Visão racista da religião

As violências cotidianas contra as religiões de matriz africana não são resultantes da simples ignorância, nem do fanatismo de religiosos cristãos. Sua origem está na construção de uma ideologia que teve por objetivo justificar o colonialismo, o massacre de diversas nações africanas e o sequestro de milhões de pessoas para submetê-las à escravidão. Inaugura, então, a ideia de que a humanidade se divide em raças e dentre essas “raças” existiriam as superiores e as inferiores.

Por Martvs das Chagas, do Boa Informação 

Foto Leonardo Costa

O racismo — em que pese a secular luta de negros e negras e, mais recentemente, nos governos Lula e Dilma, com o desenvolvimento de ações para promover a igualdade racial — se mantém praticamente inalterado e é materializado, inclusive por agentes do próprio Estado brasileiro.

Para além das ações das instituições, todavia, o racismo está presente na nossa sociedade, determina as relações pessoais e tem as manifestações culturais como forte instrumento ao insistir na demonização dos cultos de matriz africana, buscando-se atingir o cerne da identidade afrodescendente, a religião — uma das mais importantes manifestações culturais de qualquer povo.

Nos tristes tempos em que o mundo vive, com o aumento da violência, da intolerância, da concentração de renda e da desigualdade, indivíduos que se apresentam como religiosos maximizam o senso comum de parte do povo brasileiro e, como não podem exaltar o racismo de forma explícita, elegem as religiões de matriz africana como inimigas centrais.

A consequência dessa pregação — baseada no ódio e na manipulação de medos e incertezas de pessoas extremamente empobrecidas e com baixíssima escolaridade — é a explosão de violências contra religiosos, templos, imagens e fiéis que apenas exercem o seu direito constitucional de ter e manifestar a sua fé.

O projeto de Lei 9.398 de 2017, que emenda o Código Penal no seu artigo 208, protocolado no mês de dezembro na Câmara Federal, tem por objetivo coibir essas violências, combater a discriminação estrutural/institucional, contribuir para superação do racismo, promover a igualdade racial e garantir o direito à opção religiosa, pilar fundamental de um Estado laico e de uma sociedade democrática.

Acreditamos que essa iniciativa é fundamental para garantir um direito que está sendo ameaçado. Certamente, contará com o apoio de religiosas e religiosos de matriz africana, todas as demais confissões religiosas e até mesmo os não religiosos. igualmente, dos verdadeiros cristãos; que seguem os ensinamentos de alguém que só pregou o amor e a tolerância, fez opção preferencial pelos mais pobres e mais humildes e morreu vítima da crueldade dos poderosos e da traição de um homem que igualmente batia no peito afirmando ser seu seguidor, mas o entregou aos carrascos por 30 dinheiros.

Martvs das Chagas é secretário nacional de combate ao racismo do PT; Vicente Paulo da Silva é deputado federal (PT-SP)

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

Deputada Leci Brandão homenageia lideranças religiosas no Dia de Ogum

A deputada Leci Brandão convida para o Ato Solene...

Literatura afro-brasileira: coletânea reúne 18 histórias sobre os orixás

A editora Malê lançou o livro “Contos de axé:...

MPF investiga empresa Uber após denúncia de intolerância religiosa na Baixada Fluminense

O Ministério Público Federal (MPF) abriu uma investigação nesta...
spot_imgspot_img

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...

Jornalista é vítima de injúria racial dentro de supermercado da Baixada Fluminense

O colunista Daniel Nascimento, do jornal O Dia, foi vítima de injúria racial em um supermercado de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, na última...
-+=