Uylê das Pretas acontece neste sábado, às 16h, na Casa da Pólvora

Evento faz parte do 25J, mês da mulher negra, e contará com roda de diálogo, música, poesia, performance e feira preta

Do Brasil de Fato

Neste sábado (20) acontece mais um evento da programação do 25 de Julho: o Uylê das Pretas. Na sua segunda edição, o evento terá início às 14h, no complexo Casa da Pólvora, e tratá roda de diálogo, música, poesia, performance e feira preta. Segundo a organização, o Uylê das Pretas é uma ação político-cultural organizada pelos diferentes movimentos e  coletivos que pautam a questão de gênero, raça, classe e sexualidade, e que se juntam neste mês alusivo ao 25 de Julho para fomentar, estimular e produzir a visibilidade da arte e da cultura da mulher negra no estado. A atividade é uma produção da Coletiva Abayomi –  Mulheres Negras da Paraíba, Slam Parahyba e GMLB Maria Quitéria/Pb.

Com o tema: “Mulheres Negras pelo Bem Viver: Afrontando o Racismo por um Nordeste Livre,  o 25 de Julho – Dia Internacional das Mulheres Negras da América Latina e do Caribe – e Dia Nacional de Tereza de Benguela, é promovido pelo Movimento de Mulheres Negras na Paraíba, com a participação de várias organizações, gabinetes e movimentos sociais.

O evento terá abertura com uma Roda de Conversa com o tema: “Mulher Negra Interseccionalidade,  Questão de Gênero, Raça, Classe e Sexualidade”. Em seguida, vai haver a abertura da Feira Preta e início das atividades do palco, com uma Performance da atriz Fernanda Ferreira com o tema “Vidas Negras Importam”. Em seguida, começam os shows com a participação de vários grupos de cultura de rua e apresentações individuais, como o Slam das Minas/Pb; Slam Parahyba, Rafa Rasta MC, Batalha Freetyles, DjIsa Queirós, Dj AlY e espetáculos de dança, além do Mic Aberto.

Mariane Oliveira, do Slam Parahyba, fala sobre a importância do evento. “O Uyelê das Pretas é um convite para uma arte engajada. É  um encontro que se propõe a juntar aquilo que não deveria jamais ter sido separado: a Luta e sua Celebração. Festejar em dias difíceis é o que fazemos na cultura de rua. Através da arte, da fala, da Liberdade de expressão, esperamos transformar João Pessoa e o Nordeste em um lugar ainda mais colorido e diverso”, conclama a artista.

O evento tem como parcerias: a Prefeitura Municipal de João Pessoa, através da Casa da Pólvora e Fundação de Cultura – Funjope, o Governo do Estado, através da Secretaria  de Estado das Mulheres e da Diversidade Humana e Secretaria do Desenvolvimento Humano /Pb, e o Projeto Elas por Elas (PT).

Programação

14h Roda de Conversa – Mulher Negra e a questão de gênero, raça, classe e sexualidade

16h20 Abertura da Feira Preta

Abertura do Palco – Performance

Fernanda Ferreira “Vidas negras importam”

17h00 Mic Aberto

17h30 Slam Parahyba convida as Minas

19h00 Rafa Rasta Mc  e convidadas

20h00 Dj Iza Queiroz

+ sobre o tema

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante...

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Cida Bento – A mulher negra no mercado de trabalho

Sinceramente eu nunca dei para empregada domestica acho que eu...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...

Representantes da AMNB fazem reunião com ministra Luiza Bairros

Por volta do meio dia desta quinta-feira (14), as...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=