‘Voltem para casa’: relatos de xenofobia inundam redes sociais após votação da Brexit

Mal tinha sido digerido o resultado do plebiscito que decidiu pela saída da Grã-Bretanha da União Europeia (UE) e começaram a pipocar nas redes sociais relatos sobre episódios racismo e xenofobia em várias cidades do país.

Do BBC

Internautas compartilharam e comentaram incidentes nos quais pessoas foram hostilizadas por causa da cor de sua pele ou de sua etnia.

Ainda não está claro se o resultado do plebiscito provocou a onda de hostilidade ou se apenas evidenciou algo que já vinha acontecendo.

_90124447_postrefracism

No Twitter, a hashtag #postrefracism, que significa ‘denuncie racismo relacionado ao plebiscito’, tinha sido usada 21 mil vezes desde a manhã de segunda-feira.

‘Faça as suas malas’

_90122199_shaziapic1

A ex-candidata a parlamentar pelo Partido Conservador Shazia Awan, que participou da campanha no País de Gales pela permanência da Grã-Bretanha na União Europeia, diz ter sentido “a diferença em como as pessoas passaram a agir” desde o momento em que a campanha se focou na questão da imigração algumas semanas antes do pleito.

Ela disse que durante a campanha conversava com uma mulher negra, quando um homem passou pelas duas e ofendeu sua interlocutora.

Pouco depois de escrever no Twitter que o premiê David Cameron – que liderou a campanha pela permanência do país na UE, se opondo a vários membros de seu próprio partido – era a “a coisa menos ruim” do Partido Conservador, recebeu uma mensagem “dizendo que eu deveria arrumar minhas malas e ir para casa”.

“E eu nasci em Caerphilly, no País de Gales”, conta ela. “Eu não gosto do que isso significa para todos nós”.

Awan afirma que o governo deveria fazer mais para lidar com as consequências do resultado do referendo, “pois uma coisa muito perigosa foi desencadeada”.

“O resultado tem legitimado o ódio racial das pessoas. Apesar deles não serem a maioria, eles são uma minoria intolerante que faz barulho e está machucando toda a comunidade”.

“Há uma falha no governo em reconhecer o que está acontecendo, e isso diz muito sobre o estado da política na Grã-Bretanha no momento”.

Poloneses

Houve também relatos de episódios de hostilidade contra a vasta comunidade polonesa no país. Em Huntingdon, foram distribuídos cartões com os dizeres “Chega de vermes poloneses” em domicílios e escolas.

Uma internauta, Kathleen Gaynor, postou cartões do tipo encontrados por sua mãe – e outras pessoas também relataram ter encontrado os mesmos.

Gaynor disse que sua mãe encontrou o cartão na porta de sua casa sob uma pedra. Seus vizinhos são poloneses e ela acredita que o cartão era dirigido a eles.

_90090131_07f7d9d8-4b8b-4573-bde4-c59ee4fd8594

Segundo Gaynor, sua mãe ficou “chocada, furiosa, não conseguia acreditar”.

A polícia de Cambridgeshire está investigando o caso e trabalhando “próximo à comunidade afetada”.

O superintendente Martin Brunning disse que “produzir e distribuir este ou outro material similar é cometer o crime de incitar ódio racial, que é punido com pena máxima de sete anos de prisão”.

“Todos os relatos de crime de ódio no país serão plenamente investigados”.

Em Londres, a polícia investiga uma pichação em um prédio da associação polonesa de Hammersmith.

O embaixador da Polônia no Reino Unido, Witold Sobkow, disse estar “chocado e profundamente preocupado com os recentes incidentes de xenofobia dirigidos contra a comunidade polonesa e outros residentes de origem estrangeira”.

O premiê David Cameron condenou os “execráveis” incidentes de crime de ódio no país. Falando perante o Parlamento, ele disse que houve casos de “abuso verbal” dirigido a minorias étnicas nas ruas, e disse que ataques do tipo têm de ser erradicados.

“Temos a responsabilidade fundamental de reunir nosso país” após o plebiscito, disse Cameron. “E não vamos aceitar crimes de ódio e ataques do tipo.”

Sinais preocupantes

Quando a internauta Sarah Childs viu publicações abusivas no Twitter, decidiu colocar o tema em evidência.

“Eu esperava que isso acontecesse porque havia muitas coisas ruins dos dois lados da campanha pelo referendo”, disse ela.

Childs é branca e britânica. Ela formou um grupo na internet com amigos descendentes de indianos e de paquistaneses. Uma página que eles criaram no último domingo – a Worrying Signs (Sinais Preocupantes) – já reúne mais de 10,5 mil membros.

“Queríamos criar um espaço para as pessoas que se sentiam inseguras”, explica Sarah. O grupo compila diversos casos e publicações com conteúdo intolerante na rede.

“Acho que é fácil para as pessoas repudiar incidentes isolados de abuso, mas é mais difícil ignorar se as experiências são reunidas em um só local”, disse.

+ sobre o tema

Itália de Prandelli é multirracial, apesar do racismo persistir no país

Por toda Europa, seleções já incorporaram imigrantes e filhos...

‘Em cada batalhão da PM tem um grupo de extermínio’. Por Tatiana Merlino

Por Tatiana Merlino Primeiro, identificam-se os "bilões" de...

Niterói – Abertura da Semana Municipal do Combate à Intolerância Religiosa

O Vereador Leonardo Giordano convida a todos e todas...

Quase 30 mil já foram aprovados por cotas em concursos de Estados

  Em análise no plano federal, a adoção de cotas...

para lembrar

O controle racializado: o racismo religioso no judiciário

Primeiramente, antes das considerações jurídicas acerca do caso, faz-se...

Xenofobia se converte em agressões contra imigrantes haitianos

Desde julho, 13 trabalhadores do Haiti denunciaram espancamentos sofridos...

Os Privilegiados

 A história e estudos científicos sérios demonstram o fiasco...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=