horas de sábado 6) retransmitindo o “Encontro com Hillary”, programa gravado pela GloboNews em auditório da Universidade Zumbi dos Palmares, em São Paulo, no qual a secretária de Estado dos EUA responde a perguntas de alunos e professores. O acesso é mais limitado, mas a transmissão do evento, com mediação de William Waack e Maria Beltrão, é um marco importante. No site da GloboNews está liderando “as mais vistas”.
 A propósito, a serenidade e a propriedade com que Hillary Clinton respondeu a perguntas sobre ações afirmativas na universidade deveriam constranger políticos brasileiros, que poderiam, à luz dos últimos acontecimentos, e numa conjuntura eleitoral, atualizar o discurso sobre o tema das desigualdades raciais.
 A visita de Hillary Clinton à Universidade Zumbi dos Palmares estaria vinculada, segundo pequenas notas de alguns órgãos da imprensa, à implementação do Plano de Ação Brasil-Estados Unidos pela Eliminação do Racismo, do qual pouco se sabe.
Em 2008, Condoleezza Rice, secretária de Estado no governo Bush, veio ao Brasil para assinatura do Plano de Ação. A reação da mídia brasileira foi violenta e despropositada. Comentei nesta seção a coluna de Luiz Garcia, de “O Globo” (14.03.2008, p. 7), que chamou o tratado de “meio tratante”, uma vez que no Brasil não há racismo.
 Mas nem a visita de Hillary à Universidade Zumbi dos Palmares alterou a disposição dos jornais brasileiros de manter distância da temática racial. Seria um bom momento para dar visibilidade ao Plano de Ação, esmiuçar suas reais intenções e objetivos, avaliar em que consiste exatamente sua “implementação”.
Um setor de movimento negro teve que pagar anúncio para que se pudessem conhecer suas posições em relação às ações
afirmativas; outro setor, que se articula em torno da Universidade Zumbi dos Palmares, presume-se que tenha se beneficiado de negociações com a diplomacia norte-americana e setores responsáveis pela agenda de Hillary, e pôde assim divulgar mais amplamente seus objetivos. Se é, de fato, um desdobramento do Plano de Ação pela Eliminação do Racismo, algumas resistências foram vencidas no Sistema Globo de Comunicação. O Plano já não é mais ‘meio tratante’, é isso mesmo? Já se pode falar de racismo no Brasil?
Fonte: Jornal Irohin

+ sobre o tema

Diversidade e inclusão no pós-pandemia

O tema da diversidade e inclusão, e a sua importância,...

Contratados e conveniados com o SUS vendem serviços ao SUS

A “compra de serviços de atenção à saúde” no...

SP: Justiça proíbe prefeitura de perguntar se aprovado em concurso tem HIV

O Tribunal de Justiça de São Paulo alegou discriminação...

SEPPIR é premiada em concurso de inovação na gestão pública federal

Projeto de Integração de Dados do Programa Brasil Quilombola...

para lembrar

Amor (e ódio) na era digital

Como a web e as redes sociais mudaram a...

Direitos Humanos e Justiça Criminal – Enfrentando a Prisão Provisória e o Encarceramento em Massa no Brasil

APRESENTAÇÃO O Fundo Brasil de Direitos Humanos, a Fundação Oak...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=