quinta-feira, setembro 16, 2021
InícioÁreas de AtuaçãoComunicaçãoVencedora do prêmio Pulitzer tem cargo vitalício negado na Universidade da Carolina...

Vencedora do prêmio Pulitzer tem cargo vitalício negado na Universidade da Carolina do Norte

Nikole Hannah-Jones, ganhadora do Prêmio Pulitzer e jornalista da revista semanal do New York Times, teve cargo vitalício negado na Universidade da Carolina do Norte (UNC) após o conselho administrativo da universidade adotar a medida incomum de desaprovar a recomendação do departamento de jornalismo.

Na quarta (19), a decisão provocou críticas de membros do corpo docente, que disseram que as duas últimas pessoas no cargo que Hannah-Jones ocupará receberam mandato vitalício depois da indicação.

No final de abril, a universidade anunciou que Hannah-Jones seria nomeada para a Cátedra Knight de Jornalismo Investigativo e Racial na Escola Hussman de Jornalismo e Mídia da UNC. Ela começará como professora em julho, enquanto continuará escrevendo para a revista do jornal. Em vez do cargo vitalício, foi oferecido a Hannah-Jones um contrato de cinco anos como professora, com uma opção de revisão.

No anúncio feito em abril, a reitora da escola de jornalismo, Susan King, disse: “Agora, uma das jornalistas investigativas mais respeitadas dos Estados Unidos estará trabalhando com nossos estudantes em projetos que farão avançar suas carreiras e iniciarão conversas de importância crítica”.

A contratação de Hannah-Jones, que fez mestrado na UNC em 2003 e ganhou uma bolsa MacArthur em 2017, provocou a reação de grupos conservadores preocupados com seu envolvimento no Projeto 1619, da revista do New York Times, que leva o nome do ano em que a escravidão começou nas colônias que se tornariam os EUA. (Hannah-Jones ganhou o Pulitzer em 2020 de comentário por seu ensaio introdutório.)

Projeto 1619 lançou um debate em curso sobre o legado da escravidão, mas enfrentou críticas de alguns historiadores sobre certas afirmações, e de conservadores que o rotularam como propaganda. O Legislativo da Carolina do Norte, controlado por republicanos, nomeia o Conselho de Governadores da universidade, que tem controle significativo sobre o conselho administrativo da instituição.

O site NC Policy Watch relatou na quarta que o conselho administrativo da UNC tinha se recusado a aprovar a inscrição de Hannah-Jones para o cargo vitalício. Uma porta-voz da universidade, Joanne Peters Denny, disse em comunicado que “detalhes dos processos de contratação de professores individuais são informação pessoal protegida”. Hannah-Jones não quis comentar. Na noite de quarta, ela escreveu no Twitter: “Não tinha entrado aqui hoje, mas acabo de ver vocês todos e agradeço muito”.

Cerca de 40 professores da escola de jornalismo assinaram uma declaração online na quarta pedindo que a decisão seja revogada, dizendo que o fracasso em conseguir a nomeação vitalícia de Hannah-Jones “modifica os parâmetros de forma injusta e viola antigas normas e processos estabelecidos”.

A declaração acrescenta: “Esse fracasso é especialmente desanimador porque ocorre apesar do apoio à indicação de Hannah-Jones para professora plena com posição vitalícia pela reitora de Hussman, o corpo docente de Hussman e a universidade”. “O histórico destacado de mais de 20 anos no jornalismo supera expectativas para um cargo vitalício como a Cadeira Knight em Jornalismo Investigativo e Racial”.

Alberto Ibarguen, presidente da Fundação Knight, disse que, embora a instituição financie o cargo da Cátedra Knight na UNC, ela não tem influência nas nomeações. O acordo pede uma indicação por cinco anos com revisão do mandato nesse período, disse ele.

“Não é nosso lugar dizer à UNC ou à UNC/Hussman quem eles devem nomear ou dar a permanência”, disse Ibarguen em um comunicado. “Entretanto, está claro para nós que Hannah-Jones está eminentemente qualificada para a indicação, e pediríamos que os administradores da Universidade da Carolina do Norte reconsiderem sua decisão dentro do cronograma de nosso acordo.”

Os editores de Hannah-Jones manifestaram apoio à jornalista. “Nikole é uma repórter investigativa notável, cujo trabalho ajudou a mudar o debate nacional sobre raça”, disse Dean Baquet, editor-executivo do New York Times. Jake Silverstein, editor da Times Magazine, defendeu enfaticamente a jornalista.

“O jornalismo de Nikole, quer ela escreva sobre segregação na escola ou história americana, sempre foi ousado, resoluto e dedicado a dizer verdades desconfortáveis que algumas pessoas não querem ouvir”, disse. “Isso nem sempre a torna popular, mas é parte do motivo pelo qual sua voz é necessária.”

 

Tradução de Luiz Roberto M. Gonçalves

RELATED ARTICLES