Início Questão Racial Casos de Racismo Zara vai indenizar cliente vítima de racismo em loja no Shopping Bahia

Zara vai indenizar cliente vítima de racismo em loja no Shopping Bahia

Na época, estudante foi acusado de roubar uma mochila que tinha sido comprada por ele; Valor da indenização não foi revelado

Imagem: Shutterstock

Quatro meses após uma denúncia de racismo, a varejista Zara e o Shopping Bahia fecharam um acordo extrajudicial com o estudante negro Luiz Fernandes Júnior para não levar o processo adiante. O termo de confidencialidade do acordo impede que as partes revelem o valor da indenização.

Júnior nasceu em Guiné-Bissau e cursa mestrado na na Unilab (Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira). Ele registrou um boletim de ocorrência após ser discriminado por uma atendente da loja e por um segurança do shopping em dezembro do ano passado.

A cena foi filmada e viralizou nas redes sociais. “Você não tem vergonha na cara? Um preto não tem orgulho de você. Eu sou preto como você. Eu tenho cartão, eu compro o que eu quiser. Não, não tem nada a ver. Olha o meu documento”, diz Júnior ao segurança.

Segundo pessoas que presenciaram o fato, o cliente já tinha deixado a loja, mas foi pedido pelos atendentes que voltasse para que segurança revistasse os pertences dele.

Segundo o advogado de Fernandes, Thiago Thobias, o acordo foi celebrado no dia 7 de abril.

Outros processos

Mesmo com o acordo feito com o estudante, a Zara e o shopping deverão responder por um processo na esfera cível proposta pela Educafro.

A ação civil pública foi movida pela Educafro devido a outra acusação de discriminação racial praticada por funcionários de uma unidade da Zara em Fortaleza.

Zara Zerou

Em setembro de 2021, uma delegada negra denunciou a loja da Zara do shopping Iguatemi de Fortaleza (CE). Durante as investigações, foi descoberto que os funcionários eram instruídos pelo autofalante a abordar clientes ‘suspeitos’ com base no código ‘Zara Zerou’.

-+=