UBUNTU: Estudante baiana cria rede social colaborativa

Em tempos de redes sociais e grandes discussões em torno de políticas públicas e direitos, o coletivo Desabafo Social cria a Ubuntu, rede social colaborativa que tem foco em participação e protagonismo social.

Por Brenda Gomes, do A Tarde 

Criada no dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 de dezembro de 2015, a Ubuntu busca ampliar as discussões sobre temas relacionados aos direitos humanos através de espaços colaborativos, com pessoas, lugares e experiências diferentes, permitindo que elas ‘ocupem’ e/ou criem espaços, afim de promover ações coletivas.O próprio nome da rede social atrai o público para essa temática, já que “ubuntu” é uma expressão da língua zulo que traduzida para o português significa “eu sou porque nós somos”.

Apesar das variadas redes sociais existentes, Monique Evelle (21) fundadora do Desabafo Social, afirma que a Ubuntu, além das temáticas sociais, tem como compromisso garantir a privacidade e liberdade de expressão. “As redes mais conhecidas são literalmente controladas por poucos grupos  e não asseguram  a liberdade de pensamento e privacidade dos usuários. Além da venda dos dados dos assinantes para empresas. A Ubuntu é uma rede social  livre, para pessoas livres”, afirma.

A estudante em Humanidades com enfase em Políticas e Gestão Cultural, pela Universidade Federal da Bahia – UFBA, ainda aponta a preocupação de fazer com que a rede chegue até crianças/jovens em fase escolar. “A Ubuntu tem se tornado um verdadeiro ‘quilombo digital’. Lá é possível encontrar desde as temáticas sociais até análises sobre a história e cultura afro-brasileira, biologia e assuntos que estão atrelados aos conteúdos curriculares das escolas”, pontua Monique.

O cadastro na Ubuntu é gratuito e pode ser feito através do ubuntu.desabafosocial.com.br .

MELHORIAS

Com mais de mil e quinhentos usuários, em sua maioria negros e mulheres, a Ubuntu tem como meta a criação de um aplicativo até março, deste ano. “Acreditamos que com o aplicativo chegaremos em mais usuários e facilitaremos, ainda mais, a utilização da rede.”

Outra intensão do coletivo é encontrar parcerias para a manutenção da rede.

você sabe o que é Ubuntu?

Umuntu ngumuntu nagabantu

+ sobre o tema

Comunidade quilombola de Cairu (BA) é ameaçada por fazendeiro

Batateira, quilombo situado numa ilha no município de...

Quilombolas poderão comercializar produtos com nota fiscal

Quilombolas do estado do Espírito Santo, certificados pela Fundação...

Fundo Rotativo Solidário beneficiará empreendedores do Fórum da Economia do Negro de Fortaleza (CE)

Por: Karol Assunção   Adital – Empreendedores/as da capital cearense organizados...

para lembrar

Morre árvore de 200 anos, símbolo da cultura negra em Araxá

Lenda conta que dois escravos foram enforcados na árvore.Depois...

Ao som dos tambores africanos

Novo espaço da cultura negra em Curitiba apresenta oficinas...

Ministras buscam parcerias com estados pela igualdade racial e de gênero

  As possibilidades de parcerias e convênios entre o governo...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=