Uma mulher morre a cada dois minutos devido à gravidez ou ao parto, segundo agências da ONU

Novos dados mostram grandes retrocessos para a saúde materna em muitas partes do mundo, destacando grandes disparidades no acesso à saúde

A cada dois minutos, uma mulher morre durante a gravidez ou o parto, de acordo com as últimas estimativas divulgadas em um relatório das agências das Nações Unidas hoje. Esse relatório, Tendências na mortalidade materna (Trends in maternal mortality – disponível somente em inglês), revela retrocessos alarmantes para a saúde das mulheres nos últimos anos, uma vez que as mortes maternas aumentaram ou estagnaram em quase todas as regiões do mundo.

“Embora a gravidez deva ser um momento de imensa esperança e uma experiência positiva para todas as mulheres, tragicamente ainda é uma experiência chocantemente perigosa para milhões de pessoas em todo o mundo que não têm acesso a cuidados de saúde respeitosos e de alta qualidade”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). “Essas novas estatísticas revelam a necessidade urgente de se garantir que todas as mulheres e meninas tenham acesso a serviços de saúde críticos antes, durante e após o parto, e que possam exercer plenamente seus direitos reprodutivos”.

O relatório – que rastreia as mortes maternas nacional, regional e globalmente de 2000 a 2020 – mostra que houve uma estimativa de 287 mil mortes maternas em todo o mundo em 2020. Isso marca apenas uma ligeira diminuição das 309 mil mortes em 2016, quando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU entraram em vigor. Embora o relatório apresente algum progresso significativo na redução das mortes maternas entre 2000 e 2015, os avanços estancaram em grande medida, ou, em alguns casos, até retrocederam a partir desse ponto.

Em duas das oito regiões da ONU – Europa e América do Norte e América Latina e Caribe –, a taxa de mortalidade materna aumentou entre 2016 e 2020, 17% e 15%, respectivamente. Em outros lugares, a taxa estagnou. O relatório observa, no entanto, que o progresso é possível. Por exemplo, duas regiões – Austrália e Nova Zelândia e Ásia Central e Meridional – experimentaram declínios significativos (em 35% e 16%, respectivamente) em suas taxas de mortalidade materna durante o mesmo período, assim como 31 países em todo o mundo.

“Para milhões de famílias, o milagre do parto é prejudicado pela tragédia das mortes maternas”, disse a diretora executiva do UNICEF, Catherine Russell. “Nenhuma mãe deveria temer por sua vida ao trazer um bebê ao mundo, especialmente quando existem conhecimentos e ferramentas para tratar complicações comuns. A equidade na saúde oferece a todas as mães, não importa quem sejam ou onde estejam, uma chance justa de um parto seguro e um futuro saudável com sua família”.

Em números totais, as mortes maternas continuam amplamente concentradas nas partes mais pobres do mundo e em países afetados por conflitos. Em 2020, cerca de 70% de todas as mortes maternas ocorreram na África ao sul do Saara. Em nove países que enfrentam graves crises humanitárias, as taxas de mortalidade materna foram mais que o dobro da média mundial (551 mortes maternas por 100.000 nascidos vivos, em comparação com 223 globalmente).

“Este relatório fornece mais um lembrete da necessidade urgente de dobrar nosso compromisso com a saúde das mulheres e adolescentes”, disse Juan Pablo Uribe, diretor global de Saúde, Nutrição e População do Banco Mundial e diretor do Mecanismo de Financiamento Global. “Com ação imediata, mais investimentos em cuidados primários de saúde e sistemas de saúde mais fortes e resilientes, podemos salvar vidas, melhorar a saúde e o bem-estar e promover os direitos e oportunidades para mulheres e adolescentes”.

Sangramento grave, pressão alta, infecções relacionadas à gravidez, complicações de aborto inseguro e condições subjacentes que podem ser agravadas pela gravidez (como HIV/aids e malária) são as principais causas de mortes maternas. Tudo isso é amplamente evitável e tratável com acesso a cuidados de saúde respeitosos e de alta qualidade.

A atenção primária à saúde centrada na comunidade pode atender às necessidades de mulheres, crianças e adolescentes e permitir o acesso equitativo a serviços críticos, como partos assistidos e cuidados pré-natais e pós-natais, vacinação infantil, nutrição e planejamento familiar. No entanto, o subfinanciamento dos sistemas de atenção primária à saúde, a falta de profissionais de saúde treinados e a precariedade das cadeias de abastecimento de produtos médicos estão ameaçando o progresso.

Aproximadamente um terço das mulheres não faz nem quatro dos oito exames pré-natais recomendados ou recebe cuidados pós-natais essenciais, enquanto cerca de 270 milhões de mulheres não têm acesso a métodos modernos de planejamento familiar. Exercer controle sobre sua saúde reprodutiva – particularmente decisões sobre se e quando ter filhos – é fundamental para garantir que as mulheres possam planejar e espaçar a gravidez e proteger sua saúde. As desigualdades relacionadas a renda, educação, raça ou etnia aumentam ainda mais os riscos para mulheres grávidas marginalizadas, que têm menos acesso a cuidados essenciais de maternidade, mas têm maior probabilidade de apresentar problemas de saúde subjacentes durante a gravidez.

