100 dias sem Marielle Franco e ainda não há respostas

Enviado por / FonteDa Claudia 

Nesta sexta-feira (22), os assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes completam 100 dias. Os dois e a assessora, que não quis ser identificada, voltavam do evento “Jovens Negras Movendo as Estruturas”, que aconteceu na região central do Rio de Janeiro, quando o carro em que estavam foi alvejado. Ao menos 13 tiros foram disparados contra o veículo naquele 14 de março.

Até agora, nenhum esclarecimento foi prestado à sociedade. As perguntas permanecem sem resposta: quem matou Marielle? Quem mandou matar Marielle? Por que mandaram matar Marielle? 

A investigação

O caso vem sendo apurado pela Delegacia de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro e segue sob sigilo. As principais linhas de investigação apontam para a atuação de milícias e motivações políticas. A participação de autoridades também não foi descartada.

Em maio, o jornal O Globo teve acesso ao depoimento de uma testemunha que procurou a polícia sob a afirmação de que estaria sendo ameaçada por saber quem são os assassinos. Ela apontou o vereador Marcello Siciliano (PHS) e o ex-PM e miliciano Orlando Oliveira de Araújo, atualmente preso enquanto responde por homicídio e porte ilegal de arma, como mandantes do crime.

Ainda de acordo com o relato, a motivação seria o avanço das políticas de Marielle em áreas de interesse da milícia. Em defesa dos direitos humanos, ela denunciava abusos da Polícia Militar contra moradores das comunidades e atendia vítimas da violência urbana no RJ.

Entretanto, o material é considerado frágil. Recentemente, a polícia ligou tal testemunha à família Brazão, que disputaria influência política com Siciliano. Domingos Brazão é um ex-vereador, ex-deputado estadual pelo MDB e conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado. Seu irmão, Chiquinho Brazão, é vereador do Rio pelo partido Avante. Eles também negam qualquer participação nos crimes.

Na última terça-feira (19), Raul Jungmann, ministro extraordinário da Segurança Pública, disse em entrevista para a Rádio Eldorado que a demora na conclusão do inquérito se deve à complexidade do caso. Segundo ele, as equipes sabem quem são os envolvidos, mas estão trabalhando no levantamento de provas concretas para apresentar a denúncia.

“O crime foi planejado, feito por profissionais. Também há a dificuldade de se encontrar a razão que teria levado à morte da Marielle, porque ela não apresentaria ameaça pessoal, o que torna a complexidade adicional. É preciso fazer a construção dessas possíveis ameaças, que sempre tendem a acontecer nesse tipo de caso. Também há a percepção de que o círculo dos envolvidos é maior do que se pensava anteriormente, apontando para a participação de autoridades do Rio de Janeiro como mandantes. Então, se faz necessária a construção de provas robustas para poder indicar e apresentar a denúncia”, afirmou Jungmann.

A memória de Marielle Franco

Desde o assassinato da vereadora, atos por todo o Brasil lembraram suas ações em prol daqueles que vivem às margens sociais. Marielle era uma mulher negra, nascida e criada na Favela da Maré, casada com uma mulher e ativista. Participava ativamente da construção de uma sociedade menos desigual e com mais oportunidades.

Prova disso são os cinco projetos aprovados, em primeira votação, durante uma assembleia extraordinária na Câmara.

No dia 2 de maio, amigos, familiares e militantes lotaram a casa para ver a sequência de trabalhos que começaram muito antes. Entre eles, um programa de acolhimento às crianças no período da noite, enquanto seus responsáveis trabalham ou estudam; uma campanha permanente contra a violência sexual em espaços e transportes públicos e a criação do Dossiê Mulher Carioca, para auxiliar a formulação de políticas públicas voltadas para mulheres por meio da compilação de dados da Saúde, Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro.

Não há sinais de desistência naqueles que compartilham dos ideais de Marielle. “Aqui fica a saudade e a vontade de levar seu legado adiante. Não vamos sossegar enquanto o caso não for concluído mas não aceitaremos condenados sem provas. Queremos justiça e não vingança. Seguiremos lutando e resistindo”, escreveu hoje o deputado estadual Marcelo Freixo, amigo e padrinho político da vereadora, em sua conta no Facebook.

+ sobre o tema

Assim falou Luiza Bairros

Nascida em 1953, a gaúcha de Porto Alegre Luiza...

Mortes de mulheres negras aumentam 54% em dez anos

A violência contra as mulheres brancas diminuiu, mas contra...

“Queremos representatividade para além do comercial de xampu”

A blogueira Rosangela J. Silva é nossa primeira entrevistada...

Por que o ativismo das mulheres negras incomoda tanto?

Seja no mercado de trabalho ou cultura, a luta...

para lembrar

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Após anos de queda, taxa de homicídios volta a crescer em SP

Índice caía desde os anos 90, mas em 2012...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=