“Vítimas”, “macacos”, “coitadistas…”: o pessoal contra as cotas precisa mudar os argumentos

A rapper Azealia Banks deu a resposta perfeita a quem condena a implantação de cotas para negros. Em entrevista à Playboy americana de abril, disparou: “Meus fãs brancos dizem ‘por que você exige reparações por um trabalho que você nem fez?’. Bem, vocês herdaram as propriedades de seus avôs e tiveram o direito de ficar com os diamantes e pérolas das suas avós”.

por : , do DCM

Ela sintetizou um dos principais motivos  do abismo social entre brancos e negros, seja na América do Norte ou do Sul. Lacrou, como diriam os seus fãs.

Por coincidência, o depoimento da primeira rapper a ser capa da Playboy veio a público na mesma semana em que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, assinou a resolução que reserva 20 % das vagas para negros nos concursos do Conselho Nacional de Justiça e do próprio STF.

O anúncio provocou uma onda de comentários contrários, como sempre ocorre quando o assunto de cotas entra em evidência.

“Supremo terá 20% de vagas a negros. Absurdo do desgoverno socialista: regime de cotas no STF! Cor ao invés de mérito!”, disse alguém no Twitter.

“Raciocinem! Precisamos de juízes competentes e vocacionados. Isso não tem relação a tom de pele. Não às cotas raciais, AMB!”, postaram na mesma rede social.

O post da página do CNJ no Facebook com o anúncio da nova medida tornou-se o muro de lamentações dos que acreditam na falácia da igualdade racial e da meritocracia:

“A segregação começa disso, deveria dar privilégios aos pobres e não a determinadas raças…”

“Sou negra e não gosto dessa “cota para negros” acho o maior preconceito que possa existir, sempre que presto concurso não faço uso da cota faço uso da ampla concorrência. Cadê a isonomia?”

“Cotas deveriam ser direcionadas à condição econômico-financeira e não racial. Esse sistema é uma vergonha.”

Quem escreveu isso não sabe ou finge não saber que a escravidão negra vigorou por 358 anos no Brasil. Neste período cerca de 7 milhões de negros foram arrancados da África e após a abolição da escravatura foram abandonados.

É disso  que Azealia fala, de forma sucinta e direta, na entrevista.

Nesta mesma semana viralizou um vídeo em que militantes do movimento negro da USP entram em uma aula do curso de Administração para dar um informe sobre a discussão das cotas raciais na universidade.

Um dos alunos filma a situação e começa o típico discurso anticotas:

“Qual a dificuldade de entrar, estuda aí (…).Tem horário, eu quero ter aula velho, estuda e entra, velho. Estuda e entra na Universidade. Ninguém está impedindo, é só estudar e entrar na Universidade. Não precisa se vitimizar, eu só quero ter aula. (…)A USP já tem cotas e isso vai acabar abaixando a qualidade de ensino”.

Os militantes negros rechaçaram as provocações e o que era uma ação para passar uma informe se tornou um debate exaltado sobre a questão racial nas universidades.

Antes de desligar a câmera um estudante ele se despediu com o lema do perfeito idiota brasileiro: “Falou galera, eu e meu brother Lucas aqui fortalecendo o movimento: fora Dilma”.

Azealia recebeu uma avalanche de críticas após as declarações polêmicas na Playboy – entre outras, ela disse que odeia os EUA e não deveria cultuar Jesus Cristo por ser descendente de africanos escravizados.

Irônica,  pediu para que mudassem um pouco os insultos, porque já estava entediada de tanto ouvir “volte para a África”, “gueto” e “macaca”.

Fica a dica para o estudante de Administração da USP. Mandar negro estudar, dizer que estão se vitimizando ou que todos são iguais independente da cor já cansou. É um direito dele ser contra as cotas, mas ao menos poderia ser mais criativo ao defender seu ponto de vista.

Link do vídeo: https://www.facebook.com/video.php?v=855614521161603

Sobre o Autor

Marcos Sacramento, capixaba de Vitória, é jornalista. Goleiro mediano no tempo da faculdade, só piorou desde então. Orgulha-se de não saber bater pandeiro nem palmas para programas de TV ruins.

 

 

Leia Também:

“Você só pode discutir mérito entre iguais”

+ sobre o tema

Nova ordem mundial?

As consequência futuras do covid 19 são imensuráveis. Existe...

Enfrentando o racismo a partir da base: mobilização para defesa de direitos

“Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua...

“Vou te bater, seu macaco”. Garçom acusa homem de racismo na região

No começo desta semana, um caso de injúria racial...

Empresa é condenada a indenizar empregada que sofreu racismo no trabalho

Uma empresa deve zelar pela boa-fé, urbanidade e pelo respeito à...

para lembrar

Denúncias contra racismo na web sobem 34,15% em 2014

O racismo existe sim. E o fenômeno das redes...

Hoje, CBF promove “Rodada contra o Racismo”

Penútima data do Brasileirão deverá conscientizar sobre um assunto...

“O cinema e o áudio visual brasileiro é o mais racista do mundo”, afirma ator e diretor

Programa Vozes da Resistência, com Douglas Belchior, recebeu nesta...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=