Ucraniano, negro e medalhista olímpico: “Há racismo em todo lugar”

Zhan Beleniuk nasceu junto com seu país, mal conheceu o pai, morto na guerra civil de Ruanda, foi criado pela mãe e aprendeu desde cedo a se defender do preconceito

Por Gabriele Lomba* no Globo Esporte

Zhan Beleniuk tem a idade de seu país: 25 anos. Nasceu em 1991, ano da independência da Ucrânia, antes parte da União Soviética. A mãe o criou sozinha, em Kiev. Não tem lembranças do pai, morto na guerra civil de Ruanda – era piloto da força aérea. Zhan é ucraniano, campeão mundial e, agora, medalhista de prata na luta greco-romana até 85kg. E um dos dois únicos negros da delegação na Olimpíada Rio 2016.

Zhan chorou no pódio. Lembrou da mãe, Svetlana. Enxugou o rosto, saiu de lá e foi conversar com os repórteres. Fez esforço para falar em inglês. Contou que ouviu o desabafo de outra lutadora negra, a brasileira Rafaela Silva, ouro no judô.

– Já sofri com insultos também. Há racismo em todos os lugares. Talvez só não haja nos países predominantemente negros.

A história de Zhan se mistura com a da Ucrânia. Foram tempos difíceis no início da década de 90. Até hoje mora com a mãe em um pequeno apartamento. É um típico ucraniano, exceto pela cor da pele. Desde pequeno, aprendeu a se defender de golpes de preconceito. Arrumava briga aqui e ali quando criança.

zhan_beleniuk__ap2

A mãe o botou para praticar luta, o viu ser campeão mundial e, agora, medalhista olímpico. Quer dizer…

– Ela não assiste às minhas lutas porque fica muito nervosa. Os vizinhos avisam quando as lutas terminam.

Na segunda-feira, Zhan começou ganhando, mas perdeu feio para o russo Davit Chakvetadze. Um duelo esportivo e político – Ucrânia e Rússia estão estremecidos desde que os russos invadiram a região da Crimeia, em 2014. A história de Zhan mais uma vez se mistura com a de seu país. Estendeu a mão para o vencedor depois da luta.

– Apesar de eu ter perdido, essa medalha é importante para a Ucrânia – disse.

* Colaboraram Adriano Albuquerque e Raphael Marinho

+ sobre o tema

ONU comemora 10º aniversário de plano de combate ao racismo

A Assembléia Geral das Nações Unidas (AGNU) deve organizar...

Professora chamada de “macaca” por diretora ainda sofre discriminação

Por: Suzana Vier Episódio em escola paulista chamou atenção...

76% veem racismo no Brasil, mas só 28% admitem preconceito contra negros

Pesquisa DataPoder360 mostra que 76% dos brasileiros dizem haver...

para lembrar

Rodada contra Racismo

Neste final de semana, a Confederação Brasileira de Futebol...

Olivier Rousteing: ‘A moda é racista’

Único negro à frente de uma grife de luxo,...

Tribunal de Londres processa zagueiro John Terry por racismo

LONDRES, Reino Unido — O capitão da seleção inglesa...

Procon-SP notifica shopping após mãe denunciar racismo

O Procon-SP notificou ontem o Bourbon Shopping São Paulo...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...
-+=