“É inaceitável que tantas mulheres continuem morrendo desnecessariamente durante a gravidez e o parto. Mais de 280 mil mortes em um único ano são inconcebíveis”, disse a diretora executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natalia Kanem. “Podemos e devemos fazer melhor investindo urgentemente em planejamento familiar e suprindo a escassez global de 900 mil parteiras para que todas as mulheres possam receber os cuidados vitais de que precisam. Temos as ferramentas, o conhecimento e os recursos para acabar com as mortes maternas evitáveis; do que precisamos agora é vontade política”.

A pandemia de covid-19 pode ter retardado ainda mais o progresso na saúde materna. Observando que a série de dados atual termina em 2020, mais dados serão necessários para mostrar os verdadeiros impactos da pandemia nas mortes maternas. No entanto, as infecções por covid-19 podem aumentar os riscos durante a gravidez, portanto, os países devem tomar medidas para garantir que as mulheres grávidas e as que planejam engravidar tenham acesso a vacinas contra a covid-19 e cuidados pré-natais eficazes.

“Reduzir a mortalidade materna continua sendo um dos desafios globais de saúde mais prementes”, disse John Wilmoth, diretor da Divisão de População do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas. “Acabar com as mortes maternas evitáveis e fornecer acesso universal a cuidados de saúde materna de qualidade requer esforços nacionais e internacionais sustentados e compromissos inabaláveis, especialmente para as populações mais vulneráveis. É nossa responsabilidade coletiva garantir que todas as mães, em todos os lugares, sobrevivam ao parto, para que elas e seus filhos e filhas possam prosperar”.

O relatório revela que o mundo deve acelerar significativamente o progresso para atingir as metas globais de redução das mortes maternas, ou então colocar em risco a vida de mais de 1 milhão de mulheres até 2030.

#####

Notas para os editores

O relatório está disponível aqui.

Dados-chave podem ser acessados aqui.

Conteúdo multimídia disponível aqui.

Sobre o relatório
O relatório foi produzido pela OMS em nome do Grupo Interinstitucional de Estimativa da Mortalidade Materna das Nações Unidas, composto pela OMS, o UNICEF, o UNFPA, o Grupo do Banco Mundial e a Divisão de População do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas. Usa dados nacionais para estimar níveis e tendências de mortalidade materna de 2000 a 2020. Os dados dessa nova publicação substituem todas as estimativas anteriores publicadas pela OMS e pelo Grupo Interinstitucional de Estimativa da Mortalidade Materna das Nações Unidas.

Sobre os dados
A meta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para mortes maternas é de uma taxa global de mortalidade materna (MMR) de menos de 70 mortes maternas por 100.000 nascidos vivos até 2030. A MMR global em 2020 foi estimada em 223 mortes maternas por 100.000 nascidos vivos, abaixo das 227 em 2015 e das 339 em 2000. Durante a era dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, de 2000 a 2015, a taxa anual global de redução foi de 2,7%, mas caiu para níveis insignificantes durante os primeiros cinco anos da era dos ODS (de 2016 a 2020).

O relatório inclui dados desagregados pelas seguintes regiões, usados para relatórios dos ODS: Ásia Central e Ásia Meridional; África ao sul do Saara; América do Norte e Europa; América Latina e Caribe; Ásia Ocidental e Norte da África; Austrália e Nova Zelândia; Ásia Oriental e Sudeste Asiático; e Oceania, excluindo Austrália e Nova Zelândia.

Uma morte materna é definida como uma morte devido a complicações relacionadas com a gravidez ou parto, ocorrendo quando uma mulher está grávida, ou dentro de seis semanas após o término da gravidez.

+ sobre o tema

Judoca de ouro, Rafaela Silva é pedida em casamento na Disney

A judoca brasileira Rafaela Silva, medalhista de ouro na Rio-2016,...

CDH fará audiência pública sobre situação da mulher negra

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) fará audiência pública...

Mulheres querem a caneta por Flávia Oliveira

Três meninas de 14 anos expulsaram do ônibus homem...

Contra agressão a Dilma, Gleisi lança movimento pela dignidade feminina

A senadora Gleisi Hoffmann (PT) reagiu "indignada" aos adesivos...

para lembrar

Feminicídio mata oito mulheres por dia no Brasil; confira relatos

Assassinato de mulheres choca famílias. Quem sobrevive, muitas vezes, tem...

Filha de brasileira e fã de Elis Regina, prefeita de Santiago propõe gestão feminista

É em bom português que a nova prefeita de Santiago,...

Pais querem filhos homens por dar menos trabalho, diz estudo

Quase metade dos americanos quer que seu primeiro filho...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=