5 Filmes que mostram o problema do racismo no mundo

Que tal ficar por dentro dos filmes que trazem reflexões sobre o racismo? Veja abaixo filmes o que trazem reflexões sobre o problema do racismo no mundo.

Por  no SindMetal

Quanto Vale ou é Por Quilo?

O filme desenha um painel de duas épocas aparentemente distintas, mas, no fundo, semelhantes na manutenção de uma perversa dinâmica sócio-econômica, embalada pela corrupção impune, pela violência e pelas enormes diferenças sociais. Faz analogia entre o antigo comércio de escravos e a atual exploração da miséria pelo marketing social, que forma uma solidariedade de fachada.

12 Anos de Escravidão

Baseado em fatos reais, 12 Anos de Escravidão (2013) retrata a chocante história real de Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um homem livre que é sequestrado e forçado por a trabalhar durante 12 anos, até conseguir a liberdade com a ajuda de um advogado. O filme chocou as plateias com seu retrato cruel do racismo e do passado de escravidão nos Estados Unidos.

Hotel Ruanda

O filme Hotel Ruanda, do diretor Terry George, lembra uma das maiores e mais brutais chacinas já perpetradas na história: o assassinato de 800 mil ruandeses da etnia tutsi pela etnia rival, os hutus. O conflito aconteceu em 1994. Sem apoio dos demais países, os ruandenses tiveram que buscar saídas em seu próprio cotidiano para sobreviver. Uma delas foi oferecida por Paul Rusesabagina (Don Cheadle), que era gerente do hotel Milles Collines, localizado na capital do país. Contando apenas com sua coragem, Paul abrigou no hotel mais de 1200 pessoas durante o conflito.

A Outra História Americana

Derek (Edward Norton) busca vazão para suas agruras tornando-se líder de uma gangue de racistas. A violência o leva a um assassinato, e ele é condenado pelo crime. Três anos mais tarde, ele sai da prisão e tem que convencer seu irmão (Edward Furlong), que está prestes a assumir a liderança do grupo, a não trilhar o mesmo caminho. O filme tem o poder de mostrar como o ódio racial acaba com a vida tanto de agressores quanto de agredidos.

Histórias Cruzadas 

Jackson, pequena cidade no estado do Mississipi, anos 60. Skeeter (Emma Stone) é uma garota da sociedade que retorna determinada a se tornar escritora. Ela começa a entrevistar as mulheres negras da cidade, que deixaram suas vidas para trabalhar na criação dos filhos da elite branca, da qual a própria Skeeter faz parte. Aibileen Clark (Viola Davis), a emprega da melhor amiga de Skeeter, é a primeira a conceder uma entrevista, o que desagrada a sociedade como um todo. Apesar das críticas, Skeeter e Aibileen continuam trabalhando juntas e, aos poucos, conseguem novas adesões.

+ sobre o tema

Da educação à política, as cotas antirracistas são necessárias

Não é de hoje que a população negra sofre...

Terra da comunidade quilombola Curuanhas é reconhecida

Uma área com mais de dois mil hectares, localizada...

‘Destruiu minha vida’, diz mãe que passou sangue do filho morto no rosto

Sheila Cristiana Nogueira da Silva, de 45 anos, ainda...

Nota de repúdio: Padre Júlio Lancellotti é agredido pela GCM

“A GCM veio com toda a força, jogaram gás...

para lembrar

Inquérito contra terreiro de candomblé em Santa Luzia (MG) é “ilegal”, diz advogado

Hédio Silva Jr. afirma que TAC criado pelo Ministério...

Um velho artigo de Maciel

Fonte: Ìrohin - por: Edson Lopes Cardoso Em 24 de novembro...

Pesquisa investiga marcas do racismo em “famílias inter-raciais”

Cento e vinte e nove anos depois da abolição...
spot_imgspot_img

Número de crianças e adolescentes mortos pela polícia cresce 58% sob governo Tarcísio, apontam dados da SSP

O número de crianças e adolescentes mortos pela polícia aumentou 58% entre 2022 e 2023 — primeiro ano do governo de Tarcísio de Freitas (Republicanos) —,...

A ‘inteligência artificial’ e o racismo

Usar o que se convencionou chamar de "inteligência artificial" (pois não é inteligente) para realizar tarefas diárias é cada vez mais comum. Existem ferramentas que, em...

Funcionária de academia será indenizada por racismo: “cabelo de defunto”

Uma funcionária de uma academia em Juiz de Fora (MG), na Zona da Mata, será indenizada em R$ 15 mil por sofrer racismo. De...
-+=