“Vergonha da Raça”, é quando o branco no Brasil, fala do racismo do Branco no Brasil

No próximo dia 24 de fevereiro volta ao ar,  o programa “Tá no Ar” em que brancos denunciam o racismo perpetrados por brancos. Assim nos relata o blog “Conversa Afiada”:

por Marcos Romão no MamaPress

“O Programa ‘Tá no Ar’, da TV Globo, voltará a ser exibido no próximo 24 de janeiro. Comandada pelo humorista Marcelo Adnet, a atração resolveu antecipar uma de suas esquetes na internet.

O quadro faz uma paródia dos comerciais de banco com uma crítica sobre privilégios de pessoas brancas.

No vídeo, os personagens aparecem sendo servidos por pessoas negras em diversas situações e dizem coisas como “tive acesso às melhores universidades” e “eu sempre sou bem atendido nos melhores restaurantes”.

Ainda nem está no ar, mas a direita já está reagindo, como a publicado na página de direita “Ceticismo Político”, em que acusa Adnet de insuflar o ódio e a divisão racial do Brasil, além de mandar um recado ameaçador aos negros brasileiros:

” Adnet é da elite, ao contrário das vítimas da violência que sua campanha de ódio racial vai causar”leia o artigo completo

 “Rassenschander”, ou “vergonha da raça” era o “criminoso” alemão ariano, que se envolvesse amorosamente com pessoas, que os nazistas considerassem oriundos de sub-raças. Também podia serem chamdaos de “vergonhas da raça”, os filhos e filhas dessas uniões, e quem demonstrasse compaixao ou solidariedade com judeus, negros, eslavos, sintis e romas(ciganos) e outros povos não arianos.

A nova direita européia, brasileira e americana, tem ganho as ruas e meios de comunicações e têm grandes chances, de repetirem o que acaba de acontecer nos EUA e elegerem na França, com Marie Le Pen, mais uma liderança mundial proto-facista e racista.

O clima político no Brasil não está diferente.

Movimentos parafascistas, com muita bala na agulha e apoio financeiro de partidos políticos ditos democráticos, a pretexto de defenderem escolas sem partidos e protegerem nossas crianças contra as “misturas sociais”, criam leis que censuram discussões e que limitam a liberdade na internet e nos meios de comunicaçãoes, e insuflam de ódio a população, acusando os direitos humanos e de cidadania conquistados por mulheres, negros, indígenas e lgbts, como a causa dos males do Brasil.

Defender direitos humanos virou crime na cabeça dos proto-fascistas, que de maneira sorrateira, invertem os valores morais alcançados desde o final da II Guerra Mundial, e invocam o direito de serem racistas, sexistas, homofóbico e anti-indígenas, por estarem supostamente sendo discriminados como “minoria de totalitários”. Invocam assim na democracia, o direito “igual” de opinarem e lutarem para derrubá-la.

Sabemos que não faz parte da linha da Globo, criticar o racismo dos brancos no Brasil, quando o fazem. são mais casos pontuais, excecões, numa sociedade em que para a Globo, o racismo é um problema dos negros e não dos brancos. A Globo até agora tem defendido e incentivado, mais o status quo do racismo brasileiro, do que atuado para combatê-lo.

No atual quadro político racial brasileiro, o Marcelo Adnet e sua produção têm mais é que se cuidarem, para  não serem chamados pelos racistas brancos, de “vergonhas da raça”, de brancos que cospem no prato branco que comem.

E os negros do Brasil, o que falam disso?

Desta vez, como na Abolição, vamos ficar observando esta briga de brancos, pois se esta vinheta for mesmo ao ar no dia 24, estamos curiosos sobre como o departamento jurídico da Globo irá se comportar, ao receberem acusações que geralmente só são feitas contra os negros.

 

Talvez o o Marcelo vá precisar um advogado com seu ato de moderna Princesa Isabel, pois com o ineditismo de cortar a própria carne, a princesa foi expulsa do Brasil.

O Marcelo pode ser expulso de sua própria equipe que só tem brancos, e pode haver oposição branca ao chefe dentro do grupo.

Para branco falar do racismo no Brasil, é preciso ter casca grossa, pois como postou um ativista negro no Facebook, cortar da própria carne não é fácil.

“Reconhecer privilégios é diferente de estar disposto a abrir mão deles…”

Leia também:

Ser branco é uma fonte inesgotável de privilégios sociais

25 Privilégios de que Brancos usufruem simplesmente por serem Brancos

Pessoas Brancas Falam sobre Privilégio Branco

“Branco no Brasil”: A acidez crítica de Marcelo Adnet expõe uma das maiores feridas ainda aberta do Brasil

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Jamais sofra calado. Negro!

Se você ficar calado sobre sua dor, eles o...

Repita Comigo: Racismo Reverso Não Existe

Uma das coisas mais comentadas nos últimos anos é...

Mulheres denunciam racismo em agência bancária na Barra e apontada como autora das ofensas é presa

Três mulheres registraram queixa na polícia afirmando terem sido...

Sobre futuros colecionáveis

Trabalho com tendências futuristas, tecnologia e inovação social. Muito...
spot_imgspot_img

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Brasileiras denunciam racismo em palestra, em Harvard: ‘Tem piolho nas tranças?’

Duas brasileiras relataram ter sofrido racismo em uma das palestras da Brazil Conference no último sábado, na universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Naira...
-+=