Trocar casa por trabalho doméstico: feminismo ou herança da escravidão?

Mulher causa polêmica nas redes sociais ao anunciar trabalho de babá sem remuneração em troca de alimentação e moradia

Por Debora Diniz , da Carta Capital 

O anúncio prometia “ótima oportunidade”. O título era ainda mais convidativo – “juntas somos mais fortes”.

A proposta oferecia um quarto para dormir à estudante que fosse cozinheira e faxineira. Havia ainda um rapazinho de bons modos para ser cuidado. Não haveria salário, pois a criadora da proposta foi explícita – “não posso pagar uma babá registrada”.

Na verdade, ela queria uma empregada doméstica multiuso e a saída foi oferecer escambo: muito trabalho em troca de dormida. O “juntas” era só uma nova forma de descrever o que sempre foi o quarto de empregada na casa dos patrões – um resquício da escravidão.

A idealizadora da proposta não se acanhou com as críticas; disse ser uma “proposta feminista”: maternidades compartilhadas, várias mulheres e seus filhos em uma mesma casa.

Seu sonho, inclusive, seria ir a programas de televisão para melhor se explicar e, quem sabe, transformar a ideia em iniciativa nacional.

Bem, este não era o tom do anúncio em que o convite era para mulheres com habilidades de cozinheira, faxineira e babá oferecerem seus serviços em troca de uma cama para dormir.

Se a proposta fosse mesmo feminista deveria constar os horários em que haveria rodízios nos serviços: se a estudante fosse também mãe, quem tomaria conta de seu filho para continuar os estudos? Como seria feito quando a estudante adoecesse? E os finais de semana? Há direito a visita íntima ou visitas de familiares?

Eu quero crer nas boas intenções da anunciante. Um projeto plural de maternidades pode ser interessante a um mundo em que as mulheres são chefes de família solitárias. Mas que tal iniciar com suas colegas de trabalho? Diz o anúncio que a idealizadora é uma designer paulista.

Certamente haverá mulheres de sua vizinhança, também mães sozinhas com filho, que aceitarão o projeto de convivência em troca de rodízios das atividades domésticas. Por que iniciar com alguém distante de sua classe social?

Há uma resposta, talvez inadvertida à idealizadora: porque quarto para dormir em troca de serviços domésticos é a herança colonial do Brasil.

Foi assim que as mulheres brancas e da elite se fizeram mais fortes – em troca do trabalho servil e explorado de outras mulheres negras e nordestinas.

+ sobre o tema

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira...

para lembrar

LULA: Nada mais que a verdade

Por: Pedro Lima Lula, que não entende de sociologia,...

UPPs: uma estranha forma de mediar conflitos

GABRIEL BAYARRI Polícia e Justiça tentam levar, às favelas “pacificadas”,...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público manifestar sua indignação e repúdio à decisão da Câmara dos Deputados, aprovada nesta terça-feira, 12,...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país em protesto contra o avanço, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que equipara...
-+=