Veto Já! Contra o golpe em nossos corpos e direitos

Contra o retrocesso, o racismo, a violência e Pelo Bem

Por AMNB Enviado para o Portal Geledés

O Congresso Nacional aprovou no último dia 09 de março o Projeto de Conversão nº 25 de 2015, referente às alterações propostas na
Medida Provisória nº 696 de 2015, que trata da reforma administrativa e demonstrou mais uma vez, seu total desrespeito e descompromisso com as mulheres brasileiras.

Assistimos perplexas a retirada da expressão “incorporação da perspectiva de gênero”, das atribuições da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos, assim como, a especificação de um determinado acordo internacional datado de 1969, a Convenção Americana de Direitos Humanos, em detrimento das demais Convenções, Acordos e Tratados Internacional de Direitos Humanos que o Brasil ratificou durante as últimas cinco décadas.

O afronta do Congresso Nacional ao estado democrático de direito, a estabilidade política, aos direitos adquiridos e aos compromissos internacionais assumidos pelo País, realizado por parlamentares representantes do conservadorismo fundamentalista, e que desejam a constituição de um estado teocrático.

Nós, mulheres negras, somos afetadas drasticamente com o descaso dos órgãos e instituições públicas que não têm garantido o acesso de qualidade aos bens e serviços. Somos a maioria das afetadas pela mortalidade materna, pela violência doméstica e intrafamiliar, pelo feminicídio, além de estupros, desemprego e outras formas de violações.

Não calaremos diante desse golpe que cerceia o direito de decidir sobre nossos corpos, a liberdade de exercer a nossa sexualidade, os nossos direitos reprodutivos, o direito de estabelecermos os diferentes modelos de família, entre outros garantidos constitucionalmente.

Por isso, nós Mulheres Negras Brasileiras marchamos no novembro de 2015, em Brasília contra o Racismo, a Violência e Pelo Bem Viver e hoje dizemos NÃO ao Projeto de Lei de Conversão nº 25 de 2015 e requeremos a Presidenta Dilma Rousseff o veto no artigo que acrescentou o Pacto de São José da Costa Rica e a imediata recolocação da perspectiva de gênero nas atribuições da Secretaria de Políticas para as Mulheres.

+ sobre o tema

Não, não vou esconder meu absorvente de você

Não demorou para que eu percebesse que o melhor...

Entrevista com a ministra Luiza Bairros Sobre o Brasil que temos e o Brasil que queremos

Por: Ana Flávia Magalhães Pinto   A população branca representa cerca de...

Empreendedores criam negócios para aumentar representatividade negra na publicidade

De casting de modelos a banco de imagens, eles...

Como Jesus permite?

Como aquela mulher inteligente, melhor que eu nas exatas,...

para lembrar

Violência leva ao SUS uma mulher a cada 4 minutos

Os atendimentos a mulheres vítimas de violência sexual, física...

Mulheres negras e a dor: reflexões sobre vulnerabilidade

Pensar em como vivenciamos nossas questões psicológicas, sentimentais e...

Homem é preso em Manaus suspeito de matar grávida por não querer filho negro

A Polícia Civil do Amazonas prendeu em Manaus um homem apontado...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=