TV australiana é condenada por racismo contra tribo indígena do Brasil

Em 2011, a emissora australiana Channel 7 exibiu reportagem sobre a tribo amazônica brasileira Suruwaha e, à época, classificou seus membros como “assassinos de crianças”. A matéria foi considerada racista e o canal foi condenado por provocar “uma intensa aversão e um grave desprezo contra uma pessoa ou grupo”.

De acordo com as informações da Agência Ansa, a veiculação da reportagem gerou protestos, incluindo a manifestação da entidade Survival International, que defende os direitos dos povos indígenas. Em 2012, a Autoridade de Comunicações e Mídia da Austrália (ACMA) já havia decidido sobre a condenação do Channel 7, que recorreu da decisão. Nesta semana, a Corte Federal do Austrália confirmou o julgamento.

A reportagem assinada por Paul Raffaele e Tim Noonan afirmava que, na tribo, “os bebês nascidos com defeitos congênitos ou de mãe solteira são espíritos malignos e devem ser mortos da maneira mais terrível possível”. As informações reportadas foram consideradas “inexatas”.

Em comunicado, o diretor da Survival International, Stephen Corry, disse que “os povos indígenas são acusados de barbáries desde a chegada dos primeiros colonizadores, que desse modo tentavam justificar as crueldades do imperialismo”.

 

Fonte: FNDC

+ sobre o tema

‘Família negra e feliz’ provocou reações fortes, diz diretor do Boticário

Alexandre Bouza afirma que comercial não queria discutir questão...

Lançada campanha ‘Racismo Mata!’

O Genocídio da Juventude Negra é um termo utilizado...

para lembrar

spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=