Torcida do Brasil de Pelotas expulsa homem por exibir tatuagens com símbolos nazistas

Enviado por / FonteO Globo

Torcedor tinha gravado na pele uma Cruz de Ferro e os dizeres Mein Kampf, título de livro de Adolf Hitler

Um torcedor do Brasil de Pelotas foi expulso da partida contra o Novo Hamburgo, que aconteceu neste domingo, pelo Campeonato Gaúcho, por ter em seu corpo tatuadas imagens que remetem ao nazismo: uma Cruz de Ferro e os dizeres “Mein Kampf”, título em alemão do livro “Minha Luta”, de Adolf Hitler.  Imagens do homem durante o jogo no estádio Bento Freitas, em Pelotas, circularam na tarde desta segunda-feira nas redes sociais.

Segundo a assessoria de imprensa do clube, o homem foi expulso da arquibancada por ação dos demais torcedores, que se revoltaram com as tatuagens. Após ser confrontado pelos pessoas no entorno, o homem precisou ser escoltado para fora do local pela segurança do estádio.  O clube disse não saber a identidade do homem.

Ex-candidata à vice-presidência em 2018 e à prefeitura de Porto Alegre em 2020, Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) compartilhou a gravação do homem em suas redes sociais. “Parabéns à torcida do Brasil de Pelotas por ter expulsado o homem com tatuagens neonazistas da arquibancada no jogo de ontem. Não podemos tolerar que manifestações como essa sejam toleradas!”, escreveu.

A deputada estadual Luciana Genro (PSOL-RS) também elogiou a postura da torcida do Brasil de Pelotas: “Parabéns à torcida do Brasil de Pelotas por expulsar do estádio este homem com tatuagens nazistas (cruz de ferro e Mein Kampf). Com fascistas e nazistas não tem conversa. Não passarão!”, publicou a ex-candidata à Presidência do Brasil em 2014.

A deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL-RS) também comentou o episódio: “Derrotar a extrema-direita racista é parte central da nossa luta! Nenhuma trégua pra quem faz apologia ao Nazismo! Isso é crime!”, escreveu no Twitter.

Por meio de suas redes sociais, o clube publicou uma nota sobre o episódio: “Graças a gerações de xavantes que ao longo de 110 anos nos trouxeram até aqui, o Brasil tem na própria história um instrumento contra qualquer discurso ou ato de discriminação. O amor aos muitos que somos é parte da beleza do clube. É por essa consciência histórica que aqueles que se sentem representados pelos discursos de ódio, infelizmente cada vez mais comuns, são e sempre serão repelidos da Baixada. Quem diz isso não é só o clube, como instituição. É a nossa torcida, que sabe reconhecer ao longe quem não tem dignidade para se dizer Xavante”.

A partida da primeira fase do Campeonato Gaúcho entre o Brasil de Pelotas e o Novo Hamburgo terminou empatada em 1 a 1.

+ sobre o tema

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

para lembrar

O racismo limita o Dia das Crianças

As expectativas de lucro do comércio aumentam com a...

Homem é preso em Manaus suspeito de matar grávida por não querer filho negro

A Polícia Civil do Amazonas prendeu em Manaus um homem apontado...
spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...
-+=